Voltar ao início Voltar ao topo

Relatório Anual 2015

  • Compartilhe:
  1. A+
  2. A-

Relacionamento com Stakeholders

GRI G4-DMA Mecanismos de queixas e reclamações relacionadas a práticas trabalhistas
GRI G4-DMA InvestimentosG4-DMA Mecanismos de queixas e reclamações relacionadas a impactos na sociedade
Em 2015, aprimoramos a gestão da nossa Ouvidoria Externa e aperfeiçoamos processos a partir de suas recomendações; com o público interno, iniciamos ações para garantir o alcance dos objetivos estratégicos

Para nós do Banco do Brasil (BB), as relações com funcionários, fornecedores, parceiros, clientes, credores, acionistas, concorrentes, comunidade, governo e entidades ligadas ao meio ambiente são pautadas pela ética, pelo respeito e pela transparência. Observamos os direitos trabalhistas, os princípios de cuidados com o meio ambiente e os valores universais de direitos humanos. Cientes de nosso poder de influência, adotamos práticas de referência e estimulamos nossos públicos a incorporar em suas rotinas e processos o compromisso com o desenvolvimento sustentável.

Nossa Ouvidoria Externa é um dos mecanismos que garantem o tratamento imparcial, independente e autônomo na mediação e resolução de conflitos. Além de avaliar individualmente cada demanda, a Ouvidoria tem a função de analisar o conjunto de reclamações e propor medidas corretivas e de aperfeiçoamento de nossos processos, produtos, serviços e canais. A importância desse canal é percebida de forma bem objetiva na redução de perdas operacionais pela mediação dos conflitos e pela promoção da cultura de defesa do consumidor.

Com a edição da Resolução CMN nº 4.433/2015, a Ouvidoria Externa terá outras atribuições, além de propor ao CA, medidas corretivas ou de aprimoramento dos procedimentos e rotinas da instituição conforme determinado no artigo 36 do nosso Estatuto Social. A área será responsável também por manter o CA informado sobre suas atividades e os resultados das medidas adotadas pelos administradores para resolver problemas e deficiências.

Em 2015, a Ouvidoria apresentou medidas corretivas ou de aprimoramento criadas a partir de Relatórios de Proposição de Melhorias e do ranking de reclamações elaborado pela Ouvidoria Externa. O objetivo é reduzir reclamações de clientes, a partir do aprimoramento de produtos, serviços, processos, canais e rede de atendimento.

Em 2015, destacamos como principais iniciativas a manutenção, no Acordo de Trabalho das Unidades Estratégicas, de indicador utilizado como critério para avaliação de desempenho das unidades relacionado ao Índice de Reclamações e Denúncias do Bacen e dos Procons; a continuidade de indicadores de acompanhamento do prazo para elaboração de parecer em resposta às ocorrências de clientes registradas no Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) ou Ouvidoria, bem como a apuração de reclamações e denúncias procedentes do Bacen; o aprimoramento da Governança de Reclamações, com o envolvimento de fóruns estratégicos para promover aperfeiçoamento de produtos, serviços, processos e canais e rede de atendimento.

Durante o ano, também melhoramos vários processos a partir de recomendações da Ouvidoria Externa. Um deles foi a implementação de renegociação de dívidas nas agências por meio da plataforma BB, que facilita a operação. O segundo é a revisão do parcelamento preventivo de fatura de cartão de crédito, implementado em junho, com informações mais esclarecedoras aos clientes e orientações internas. O terceiro envolve a reformulação dos convênios de débito automático, prevendo a confirmação prévia dos clientes por meios remotos, como condicionante para realização de débitos em conta-corrente. E, por fim, modernizamos 3.800 terminais de autoatendimento, contribuindo para tornar o nosso parque de máquinas o mais atual da América Latina.

Para aprimorar o relacionamento com órgãos de defesa do consumidor, fomos a primeira empresa em nível nacional a aderir ao portal consumidor.gov.br, fortalecendo a atuação com os clientes que buscam esse canal para solução de demandas, as quais são monitoradas por todos os Procons que participam do portal.

Também nessa área, mantivemos convênios com os Procons do País para emissão de reclamações de clientes sem necessidade de impressão, a denominada Carta de Informações Preliminares (CIP) eletrônica dos Procons, representativa de mais de 75% de CIPs emitidas em 2015.

Além disso, implantamos estrutura centralizada na Ouvidoria Externa para atuação e gestão em audiências administrativas dos Procons em nível nacional, valorizando ainda mais a busca da solução das demandas oriundas dos órgãos de defesa do consumidor.

Entre as perspectivas e os principais desafios para 2016 estão ampliar a atuação da Ouvidoria Externa em nossas empresas ligadas e estender sua atuação às nossas dependências no exterior; e atuar junto aos administradores, contribuindo para o alcance de objetivos relacionados à excelência no atendimento por meio da prevenção de conflitos.

A seguir apresentamos a evolução das demandas:

Demandas Encerradas
pela Ouvidoria Externa
2013 2014 2015 (2)
Volume de Demandas Índice
Anual (1)
Volume de Demandas Índice
Anual (1)
Volume de Demandas Índice
Anual (1)
Diretas 18.869 30,74 19.980 32,41 24.479 43,68
Bacen 26.813 43,69 26.620 43,18 24.904 44,43
Procon 13.092 21,33 10.256 16,64 15.793 28,18

(1) Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100.000. que equivale ao número de reclamações a cada grupo de 100.000 clientes.
(2) Variações ocorridas nos indicadores em 2015

Origem Ouvidoria: a elevação na quantidade e, consequentemente, no índice anual deve-se não à “piora”, mas à abertura de novos canais de interação com o cliente, como o SAC no APF e SAC no Mobile. O aumento na quantidade de interações com os clientes no SAC eleva naturalmente o volume de demandas na origem Ouvidoria.
Origem Bacen: conforme se observa no quadro acima, houve redução de 6,44% nas reclamações Bacen no comparativo 2015 x 2014, apenas o índice apresentou pequena elevação em função da base de clientes.
Origem Procon: da mesma forma que a Origem Ouvidoria, as demandas de Procon também apresentaram elevação em função da maior abertura de canais, o que provoca elevação também nessa origem. Soma-se a isso uma maior interação em relação a pedidos de equalização de dívidas, os quais, em essência, não se tratam de reclamações.
A Ouvidoria avalia as reclamações quantitativamente e em relação à relevância. Com base nessa análise, os gestores de produtos e serviços apresentam ações que possam fazer frente às principais reclamações de clientes, buscando mitigá-las. Essas ações sempre contribuem para a melhora de índices internos e externos.

Disponibilizamos um canal institucional de gestão da ética corporativa, a Ouvidoria Interna, especializado no atendimento aos funcionários no País e exterior, estagiários, aprendizes e empregados de empresas contratadas. Esse canal é um importante facilitador do diálogo entre funcionários e empresa, preparado para receber, analisar e solucionar denúncias relativas a conflitos, desvios de conduta ética e descumprimento de normas internas. Além disso, é um instrumento para o registro de elogios, sugestões e reclamações referentes aos processos de Gestão de Pessoas.

O contato pode ser feito de forma anônima ou identificada, com sigilo e confidencialidade na condução das demandas, por diversos canais: e-mail, intranet corporativa, telefone, carta ou presencialmente. GRI G4-57G4-58

Funcionários

Para nós, o desenvolvimento das políticas e práticas de gestão de pessoas é norteado por três temas estratégicos: significado, organização e competências para o trabalho. Eles são o alicerce que permite a conquista dos objetivos estratégicos.

A partir desses balizadores, desenvolvemos um amplo conjunto de ações, implementadas no decorrer de 2015 e que contribuíram para alcançarmos nossos objetivos nas seguintes dimensões: de aprendizado e crescimento, de processos internos, socioambiental, de clientes e financeira. Para acompanhamento e avaliação de cada ação proposta, definimos indicadores e metas de execução, cuja realização é constantemente monitorada.

Para alinhar as práticas de gestão de pessoas à estratégia corporativa, em 2015, houve o envolvimento ativo de todos os funcionários no processo de disseminação da Essência BB, o que contribuiu para o fortalecimento da cultura organizacional, o sentimento de orgulho e pertencimento e a compreensão plena dos direcionadores estratégicos de nossa organização.

Destaques de 2015

Dentre as várias iniciativas realizadas em nossa área de Gestão de Pessoas, destacamos:

  • Redução do Fator Acidentário de Trabalho (FAP) em 173,7 milhões em 2016, decorrente das ações desenvolvidas pelas equipes do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT);
  • Lançamento, em junho, do Plano de Aposentadoria Incentivada (PAI) 2015, com redução prevista de R$ 511 milhões em despesa com pessoal em 2016;
  • Realização das pesquisas de clima organizacional e satisfação no trabalho com a participação de 74.466 e 61.187 funcionários, respectivamente;
  • Participação de 2.689 gestores na Oficina Gestão do Clima Organizacional, treinamento destinado a mobilizar a equipe para a busca de formas inovadoras de realização do trabalho, disseminando valores como respeito, cortesia, confiança, equidade e cooperação;
  • Lançamento de ferramenta de comunicação interna, denominada #falapresidente, destinada a promover a aproximação e o diálogo dos funcionários com a Presidência do Banco;
  • Recrutamento interno de 1.200 pessoas no processo seletivo para gestores em primeira investidura do Programa Ascensão Profissional na Rede de Agências;
  • Realização da quarta edição do Programa Ascensão Profissional Executivos, que busca identificar profissionais com potencial para exercer a função de Gerente Executivo e/ou de Superintendente Estadual;
  • Realização do 16º e 17º certames do Programa de Certificação Interna de Conhecimentos BB, com a participação de 52.960 e 55.805 funcionários, respectivamente;
  • Disponibilização de Curso de Capacitação e Atualização para as Certificações (CPA 10 e 20) para todos os funcionários. Em 2015, foram capacitados 5.346 profissionais;
  • Implementação do Projeto Piloto Home Office na Diretoria de Tecnologia;
  • Disponibilização de 1.800 bolsas de graduação. Concessão de vagas para o MBA Executivo em Negócios Financeiros para 400 gestores de unidades de negócios e 2.000 bolsas de pós-graduação lato sensu de livre escolha para todos os funcionários. Para pós-graduação stricto sensu, foram concedidas 91 bolsas;
  • Disponibilização de 1.500 bolsas de inglês, sendo 400 delas destinadas exclusivamente a escriturários e caixas;
  • Publicação do Código de Ética e das Normas de Conduta no site do BB, em oito idiomas e em áudio (português).

Nossos funcionários são avaliados semestralmente por um modelo que considera cinco perspectivas: financeira; de clientes; de processos internos; de aprendizado e crescimento; e socioambiental

Carreira GRI G4-DMA EmpregoG4-DMA Diversidade e igualdade de oportunidadesG4-DMA Igualdade de remuneração entre mulheres e homensG4-DMA Rotulagem de produtos e serviços

Temos vários instrumentos e métricas para avaliar a efetividade de nossas políticas, nossos programas e nossas práticas e a sua contribuição para a execução da nossa estratégia corporativa.

A Gestão de Desempenho Profissional por Competências e Resultados (GDP) acompanha o desempenho dos nossos funcionários, que são avaliados semestralmente. A avaliação é feita por meio de modelo 360º e considera cinco perspectivas: financeira; de clientes; de processos internos; de aprendizado e crescimento; e socioambiental.

Além de avaliar competências, o modelo mensura também as contribuições individuais na conquista das metas. Essa medida estimula o cumprimento dos objetivos organizacionais e contribui para a valorização do mérito na ascensão profissional. Em 2015, 99,30% dos profissionais efetivos passaram pelo processo, além de 1.094 profissionais cedidos a subsidiárias. Os funcionários em contrato de experiência e os estatutários têm seu desempenho avaliado por instrumento específico. GRI G4-LA11

Funcionários que Participaram do GDP por Nível Funcional e Gênero 2013 2014 2015
Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino
Gerencial 12.757 23.530 12.875 23.842 12.782 23.506
Técnico 1.249 2.673 1.806 3.639 1.757 3.544
Operacional 10.162 10.489 10.381 10.061 10.497 9.746
Assessoramento 3.304 5.065 2.849 4.385 2.750 4.073
Outros 19.108 23.879 18.453 23.337 17.596 22.940

Nossos indicadores de desempenho do capital humano são monitorados para medir a execução da estratégia de desenvolvimento desse capital. Além de indicadores financeiros, são observados dados como a quantidade de funcionários com, no mínimo, 34 horas de capacitação anuais; média de horas de treinamento presencial por funcionário; média de horas de treinamento à distância por funcionário; média de acessos diários ao Portal da Universidade Corporativa Banco do Brasil (UniBB); e percentual de gestores que realizaram a quantidade mínima de treinamentos gerenciais.

Os benefícios do investimento em capital humano em termos de negócios são avaliados por meio das seguintes métricas: Retorno de investimentos em RH (ROI), Human Economic Value Added (Heva), ROI Líquido com Treinamento e Desenvolvimento (T&D), Human Capital Value Added, lucro líquido por funcionário, e lucro líquido per capita por investimento em capacitação.

Também são acompanhados indicadores de custos, como valor total investido em programas de capacitação; investimento em treinamento por empregado; redução de despesas com deslocamento e hospedagem em função do programa de e-learning; e percentual de utilização do orçamento de educação corporativa alocado em cada unidade da empresa.

O Radar, ferramenta desenvolvida internamente nas modalidades Gestor e Gestão de Pessoas, tem por objetivo fornecer informações sobre indicadores de gestão para subsidiar a tomada de decisões, a melhoria de processos e o desenvolvimento de funcionários e equipes de trabalho.

O Radar Gestão de Pessoas é composto de cinco dimensões avaliatórias ou conjuntos temáticos de indicadores: desenvolvimento profissional; estilo de gestão e liderança; saúde e qualidade de vida; jornada e condições de trabalho; e perfil da equipe. O último item é apenas informativo, ou seja, composto de indicadores que não são considerados na pontuação no Radar. As quatro dimensões avaliatórias somam 20 indicadores, considerados pelo Radar. Cada indicador é mostrado de forma detalhada quando o usuário clica sobre o respectivo tema. Paralelamente às pontuações observadas em cada unidade de trabalho, são apresentadas as médias da respectiva unidade da federação e as médias gerais do País em cada indicador. Esses dados são consolidados em gráficos, permitindo comparação e ranqueamentos.

O Radar do Gestor tem construção, dinâmica e uso semelhantes ao Radar Gestão de Pessoas. A diferença é que centraliza informações gerenciais sobre o desempenho dos negócios, a qualidade do atendimento e o estilo de gestão dos primeiros gestores das unidades de negócios, a fim de evidenciar pontos fortes e de aprimoramento de cada líder e subsidiar a tomada de decisões.

O aplicativo consolida resultados dos diversos sistemas de avaliação do Banco (Acordo de Trabalho, Pesquisa de Clima, GDP etc.) e apresenta um histórico do desempenho do gestor, por meio de gráficos ilustrativos, tabelas e comparativos com informações dos sete últimos semestres, num panorama de curto, médio e longo prazos. Trata-se de um conjunto de informações sobre a trajetória do gestor, que contribui para seu crescimento profissional e pessoal.

Perfil do Quadro Funcional GRI G4-DMA Presença no mercado

Nossos funcionários ingressam na empresa por meio de concursos públicos. Não são admitidos profissionais temporários e não é possível direcionar vagas para a contratação local de pessoas. No encerramento de 2015, contávamos com 109.191 funcionários, além de 36 executivos estatutários. Nossos funcionários são todos contratados de acordo com a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). GRI G4-10G4-EC6

Desde 2007, participamos do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Dentre as ações de impacto realizadas desde a inserção no Programa, destacamos:

  • Concessão da licença-maternidade e adoção de até 180 dias;
  • Ampliação do prazo de licença paternidade para 10 dias;
  • Ação afirmativa de gênero nos programas corporativos de ascensão profissional;
  • Atuação da Ouvidoria Interna na identificação de situações de discriminação à mulher;
  • Criação de Comitê Superior e Comitês Estaduais de Gestão da Ética;
  • Levantamento e acompanhamento de ocupantes de comissões gerenciais sob o enfoque de raça ou etnia e gênero;
  • Meta corporativa de nomeação de mulheres para cargos de primeira gestora de unidades de negócios.

Em 2015, foi lançado o curso “Equidade de Gênero: Uma Questão Cultural?”. O objetivo é capacitar os funcionários para que adotem ações que promovam a equidade de gênero na rotina de trabalho, respeitando a participação das mulheres. O treinamento foi desenvolvido em parceria com a CEF, por meio de um Acordo de Cooperação Técnica, e é consequência do Fórum Equidade de Gênero, realizado em 2014, no BB. Na ocasião, todos os funcionários foram convidados a participar do Fórum, concebido com o objetivo de fomentar a discussão sobre o tema e acolher sugestões para melhorias na ascensão profissional, no equilíbrio entre vida pessoal e profissional, e na educação corporativa e conscientização.

GRI G4-10
Número de Funcionários por Contrato de Trabalho e Gênero 2013 2014 2015
Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino
CLT 65.636 46.580 65.264 46.364 63.809 45.382
Estatutários 34 0 36 0 35 1

GRI G4-10
Número de Funcionários por Região e Gênero 2013 2014 2015
Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino
Sul 11.634 8.042 11.466 8.006 11.306 7.951
Sudeste 27.268 23.201 27.179 23.124 26.849 22.547
Centro-Oeste 11.455 6.650 11.325 6.552 10.919 6.456
Norte 2.998 2.056 3.037 2.047 2.946 2.002
Nordeste 12.272 6.631 12.211 6.634 11.781 6.426
Exterior 9 0 46 1 43 1

Não temos trabalhadores terceirizados exercendo as atividades fim do Banco. Nenhuma parte dos trabalhos é realizada por profissionais legalmente reconhecidos como autônomos ou por indivíduos que não sejam empregados próprios ou terceirizados. Os funcionários que realizam nossas atividades fim são admitidos por meio de aprovação em concurso público conforme previsto na Constituição Federal e no Estatuto Social do BB.

Em 2015, tivemos um total de 4.992 funcionários desligados por meio do Plano de Aposentadoria Incentivada (PAI) e 4.883 novos profissionais empossados.

GRI G4-LA1
Rotatividade por Gênero 2013 2014 2015
Média de Funcionários (1)
Feminino 46.892 46.472 45.873
Masculino 66.307 65.450 64.537
Total 113.119 111.922 110.410 
Desligamentos no Período (2)
Feminino 2.124 1.324 2.596
Masculino 3.302 2.424 4.436
Total 5.426 3.748 7.032
Taxa de Rotatividade (3)
Feminino 4,6% 2,9% 5,7%
Masculino 5,0% 3,7% 7,0%
Total 4,8% 3,4% 6,4%

(1) (Número de funcionários no período anterior/número de funcionários no período)/2.
(2) Base Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões do Tribunal de Contas da União (Sisac).
(3) (Desligamentos no período/quantidade de funcionários em 31 de dezembro) X 100.


GRI G4-LA1
Taxa de Rotatividade por Faixa Etária – (desligamentos no período/quantidade de funcionários em 31/12/2014)x100 2015(%)
Até 30 anos 2,6
De 30 a 50 anos 1,5
Acima de 50 anos 30,1
Total 6,4

GRI G4-LA1
Rotatividade por Região 2013 2014 2015
Média de Funcionários (1)
Sul 19.580 19.494 19.364
Sudeste 51.155 50.477 49.848
Centro-Oeste 17.993 17.916 17.610
Norte 5.135 5.084 5.016
Nordeste 19.270 18.895 18.526
Exterior 68 56 46
Total 113.119 111.922 110.410
Desligamentos no Período (2)
Sul 937 646 1.159
Sudeste 2.047 1.394 2.727
Centro-Oeste 1.140 822 1.200
Norte 258 221 311
Nordeste 1.044 665 1.635
Total 5.426 3.748 7.032
Taxa de Rotatividade (%) (3)
Sul 4,8 3,3 6,0
Sudeste 4,0 2,3 5,5
Centro-Oeste 6,4 4,6 6,8
Norte 5,1 4,4 6,2
Nordeste 5,5 3,5 8,8
Total 4,8 3,4 6,4

(1) (Número de funcionários no período anterior/número de funcionários no período)/2.
(2) Base Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões do Tribunal de Contas da União (Sisac).
(3) (Desligamentos no período/quantidade de funcionários em 31 de dezembro) X 100.

Remuneração GRI G4-DMA Emprego G4-DMA Igualdade de remuneração entre mulheres e homens

As práticas de remuneração que adotamos visam, entre outros objetivos, atrair e reter talentos, estimular o trabalho em equipe e a execução dos resultados e estratégias a custos cada vez menores, com mais eficiência. A remuneração dos funcionários corresponde à soma das verbas pessoais e, quando for o caso, das verbas vinculadas ao exercício de funções ou comissões.

As verbas pessoais são calculadas individualmente e, quando acionadas, passam a ser irredutíveis, variando de um funcionário para outro em função da carreira, do histórico de funções e comissões e da data de posse.

As verbas vinculadas apresentam valores definidos conforme as atribuições, nível hierárquico, complexidade, praça, grupamento e outros fatores vinculados a cada função ou comissão, podendo, portanto, ser extintas ou alteradas em qualquer tempo.

Com a finalidade de proporcionar remuneração compatível à dos principais concorrentes e demais instituições financeiras, nos valemos do estudo dos valores salariais interno e externo.

No estudo do equilíbrio interno é considerada a escala de remuneração que praticamos para funções, cargos e comissões da estrutura organizacional. Além disso, observamos as atividades, as responsabilidades, a amplitude de comando e demais fatores.

Para a avaliação do equilíbrio externo da remuneração, utilizamos como parâmetro a pesquisa anual de remuneração da Consultoria Mercer Human Resource relativa ao segmento bancário, edição 2015.

Nossa área de gestão de pessoas desenvolve, normatiza, implementa e acompanha soluções para remuneração de pessoal. Não há participação de consultores de remuneração independentes da administração nesse processo.

O menor salário que pagamos em 2015 foi de R$ 2.449,98, equivalente a 2,83 vezes o salário mínimo nacional. O valor é pago independentemente da questão de gênero. GRI G4-EC5

Contamos com o PLR, que oferece remuneração variável semestral atrelada ao Acordo de Trabalho (Sinergia BB e ATB), ao lucro líquido do período e ao acordo com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). A Lei nº 10.101/2000 exige que a PLR seja objeto de negociação entre a empresa e seus empregados. A negociação é feita no âmbito do Acordo Coletivo de Trabalho, ratificado pela empresa e entidades representativas dos funcionários.

A proposta do Programa de PLR dos empregados é submetida anualmente à aprovação do CA e depois remetida aos ministérios supervisores. Somente após a aprovação do programa por essas instâncias, os lucros ou resultados da empresa serão distribuídos aos empregados.

Consideradas as etapas descritas, foram listados quatro stakeholders envolvidos diretamente:

  • Governo Federal | Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e Ministério da Fazenda;
  • Funcionários | membro do CA eleito pelos funcionários;
  • Entidades representantes dos funcionários | sindicatos;
  • Acionistas majoritários e minoritários | Assembleia Geral Ordinária (AGO) e membros do CA. GRI G4-53

A análise de desempenho individual é considerada em programas de remuneração variável. Atualmente, existem dois programas que utilizam a avaliação individual para o pagamento da remuneração variável: Programa de Desempenho Gratificado (PDG) e Programa de Remuneração Variável de Administradores (RVA).

Inicialmente, o PDG abrangeu as funções de superintendentes regionais, gerentes regionais de reestruturação de ativos operacionais e gerentes gerais de unidades de negócios, acionadas em agências e escritórios private, dando início ao Programa no segundo semestre de 2011.

Em 2012, o programa foi estendido aos funcionários que exercem as funções de gerente geral de unidades de negócio, acionados em Gerências de Cobrança e Recuperação de Crédito (Gecor) e, em 2013, também aos funcionários que ocupam funções de gerência média e de negócios acionados em unidades de negócios. Em 2014, foi aprovada a extensão do público-alvo do PDG para gerentes de setor, gerente de módulo e gerente de segmento em Unidade de Apoio (UA) lotados em Plataforma de Suporte Operacional (PSO), culminando com um público total de aproximadamente 32 mil funcionários.

Em 2015, foi incluída a participação de funcionários desligados após o período de avaliação até a data do pagamento.

Nosso Programa de RVA é regido pela Lei nº 6.404/76, pela Resolução CMN nº 3.921 e pelo nosso Estatuto Social, e tem como participantes os membros da Diretoria Executiva do Banco.

Anualmente, o Comitê de Remuneração (Corem) elabora proposta para a política de remuneração de nossos administradores, propondo ao CA, as diversas formas de remuneração fixa e variável, além de benefícios e programas especiais de recrutamento e desligamento.

O CA, que entre seus membros tem representantes dos ministérios supervisores (Ministério da Fazenda e MPOG) acolhe a proposta do Corem e, após deliberação, convoca os acionistas majoritários e minoritários a participar da AGO para deliberar o tema.

A Resolução CMN nº 3.921 estabeleceu diversos requisitos para o pagamento de remuneração a administradores de instituições financeiras autorizadas pelo Bacen a funcionar. Dentre os principais, destacamos:

  • Compatibilização entre a política de remuneração e a de gestão de riscos, além de ser formulada de modo que não incentive comportamentos que elevem a exposição ao risco acima dos níveis considerados prudentes nas estratégias da instituição;
  • Levar em conta, quanto ao montante global e à alocação da remuneração, fatores como riscos correntes e potenciais; resultado geral, em particular o lucro recorrente realizado; a capacidade de geração de fluxos de caixa; ambiente econômico em que está inserida e suas tendências; bases financeiras sustentáveis de longo prazo e pagamentos futuros em função dos riscos assumidos, das oscilações do custo de capital e das projeções de liquidez;
  • Devem ser observados critérios de desempenho individual, da unidade de negócios e da instituição como um todo, além da relação entre eles e os riscos assumidos;
  • No mínimo 50% devem ser pagos em ações ou instrumentos baseados em ações;
  • No mínimo 40% devem ser pagos no futuro, percentual que deve crescer de acordo com o nível de responsabilidade do administrador;
  • Aplicar adiamento de, no mínimo, três anos, sendo estabelecido em função dos riscos e da atividade do administrador;
  • Os pagamentos devem ser efetuados de forma escalonada em parcelas proporcionais ao período do adiamento;
  • No caso de redução significativa do lucro recorrente realizado ou ocorrência de resultado negativo da instituição ou da unidade de negócios durante o período de adiamento, as parcelas não pagas devem ser revertidas proporcionalmente à redução do resultado.

O Programa de Remuneração Variável dos Administradores (RVA) é revisado constantemente para garantir que seja um mecanismo efetivo de incentivo e recompensa

Desde 2012, quando passou a vigorar, o nosso Programa de RVA vem sendo aperfeiçoado para que a remuneração variável dos administradores sirva como instrumento de incentivo e recompensa. O processo é baseado em indicadores e mecanismos que levam em conta resultados de curto, médio e longo prazos aos riscos assumidos, e distribui os indicadores em níveis (corporativo, individual, colegiado e da unidade), contribuindo para a construção de resultados sustentáveis ao longo do tempo.

O diferencial de remuneração por competências abrange todos os funcionários da gerência média, lotados em unidades de negócios. Está condicionado ao atendimento de um conjunto de pré-requisitos que variam de acordo com o tipo de carteira em que trabalham, entre os quais se destaca a avaliação individual de desempenho. O total de beneficiados não é superior a dois terços do público-alvo.

Para o ano de 2016, os programas de remuneração poderão ser objeto de ajustes, mas a avaliação individual de desempenho será mantida como indicador-chave a ser apurado quando houver concessão ou pagamento de remuneração diferencial.

No Banco do Brasil, a remuneração dos membros estatutários é aprovada pelo CA por proposta apresentada pela área de gestão de pessoas. Antes de ser submetida à deliberação do Conselho, a proposta é avaliada pelo Comitê de Remuneração, órgão que assessora o Conselho, e pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) do MPOG.

O montante global para a remuneração aprovada é submetido à deliberação da assembleia geral ordinária de acionistas pelo Ministro da Fazenda, conforme o artigo 152 da Lei nº 6.404/1976. GRI G4-53

Benefícios

Nossos funcionários contam com benefícios compatíveis com o porte e a política de retenção de talentos, extrapolando as exigências legais (conheça-os no quadro). Todos têm direito aos mesmos benefícios, sem distinção de cargos ou funções. GRI G4-LA2G4-DMA EmpregoG4-DMA Igualdade de remuneração entre mulheres e homens

GRI G4-LA2
Benefícios Descrição
Ajuda Alimentação/Auxílio-Refeição Tíquete disponibilizado em cartão eletrônico utilizado para ressarcimento de despesas com aquisição de alimento em restaurantes e lanchonetes.
Ajuda Deslocamento Noturno Ressarcimento de despesas com transporte de retorno à residência para funcionários cuja jornada de trabalho termine entre meia-noite e seis horas da manhã e aos credenciados pela Câmara de Compensação que participem de sessão de compensação em período considerado noturno.
Auxílio-Creche Verba para despesas realizadas com internamento de cada filho, inclusive adotivo, em creches e instituições pré-escolares de livre escolha e, inclusive, nas mesmas condições e valor, as despesas efetuadas com o pagamento da empregada doméstica/babá. O valor é definido em Acordo Coletivo de Trabalho – ACT.
Auxílio Filho Portador de Deficiência Ressarcimento de despesas similares ao Auxílio-Creche para funcionários que tenham filhos comprovadamente com deficiência, que exijam cuidados permanentes, sem limite de idade.
Caixa Executivo – Vantagem em Caráter Pessoal – LER Pagamento, em caráter pessoal, da gratificação de caixa executivo, por um período de 18 meses, a partir do momento que o funcionário, afastado por LER (Lesão por Esforço Repetitivo e Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho), retorne às atividades no Banco.
Cesta Alimentação Tíquete disponibilizado em cartão eletrônico utilizado para ressarcimento de despesas com aquisição de alimento em mercearias ou supermercados.
Faltas Abonadas Aquisição anual de cinco faltas abonadas por ano.
Indenização por Assalto Indenização em favor do funcionário e seus dependentes legais, no caso de invalidez permanente ou morte, em consequência de sequestro e/ou assalto intentado contra o Banco.
Licença para Acompanhar Pessoa Enferma da Família (LAPEF) Concessão de afastamento aos funcionários, não superior a 90 dias, para acompanhar pessoas enfermas da família em situações transitórias e pontuais.
Licença-Prêmio Aquisição anual de 18 dias para cada efetivo exercício no Banco. Somente para funcionário com ingresso no Banco antes de 1998.
Programa de Assistência a Vítimas de Assalto e Sequestro (PAVAS) Prestação de assistência médica, psicoterápica, jurídica e de segurança aos funcionários no pós-assalto, bem como facilitar a reorganização da rotina de trabalho da dependência, de forma a minimizar o impacto negativo do fato. Quanto à segurança da integridade física e emocional do funcionário e seus dependentes, o Banco arca com despesas de deslocamento (passagens, hospedagem, alimentação).
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Aquisição de óculos e lentes Concessão de adiantamento para cobertura de despesas com aquisição de óculos ou lentes, recomendados por médico. A reposição do adiantamento é feita em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Catástrofe Natural ou Incêndio Residencial Cobertura de despesas com aquisição ou reforma de bens essenciais danificados por catástrofe natural como enchente, vendaval, abalo sísmico ou incêndio residencial. A reposição do adiantamento é feita em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Desequilíbrio Financeiro Adiantamento para superação de crise financeira, resultante de causas imprevisíveis, inevitáveis e fortuitas. A reposição do adiantamento é feita em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Funeral de Dependente Econômico Cobertura de despesas com funeral de dependente econômico, o que ultrapassar os valores cobertos pela Cassi. A reposição do adiantamento é feita em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Glosas da Cassi Adiantamento para pagamento das glosas da Cassi na livre escolha, quando caracterizada a insuficiência/inexistência de recursos médico-hospitalares e laboratoriais credenciados/conveniados na localidade que está sendo realizado o tratamento. A reposição do adiantamento é feita em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Tratamento Odontológico Concessão de adiantamento para cobertura de despesas com tratamento dentário, com reposição em 25 até 48 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Adiantamentos – Tratamento Psicoterápico Ao ser admitido no Banco, o funcionário e seus dependentes econômicos tem direito a 200 sessões individuais de psicoterapia. Esgotada a quantidade de sessões, o Banco permite-lhe a prorrogação das sessões, mediante liberação do adiantamento. A reposição do adiantamento é feita em 25 meses, sem juros.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Aquisição de Medicamentos no Exterior Ressarcimento de parte das despesas realizadas com aquisição de medicamentos no exterior.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Assistência a Portadores de Deficiência Cobertura das despesas com internato, semi-internato, externato e terapias complementares decorrentes de dependentes econômicos ou pensionistas (cadastrados no Banco) portadores de deficiências física, mental e/ou neurosensorial, de caráter permanente, que limite ou gere sua incapacidade para o desempenho da vida diária e/ou do trabalho.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Assistência Médico-Hospitalar Cobertura das despesas médico-hospitalares com doenças graves, quando não existirem recursos no Plano de Associados, que é destinado aos funcionários.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Assistência Médico-Social Prestamento de assistência social, com atendimentos psicossocial e socioeducativo, para as situações-problemas.
Prog. de Assistência Social – Auxílio – Deslocamento para Tratamento de Saúde no Exterior Ressarcimento das despesas com deslocamento para tratamento de saúde no exterior (passagens, hospedagem e refeição) para o paciente e o acompanhante, quando inexistirem recursos adequados ou suficientes no Brasil.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Deslocamento para Tratamento de Saúde no País Ressarcimento das despesas com deslocamento para tratamento de saúde no País (passagens, hospedagem e refeição) para o paciente e o acompanhante, quando inexistir recursos adequados e/ou suficientes no local de origem do funcionário (localidade onde lotado).
Programa de Assistência Social – Auxílio – Doação/Recepção de Órgãos e Transplantes Ressarcimento de despesas do funcionário com deslocamento para doação/recepção de órgãos para transplante.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Enfermagem Especial Cobertura dos valores glosados pela Cassi sobre serviços de enfermagem hospitalar e domiciliar para paciente que necessite de cuidados permanentes e intensivos de enfermagem, com condição de ser mantido fora da UTI.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Falecimento em Situação de Serviço Cobertura de gastos com funeral e traslado do corpo, em caso de falecimento de funcionário em situação de serviço fora da Região Metropolitana de sua dependência de localização, inclusive durante o trânsito.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Remoção em UTI Móvel ou Táxi Aéreo Cobertura de despesas com remoção em UTI móvel ou táxi aéreo para tratamento de saúde, em situações médicas de real gravidade e/ou emergências, caracterizadas pela necessidade de acompanhamento médico no deslocamento.
Programa de Assistência Social – Auxílio – Tratamento com Hormônio do Crescimento Cobertura a título de reembolso dos valores glosados pela Cassi para despesas decorrentes do tratamento com hormônio de crescimento aos portadores de nanismo hipofisário.
Programa de Assistência Social – Controle do Tabagismo O funcionário inscrito no Programa terá a cobertura integral das despesas de deslocamento até o local mais próximo, quando não houver rede credenciada na localidade onde lotado o funcionário. Também será ressarcido em 50% do valor dos medicamentos prescritos, se for o caso.
Programa de Assistência Social – Perícia Odontológica O Banco assume a despesa com perícia odontológica, quando necessária.
Vale-Transporte Custeio parcial das despesas com transporte de funcionários, nos deslocamentos de suas residências para os locais de trabalho e vice-versa. Não se aplica nos deslocamentos aqueles efetuados com transportes seletivos ou especiais.
Vantagem em Caráter Pessoal (VCP) Continuidade do pagamento, em caráter pessoal por determinado período da comissão exercida pelo funcionário quando há redução da dotação da dependência.
Vantagem em Caráter Pessoal (VCP) – Acidente de Trabalho Pagamento, em caráter pessoal, da comissão, por um período de 120 dias, a partir do momento que o funcionário, afastado por Acidente de Trabalho, retorna às atividades no Banco.
Vantagem em caráter Pessoal – LER Pagamento, em caráter pessoal, de vantagens relativas à gratificação de caixa código 288 e 394 aos funcionários que na véspera do afastamento por acidente de trabalho exerciam a função de caixa executivo e foram licenciados com diagnóstico de Lesões por Esforço Repetitivo (LER).
Licença-Adoção É abonado o afastamento para adoção de crianças com idade de até 96 (noventa e seis) meses. Adotantes do sexo masculino podem afastar-se por cinco dias. Funcionária que adotar ou obtiver a guarda de criança para fins de adoção faz jus, também, ao salário-maternidade.
Licença-Maternidade Por ocasião do parto, da adoção ou da guarda judicial para fins de adoção, a funcionária faz jus ao benefício de salário-maternidade e licença-maternidade.
Salário-Maternidade O salário pago à funcionária durante o período que estiver de licença-maternidade ou licença-adoção é aquele igual à sua remuneração integral devida no mês de afastamento ou à média aritmética dos últimos seis meses (o que for melhor).
Assistência Médica O Banco do Brasil contribui como patrocinador para um plano de saúde por funcionário, inclusive aqueles oriundos de instituições financeiras incorporadas.
Previdência Complementar O Banco do Brasil contribuir como patrocinador para um plano de benefício em previdência complementar por funcionário, inclusive aqueles oriundos de instituições financeiras incorporadas.
BB DENTAL O Banco do Brasil em parceria com empresa Odontoprev proporciona assistência odontológica aos funcionários da ativa e seus dependentes.
Prorrogação Licença Maternidade Opção de estender em 60 dias o período de afastamento em decorrência do parto. Logo, a licença maternidade poderá ter até 180 dias de duração.
Vantagens de Remoção Destinam-se ao custeio parcial de despesas inerentes ao processo de desinstalação, instalação, deslocamento, entre outros, para os funcionários que efetuem mudança de residência devido ao comissionamento, no interesse do serviço.
Portal UniBB Família Portal direcionado para treinamento, desenvolvimento e educação ao complementar à distância, para dependentes de funcionários.
Vale cultura Tem por finalidade fornecer aos trabalhadores meios para o exercício dos direitos culturais e acesso às fontes de cultura.
Extensão da licença maternidade – Parto prematuro e bebê em UTI Extensão da licença-maternidade em caso de nascimento prematuro à quantidade de dias que o recém-nascido passar internado em UTI, limitado a 60 dias consecutivos.
Auxílio Educacional para Dependentes Benefício concedido por meio de ressarcimento para auxiliar, quando for o caso, todos os ciclos letivos da formação educacional (infantil, fundamental 1 e 2, médio e superior) para dependente de funcionário falecido ou diagnosticado com invalidez permanente, em decorrência de assalto intentado contra o Banco.


GRI G4-LA3
Indicadores Relacionados a
Licença-Maternidade/Paternidade por Gênero
2014 2015
Feminino Masculino Feminino Masculino
Funcionários com Direito à Licença 43.367 65.279 67.184 47.657
Funcionários que Saíram de Licença 2.613 2.864 1.871 2.631
Funcionários que Retornaram após a Licença 2.589 2.846 1.866 2.614
Funcionários que Permaneceram no Banco 12 Meses após o Retorno 764 286 2.613 2.864
Taxa de Retorno 99% 99% 100% 99% 
Taxa de Retenção 98% 99% 99% 98% 

Nossos funcionários que se inscreveram até 23 de dezembro de 1997 têm acesso a um plano de benefício (Plano de Benefícios 1) fechado para novas adesões. Os percentuais de participação variam em função do tempo de empresa e do nível do salário de participação. Os demais funcionários podem aderir ao Plano PREVI Futuro da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (PREVI). Nesse plano, os participantes ativos contribuem com 7% a 17% do salário de participação na Previ e os percentuais de participação variam em função do tempo de empresa e do nível do salário de participação. Não há contribuição para participantes inativos. O patrocinador contribui com montantes idênticos aos dos participantes, limitado a 14% da folha de salários de participação desses participantes.

Os planos patrocinados pelo BB contam com 219.919 participantes, sendo 86,8% desse total nos planos existentes da PREVI e os demais em planos advindos da incorporação de instituições financeiras pelo Banco.

Além disso, nossos funcionários da ativa, aposentados e seus dependentes são beneficiados com um plano de assistência médica (Plano de Associados da Cassi), com o qual o Banco contribui mensalmente com importância equivalente a 4,5% do valor dos proventos gerais ou do valor total do benefício de aposentadoria ou pensão. A contribuição mensal dos associados e beneficiários de pensão é de 3% do valor dos proventos gerais ou do valor total do benefício de aposentadoria ou pensão, além da coparticipação em alguns procedimentos.

Para saber mais sobre os planos patrocinados, percentuais de contribuição e resultados de 2015, leia a Nota Explicativa nº 26 das Demonstrações Contábeis Consolidadas do Banco do Brasil.GRI G4-EC3G4-DMA Desempenho econômico

Diversidade GRI G4-DMA Diversidade e igualdade de oportunidades

Nossas políticas e ações de promoção da diversidade privilegiam a valorização dos direitos humanos, a equidade nas relações internas e a eliminação de todas as formas de preconceito. Trabalhamos pela igualdade entre gêneros no ambiente de trabalho e na sociedade e participamos do Programa FEBRABAN de Valorização da Diversidade.

Aderimos, em 2010, aos Princípios de Empoderamento das Mulheres, iniciativa desenvolvida pela ONU, e também ao Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça, coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

As iniciativas relacionadas ao programa da SPM são sistematizadas a cada dois anos em um plano de ação, que inclui medidas como concessão de licença-maternidade e licença-adoção de até 180 dias e ações afirmativas de gênero nos programas corporativos de ascensão profissional. Casos de discriminação à mulher podem ser relatados à Ouvidoria Interna.

Criamos também um conjunto de ações internas para disseminar princípios de diversidade. Destacam-se o estudo para a seleção externa com recortes de gênero e etnia, a inclusão do tema equidade de gênero e raça em cursos da UniBB, a melhoria dos benefícios concedidos aos funcionários que são pais solteiros ou estão em relacionamentos hetero ou homoafetivos e a ampliação das Ouvidorias Itinerantes nos estados, instrumentalizando-as para atuarem com foco no combate a práticas de desigualdade.

GRI G4-LA12
Diversidade na Governança (%) (1) 2013 2014 2015
Por Gênero
Feminino 4,0 3,9 5,6
Masculino 96,0 96,1 94,4
Por Faixa Etária
Até 30 Anos 0,0 0,0 0,0
De 30 a 50 Anos 61,2 56,9 48,2
Acima de 50 Anos 38,8 43,1 51,9
Por Grupos Minoritários
Indígena 2,0 0,0 0,0
Preta  0,0 0,0 1,9
Parda 6,1 2,0 1,9

(1) Considera integrantes do Conselho de Administração, da Diretoria Executiva, do Conselho Fiscal e dos Comitês de Auditoria e de Remuneração.


GRI G4-LA12
Indicadores Gerais de Diversidade no Quadro Funcional (%) (1) 2013 2014 2015
Por Gênero
Feminino 41,5 41,5 41,6
Masculino 58,5 58,5 58,4
Por Faixa Etária
Até 30 Anos 16,0 13,7 12,8
De 30 a 50 Anos 67,1 67,9 70.52
Acima de 50 Anos 16,9 18,4 16,7
Por Grupos Minoritários
Indígena 0,2 0,2 0,2
Preta  2,5 2,6 2,6
Parda 18,4 18,8 19,1
(1) Categoria de monitoramento inserida em 2013 devido a mudanças na estrutura de cargos do Banco.

GRI G4-LA13
Remuneração Média por Gênero e Nível Funcional (R$) 2013 2014 2015 Razão Matemática entre homens e mulheres em 2015
Masculino Feminino Masculino Feminino Masculino Feminino
Gerencial 8.948,43 7.580,47 9.728,94 8.271,51 10.618,52 9.038,22 1,17
Técnico 8.070,13 7.324,78 8.587,87 8.032,32 9.411,54 8.741,36 1,08
Operacional 4.274,76 4.135,68 4.526,75 4.370,58 4.746,84 4.632,06 1,02
Assessoramento 9.449,82 9.136,24 10.561,99 10.150,89 11.423,13 11.039,51 1,03
Outros 3.276,43 3.094,25 3.587,85 3.414,00 3.812,91 3.695,34 1,03

Relação com Sindicatos GRI G4-DMA Liberdade de associação e negociação coletivaG4-DMA Relações trabalhistas

Participamos nas negociações coletivas com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Crédito (Contec) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf) em duas frentes. Na primeira, integramos a comissão da Fenaban para construir, em conjunto com as confederações, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que define patamares gerais para a categoria bancária nacional. Em mesas constituídas somente pelo BB e pelas duas confederações, são desenhados os Acordos Coletivos de Trabalho Aditivos à CCT.

Os acordos coletivos incluem todos os funcionários no Brasil, mesmo que não sejam sindicalizados, e contêm cláusulas que facilitam a atuação sindical, garantindo direitos adicionais aos previstos em lei. GRI G4-11

Realizamos negociações permanentes durante o ano, facilitando as soluções negociadas. A liberdade de associação dos funcionários aos sindicatos e à negociação coletiva é assegurada por diretrizes. Abrimos espaço para a apresentação dos sindicatos integração de novos funcionários, contribuindo para a organização coletiva. A transparência para todos os assuntos relacionados a esse tema é reforçada pelo site BB Negociação Coletiva, que reúne documentos, notícias e vídeos, entre outros materiais.

Ficou estabelecida a criação de um grupo de trabalho formado por representantes dos bancários e dos bancos para discutir as causas do adoecimento dos funcionários. No Banco, instituímos a mesa temática para tratar de assuntos relativos à saúde e ainda participamos da Comissão Bipartite de Segurança Bancária, que discute semestralmente os dados estatísticos sobre ocorrência de assaltos.

O Acordo Coletivo de Trabalho aborda temáticas de saúde e segurança bancária. No que se refere à saúde, garantimos o pagamento, por até 540 dias após o retorno ao trabalho, da gratificação de caixa ao funcionário que exercia a função e se licenciou por Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Além disso, asseguramos a complementação salarial na concessão de Auxílio-Doença Previdenciário ou Auxílio-Doença Acidentário, bem como o VCP Licença Saúde ACT, que tem por finalidade pagar ao funcionário que retorna da licença saúde acidentária ou previdenciária o valor atualizado da comissão recebido em seu último dia útil de trabalho anterior à data do afastamento, pelo período de 12 meses. GRI G4-LA6G4-LA8

No que diz respeito ao retorno ao trabalho de funcionários portadores de restrições ao desempenho de suas atividades habituais, promovemos a readaptação ao trabalho, conforme indicação médica e avaliação ergonômica, contribuindo para a reinserção desses profissionais.

A notificação de mudanças operacionais no Banco do Brasil não está especificada em acordos de negociação coletiva. Contudo, nos casos em que há impacto significativo no corpo funcional, a empresa adota a prática de prestar os esclarecimentos necessários aos funcionários e aos representantes sindicais, através de reuniões. GRI G4-LA4

Saúde e Segurança GRI G4-DMA Saúde e segurança do trabalho

Comissões de Saúde e Segurança

Cipa | Promove ações que divulgam normas de segurança e disseminam conceitos de qualidade de vida e de cuidado com a saúde, como a Semana Interna de Prevenção de Acidentes. Também analisa o local de trabalho para definir o Mapa de Riscos e recomendar ações. As Cipas são criadas em todos os prédios com dependências do Banco que tenham mais de 100 funcionários.

GRUA | Coordena ações de retirada dos ocupantes de um pavimento ou edifício em caso de emergências, como incêndios, suspensão do fornecimento de energia elétrica, ameaça de bomba, enchente etc. Elabora ainda o plano de abandono, revisado anualmente.

Comitês formais formados por gestores e empregados que representam 100% do universo de funcionários fazem a gestão da saúde e da segurança. GRI G4-LA5

Promovemos a Qualidade de Vida no Trabalho, priorizando a saúde e a segurança e considerando as dimensões biológica, psicológica e social dos indíviduos.

O Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO) é um exemplo da forma de ação: vai além das exigências legais e atua para prevenir, detectar precocemente, monitorar e controlar possíveis danos à saúde. As diretrizes de saúde e segurança são descritas em Instruções Normativas do Banco.

Contamos também com o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), que promove ações complementares às de saúde ocupacional e de segurança no trabalho. Abrange a destinação de espaços e verbas específicas para programas de qualidade de vida nas dependências e a realização anual da Semana QVT.

Contamos ainda com uma rede de Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), que reúne profissionais distribuídos por todo o Brasil. Essa equipe realiza, entre outros procedimentos, análises ergonômicas do trabalho, inspeções de segurança e mapas de risco, além de acompanhar as causas de adoecimento, os motivos de afastamento e o nível de acessibilidade para pessoas com deficiência. Não há funcionários com alta incidência ou alto risco de doencas relacionadas à sua ocupação. Cabe aos SESMT ainda assessorar as Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (Cipas) e os Grupos de Abandono (GRUAs). Em 2015, as ações do SESMT permitiram uma redução de 173,7 milhões no Fator Acidentário de Trabalho para 2016. GRI G4-LA7

Para funcionários que atendem o público e, portanto, estão mais propensos a serem alvo de ocorrências decorrentes de problemas de segurança pública, criamos o Programa de Assistência a Vítimas de Assalto e Sequestro (PAVAS), que garante assistência médica, psicológica, jurídica e de segurança. Não há empregados envolvidos em atividades ocupacionais que apresentem alta incidência ou alto risco de doenças específicas. GRI G4-LA7

Indicadores de Segurança GRI G4-LA6

O Comunicado de Acidente ao Trabalho (CAT) é uma obrigação legal da empresa e segue as orientações da ILO – Code of Practice on Recording and Notification of Occupational Accidents and Diseases. Além dos dados da CAT, também temos o controle dos atestados dos funcionários e afastamentos previdenciários, incluindo tempo de afastamento, tipo e causa das doenças, entre outros dados. Os problemas de saúde mais frequentes são lesões osteomusculares e transtornos psicológicos.

GRI G4-LA6
Segurança e Saúde no Trabalho
dos trabalhadores (empregados)
Região 2015
Homens Mulheres
Taxa de lesões (nº de lesões/nº de funcionários) Norte 0,12 0,14
Nordeste 0,11 0,12
Centro-Oeste 0,04 0,07
Sudeste 0,02 0,03
Sul 0,02 0,05
Taxa de doenças ocupacionais (Freq doença/n° de funcionários) Norte 0,09 0,12
Nordeste 0,10 0,11
Centro-Oeste 0,04 0,07
Sudeste 0,01 0,02
Sul 0,01 0,04
Taxa de dias perdidos % (dias/hora) Norte 0,5 0,6
Nordeste 0,4 0,6
Centro-Oeste 0,3 0,6
Sudeste 0,3 0,5
Sul 0,3 0,4
Dias perdidos Norte 26.941 23.501
Nordeste 93.219 71.137
Centro-Oeste 72.641 75.855
Sudeste 167.741 197.826
Sul 52.298 63.434
Taxa de absenteísmo % (dias perdidos/dias previstos) Norte 4,0 5,0
Nordeste 3,4 4,7
Centro-Oeste 2,8 4,9
Sudeste 2,7 3,7
Sul 2,0 3,4
Óbitos relacionados ao trabalho (unidades) Norte 0 0
Nordeste 0 0
Centro-Oeste 0 0
Sudeste 0
Sul 0 0

Os dados históricos não foram inseridos neste relatório devido à mudança no formato de apresentação. A partir de 2015 as informações estão detalhadas por gênero e região.


Educação e Estratégia Corporativa GRI G4-DMA Treinamento e educação

Em 2015, disponibilizamos na UniBB um conjunto de soluções educacionais sobre Estratégia e Gestão, com o objetivo de integrar os diversos níveis hierárquicos da organização, reforçar o compromisso da alta administração com o desenvolvimento do corpo funcional e disseminar os direcionadores estratégicos.

As ações educacionais da série Estratégia e Gestão trazem informações sobre o cenário atual, nosso posicionamento no mercado e a indicação de medidas para o fortalecimento da atuação nos diversos segmentos. Como material adicional, foi publicado no Portal UniBB o e-book Desafios e Oportunidades, em que foram consolidadas e reforçadas as principais mensagens do nosso presidente. E, em linha com o objetivo de socialização do conhecimento, foi criado um espaço colaborativo para os funcionários construírem, em conjunto, soluções para os desafios apresentados pelo Conselho Diretor.

Ainda como apoio à educação para a execução da estratégia e do posicionamento organizacional, foram lançadas videoaulas que abordam valores que compõem a nossa Essência: espírito público, ética, sustentabilidade, inovação, agilidade, eficiência, competência, potencial humano e unicidade. A série de videoaulas foi disponibilizada no Portal UniBB e no aplicativo UniBB Mobile, registrando mais de 65 mil conclusões.

Também foram realizadas diferentes ações educacionais em todos os segmentos gerenciais da Empresa para promover o desenvolvimento profissional e o alinhamento estratégico. A seguir, as principais:

  • Trilhas de Liderança | ambiente desenvolvido para dar apoio ao processo de capacitação, planejamento e gestão de carreira para quem deseja ser gestor ou para quem já é e quer continuar crescendo. As trilhas foram norteadas pelos Referenciais para Liderança do BB e organizadas por nível gerencial e por tipo de unidade organizacional;
  • Encontro de Lideranças do BB | evento presencial com a participação de mais de 8 mil líderes para comunicar e debater os movimentos estratégicos com os gestores das unidades de negócios;
  • Oficina Gestores em Primeira Investidura | diplomação e formação de gerentes de agência em sua primeira investidura como gestores. Em 2015, foram capacitados 750 gestores;
  • Programa de Capacitação para Potenciais Executivos e Superintendentes Estaduais | tem a função de identificar e desenvolver funcionários com perfil para o exercício de cargos do segmento executivo gerencial e prepará-los para o processo sucessório;
  • Programa de Capacitação de Executivos (Dirigentes Estatutários, Gerentes Gerais de unidades estratégicas, Gerentes Executivos e Superintendentes Estaduais) | oferta de coaching e cursos que contemplam melhores práticas de governança corporativa e a realização de negócios sustentáveis; finanças corporativas; legislação e responsabilidade dos administradores; gestão de riscos; ética e código de conduta; ambiente de negócios; gestão estratégica; banking e sistema financeiro no mercado global;
  • Programa de Capacitação da Diretoria Executiva e Conselhos de Administração e Fiscal | book contendo cerca de 20 cursos em turma aberta, ofertados por renomadas escolas de negócios nacionais e internacionais, sobre os temas governança corporativa, ambiente de negócios, relacionamento com o cliente, gestão para resultados e gestão da inovação. Os membros desses colegiados, que também têm à sua disposição um programa de coaching, podem escolher o curso que pretendem cursar;
  • Plataforma Virtual de Aprendizagem exclusiva para Executivos, Diretoria Executiva e Conselhos de Administração e Fiscal | mais de 1.000 vídeos e 1.500 artigos sobre gestão e negócios produzidos por profissionais renomados, nacional e internacionalmente, além de envio mensal de um livro de referência no campo da gestão organizacional e uma revista de periodicidade bimestral que contempla artigos, entrevistas, estudos de caso e pesquisas que apresentam conceitos atuais e tendências de mercado, gestão e negócios. GRI G4-43

Modernização da Educação Corporativa do BB

O Portal UniBB e o aplicativo UniBB Mobile para smartphones e tablets reúnem as ações de desenvolvimento profissional e pessoal que estão à disposição dos nossos funcionários, no Brasil e no exterior. Os programas são sistematizados em trilhas de aprendizagem e em dimensões do conhecimento, o que instituiu uma nova abordagem de oferta de conteúdos via web e um melhor foco para os treinamentos presenciais.

A modernização dos ambientes virtuais de aprendizagem da UniBB permitiu ampliar e democratizar as possibilidades e as ações de educação ofertadas. Elas expandem nosso sistema de educação a distância com qualidade, modernidade, dinamismo e praticidade, trazendo tecnologias educacionais que permitem preparar os funcionários para os desafios da empresa.

Em 2015, disponibilizamos o UniBB Mobile. Por meio desse aplicativo, compatível com tablets e smartphones Android, iPad e iPhone, os funcionários têm acesso a videoaulas, artigos e infográficos. Até dezembro de 2015, o UniBB Mobile havia superado a marca de 27 mil downloads. Somente na semana de lançamento foram realizados mais de 3 mil downloads, o que colocou o aplicativo entre os cinco primeiros da categoria Educação (segundo o app Brain Ranking Report), além de receber nota 4,2 em uma escala de 5 pontos (segundo o Android Applications Position Tracker).

Educação Continuada

Desde 1997, mais de 50 mil funcionários foram contemplados com bolsas de graduação ou pós-graduação. A oferta para funcionários das mais diversas funções constitui um dos diferenciais da nossa política de gestão de pessoas.

Somente em 2015 foram concedidas 4.867 bolsas de estudos em graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado e idiomas. Também foram criadas 13 novas turmas de MBAs desenvolvidos exclusivamente para o Banco do Brasil.

Outra importante estratégia de educação continuada é o Programa de Certificações de Conhecimentos, criado em 2005 para identificar as áreas de conhecimento e as competências profissionais necessárias ao cumprimento dos planos. Essa iniciativa está vinculada às competências profissionais e permite aferir o que é necessário para que o funcionário atinja o perfil desejado.

Programas de Capacitação e Soluções Educacionais

As soluções educacionais que compõem o catálogo de cursos da UniBB são oferecidas aos funcionários no Portal UniBB, no aplicativo para celulares e tablets e nas Unidades Regionais de Gestão de Pessoas (Rede Gepes), que realizam as ações de capacitação presenciais.

O Portal UniBB atende a todos os segmentos de funcionários no Brasil e no exterior, os aprendizes e classificados em concurso público em etapa de qualificação para assumir as funções de escriturário.

Para universalizar o acesso, o Portal UniBB está disponível em inglês e espanhol, além de atender pessoas com deficiência visual. O portal oferece mais de 340 cursos on-line em diversas modalidades: videoaulas, animações em flash, jogos educacionais, infográficos, e-books, atividades colaborativas, artigos, cartilhas e diversas outras mídias. Em 2015, foram registrados 5.977.892 acessos com aproximadamente 2 milhões de cursos on-line concluídos com índice médio de satisfação de 97%.

Os funcionários contam também com uma ferramenta que os ajuda a definir as soluções que podem contribuir para a melhoria de seu desempenho profissional, as Trilhas de Aprendizagem. Elas reúnem sequências de atividades em diferentes mídias com o objetivo de serem complementares entre si e de construírem o conhecimento a respeito de um tema. São mais de 150 trilhas em temas estratégicos para o Banco e por cargos gerenciais, técnicos e de assessoramento, organizadas em um catálogo que sistematiza e facilita a identificação de ações de capacitação aos funcionários.

Em 2015, foram criadas novas trilhas sobre ambientação. Para preparar os funcionários recém-empossados, a UniBB disponibiliza o Programa Bem-vindo ao BB, composto de cinco trilhas, de acordo com a área de trabalho.

As ações de capacitação presenciais desenvolvidas pela UniBB são realizadas nas Gepes e ministradas por educadores que são funcionários da ativa ou aposentados. O quadro de educadores conta com mais de 2 mil profissionais. No ano de 2015, os funcionários totalizaram mais de 1.880.000 horas de capacitação nos cursos presenciais, o que equivale a mais de 17 horas por funcionário.

Também durante o ano, para atendimento pontual de aspectos estratégicos do BB, a área de Educação atuou fortemente em parceria com as áreas gestoras de produtos, processos e serviços, para elevar os resultados do Banco. Nesse sentido, destacam-se ações de capacitação para melhoria da gestão da adimplência. Para o tema, estão disponíveis cinco ações de capacitação específicas para as unidades de negócios. No total, foram registrados aproximadamente 45 mil conclusões nesses cursos.

Em 2015, investimos R$ 133,7 milhões em educação corporativa, por meio da UniBB, e ajudamos na preparação de nossos funcionários para a aposentadoria

Em 2015, investimos R$ 133,7 milhões em educação corporativa, o que equivale a R$ 1,2 mil por funcionário, por intermédio da UniBB. Foram 83,7 horas em ações de capacitação por funcionário, nas modalidades presencial, à distância, e em serviço, além de proporcionar a obtenção ou manutenção de certificações legais em investimentos (CPA 10 e 20) por 54.274 funcionários.

Também investimos na preparação de nossos funcionários para a aposentadoria com o Programa Caminhos para Aposentadoria, destinado aos associados à Previ e ao Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) com 28 anos ou mais de contribuições.

O programa proporciona a possibilidade de elaborar um projeto de vida para a aposentadoria, utilizando o suporte organizacional, contemplando aspectos sociais, econômicos, afetivos e de saúde, de forma que favoreça uma transição consciente e planejada. A oferta do Plano de Aposentadoria Incentivada (PAI), fez com que 277 funcionários participassem da Oficina Vida Ativa, curso que compõe o Programa Caminhos para Aposentadoria. Desses, 164 funcionários continuam na ativa e 113 estão inativos, totalizando 2.800 participantes desde 2010. Outra ação que compõe esse programa é a cartilha Caminhos para Aposentadoria, que até dezembro de 2015 foi lida por 386 pessoas. GRI G4-LA10

GRI G4-LA9
Indicadores Consolidados de Treinamentos 2013 2014 2015
Lotação Final 112.216 111.628 109.191
Treinados 110.186 111.020 107.887
Treinamentos 1.482.026 2.092.867 2.043.766
Horas 6.960.551 9.343.210 8.261.981
Percentual de Treinados 98,2 99,5 98,8
Treinamentos por Funcionário 13,21 18,75 18,72
Horas por Funcionário 62,03 83,7 75,67

GRI G4-LA9
Treinamentos em 2015 por categoria funcional Alta Direção * Gerência Demais * Assessoramento * Operacional * Técnico *
Lotação Final 229 36.059 7.989 60.779 4.135
Treinados 218 35.849 7.952 59.752 4.116
Treinamentos 1.708 645.666 135.522 1.194.065 66.805
Horas 13.881 2.754.406 539.433 4.740.158 214.103
Percentual de Treinados 95,2% 99,4% 99,5% 98,3% 99,5%
Treinamentos por Funcionário 7,46 17,91 16,96 19,65 16,16
Horas por Funcionário 60,62 76,39 67,52 77,99 51,78

* Foram considerados os funcionários em situação 100, 211, 506, 510, 324, 326 e 580. Excluem-se todos os funcionários que possuem a situação 580 e estejam lotados em prefixos de cessão informados pela Dipes/Desaf.
Classificação considerada para definição do segmentos apresentados.


GRI G4-LA9
Treinamentos por Gênero e Função 2014 2015
Homens Mulheres Homens Mulheres
Gerencial Não Gerencial Gerencial Não Gerencial Gerencial Não Gerencial Gerencial Não Gerencial
Lotação Final 23.694 41.153 12.856 33.287 23.506 40.303 12.782 32.600
Treinados 23.623 40.878 12.821 33.083 23.347 39.642 12.720 32.178
Treinamentos 421.998 786.784 226.444 646.768 417.562 765.603 229.812 630.789
Horas 1.969.136 3.600.772 1.052.703 2.940.805 1.811.867 3.054.828 956.420 2.438.866
Percentual de Treinados 99,7% 99,3% 99,7% 99,4% 99,3% 98,4% 99,5% 98,7%
Treinamentos por Funcionário 17,81 19,12 17,61 19,43 17,76 19 17,98 19,35
Horas por Funcionário 83,11 87,5 81,88 88,35 77,08 75,8 74,83 74,81

A criação da Trilha da Sustentabilidade no Portal UniBB, em 2014, possibilitou uma intensificação na formação dos funcionários em responsabilidade socioambiental. Diversas ações (veja no quadro) capacitaram 93.050 funcionários em 2015, totalizando 1.414.154 horas de treinamento. O Banco disponibiliza o curso Gestão Financeira Pessoal, que faz parte da trilha para ambientação dos novos funcionários. Até 31 de dezembro de 2015, 52.243 funcionários haviam participado desse treinamento.

Durante o ano, também criamos o curso Desenvolvimento Sustentável. Destinado a operadores dos Planos de Ação em Desenvolvimento Sustentável (PADS) e a administradores de agências, assessores de superintendências (Mercado DS), gerentes de negócios DS e assessores da unidade de negócios sustentáveis, o curso representou o esforço para garantir que o Modelo de Atuação Integrada em Desenvolvimento Sustentável fosse utilizado para a execução da estratégia do BB em sustentabilidade.

A videoaula Essência BB: Sustentabilidade foi disponibilizada a todos os funcionários, dentro da Trilha Sustentabilidade, que também foi objeto de uma revisão dos conteúdos voltados à liderança. O processo indicou ajustes a serem realizados em 2016, com o objetivo de garantir ainda mais alinhamento à estratégia corporativa. O tema RSA também foi abordado em outras capacitações: Equidade de Gênero: Uma Questão de Cultura?, Prevenção e Combate ao Assédio Moral e Sexual e Pessoa com Deficiência. Também para 2016 está prevista a oferta do MBA Estratégias em Desenvolvimento Sustentável, concebido para fornecer uma visão conceitual e abrangente da sustentabilidade no meio corporativo e conhecimentos de gestão técnica na condução do tema. GRI FS4G4-DMA Rotulagem de produtos e serviços

GRI FS4
2015 Qtd. Lotação Final Qtd. Treinandos Qtd. Treinamentos Qtd. Horas % Treinados Qtd. Treinamentos por Funcionário Qtd. Horas por Funcionário
Gerencial 36.288 30.781 94.417 437.245 84,8 2,6 12,05
Técnico 5.301 4.665 13.905 60.644 88,0 2,62 11,44
Assessoria 6.823 6.021 17.577 77.869 88,3 2,58 11,41
Operacional 20.243 17.823 63.527 325.774 88,1 3,14 16,09
Outros 40.536 33.760 111.580 512.622 83,3 2,75 12,65
Total 109.191 93.050 301.006 1.414.154 85,2 2,76 12,95

Quantidade de funcionários treinados e categorias funcionais
treinadas em políticas e práticas socioambientais
2015
Gerencial 36.288
Técnico 5.301
Operacional 20.243
Outros 40.536

GRI G4-HR2

A Proposta Político-Pedagógica (PPP) da UniBB busca a transformação da realidade empresarial para contribuir com a superação dos problemas sociais, ambientais e econômicos contemporâneos. Os direitos humanos são norteadores no desenvolvimento de soluções pela UniBB e aparecem recorrentemente entre os cursos oferecidos aos funcionários. Diante do atual contexto sociocultural, econômico e demográfico, destacam-se cursos relacionados ao tema direitos humanos:

GRI G4-HR2
Curso Objetivos de aprendizagem e/ou Desempenhos esperados Carga horária
Competência Intercultural (cód. 5049)
  • Demonstrar receptividade e abertura para conhecer, reconhecer e aceitar a diversidade cultural;
  • Identificar as principais características culturais dos povos, atuando de forma tolerante e respeitosa.
6h
Ações Complementares Programa Minha Casa
Minha Vida (cód 4669)
Preparar os funcionários para a elaboração do Projeto de Trabalho Social (PTS), que deve ser desenvolvido com as famílias beneficiárias, por meio de um conjunto de ações inclusivas, de caráter socioeducativas, voltadas para o fortalecimento da autonomia das famílias, sua inclusão produtiva e a participação cidadã, contribuindo para a sustentabilidade dos empreendimentos habitacionais. 8h
Educadores Sociais
(cód. 40427)
Construir práticas político-pedagógicas de educação cidadã, por meio de vivências voltadas para a promoção da inclusão social, com foco nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. 24h
Formação de Alfabetizadores do BB Educar (cód. 40232) Capacitar funcionários e ex-funcionários para a alfabetização dos adultos, a partir de metodologia baseada nos princípios da Educação Libertadora e na proposta Sócio-Construtivista propostos para a alfabetização de jovens e adultos. 40h
Equidade de Gênero: uma questão cultural?
(cód. 6067)
Promover, em sua rotina diária, ações que promovam a
equidade de gênero, respeitando a participação das mulheres
na organização.
1h

GRI G4-HR2
Número total de horas dedicadas a treinamento em políticas e procedimentos
relativos a aspectos de Direitos Humanos, segregado por categoria funcional
Função Número total de horas – 2015
Gerencial 17.956
Técnico 2.785
Operacional 14.826
Outros 32.176

GRI G4-HR2
Número de empregados que receberam treinamento formal nas políticas e
procedimentos da organização relativos a questão de Direitos Humanos
Função Número de empregados treinados – 2015
Gerencial 2.527
Técnico 441
Operacional 2.140
Outros 4.827

GRI G4-HR2
Percentual de empregados que receberam treinamento formal nas políticas
e procedimentos da organização relativos a questão de Direitos Humanos
Função Percentual de empregados treinados – 2015
Gerencial 7,0
Técnico 8,3
Operacional 10,6
Outros 18,1

GRI G4-HR2
2015 Qtd. Lotação Final Qtd. Treinandos Qtd. Treinamentos Qtd. Horas % Treinados
Gerencial 36.288 2.527 2.735 17.956 7,0
Técnico 5.301 441 473 2.785 8,3
Assessoria 6.823 510 541 3.217 7,5
Operacional 20.243 2.140 2.362 14.826 10,6
Outros 40.536 4.317 4.671 28.959 10,7
Total 109.191 9.935 10.782 67.743 9,1

A UniBB também procura contribuir para facilitar o acesso dos cidadãos brasileiros aos seus direitos fundamentais, em especial à educação, por meio de duas iniciativas. O Portal UniBB Família dissemina conteúdos de desenvolvimento e acompanhamento a distância de metodologia didática, programas e atualização de capacitação para dependentes de nossos funcionários. Já o Portal UniBB Setor Público busca proporcionar uma experiência educacional agradável e eficiente aos gestores públicos municipais, contribuindo para sua capacitação.

Satisfação dos Funcionários GRI G4-DMA EmpregoG4-DMA Saúde e segurança do trabalhoG4-DMA Igualdade de remuneração entre mulheres e homens

Número de participantes
na pesquisa de satisfação do BB

A satisfação dos nossos funcionários é medida anualmente, desde 2003, pela pesquisa Satisfação do Funcionário no Trabalho. Dela, constam seis aspectos específicos: engajamento organizacional; condições de trabalho; salários; treinamento; e benefícios e oportunidade de crescimento. A participação é voluntária e vem crescendo nos últimos anos, conforme mostra o gráfico.

Os participantes devem responder às perguntas da pesquisa em uma escala que vai de 1 (discordo totalmente) a 6 (concordo totalmente). Na apuração dos resultados, consideramos a média 4 como índice mínimo aceitável. O estudo inclui um cruzamento com outros fatores, como tempo de empresa, gênero, local de trabalho e nível funcional. Os resultados são divulgados para todo o quadro funcional na intranet corporativa.

Em 2015, foi observada melhoria na percepção geral dos funcionários: 82,30% dos funcionários responderam 4, 5 ou 6 na questão 1, “Estou satisfeito com meu trabalho no Banco do Brasil”. Houve um incremento de 5,1% se comparado ao índice de 2014.

As questões mais bem avaliadas referem-se às condições previdenciárias, assistenciais e de saúde oferecidas pelo Banco; orgulho de trabalhar na empresa; compartilhamento dos valores disseminados pelo BB; benefícios fornecidos Banco; e as contribuições do trabalho realizado pelo funcionário para a sociedade.

Os bons resultados têm sido constantes ao longo dos anos, demonstrando que os funcionários possuem um sentimento forte de senso de trabalho em equipe, pois percebem um bom relacionamento com as pessoas do grupo, confiam nos colegas, compartilham informações no local de trabalho e executam tarefas diversificadas no dia a dia.

Esse desempenho é justificado principalmente pelas ações que reforçam os valores do Banco e ajudam a atribuir sentido e significado ao trabalho.

Para os próximos anos, manter ou elevar a satisfação dos funcionários será um dos desafios, já que prevemos o ingresso de um número significativo de novos empregados devido à aposentadoria dos que tomaram posse entre as décadas de 1980 e 1990. Considerando o perfil diferenciado desses novos funcionários, a área de gestão de pessoas deverá ser capaz de reinventar políticas, programas e práticas que atendam às necessidades que surgirão, buscando, dessa forma, estabelecer, aprofundar e manter o vínculo desse novo grupo com o Banco.

Fornecedores

GRI G4-12G4-EC9G4-LA14G4-HR10G4-HR11G4-DMA Práticas de compraG4-DMA MateriaisG4-DMA Avaliação ambiental de fornecedoresG4-DMA Avaliação de fornecedores em práticas trabalhistasG4-DMA Não discriminaçãoG4-DMA Liberdade de associação e negociação coletivaG4-DMA Trabalho infantilG4-DMA Trabalhos forçado ou análogo ao escravoG4-DMA Práticas de segurançaG4-DMA AvaliaçãoG4-DMA Avaliação de fornecedores em direitos humanosG4-DMA Mecanismos de queixas e reclamações relacionadas a direitos humanosG4-DMA Combate à corrupçãoG4-DMA Avaliação de fornecedores em impactos na sociedade

Neste ano, nosso processo de gestão de fornecedores foi amplamente revisado. Além de evoluir consideravelmente nos procedimentos de compra, licitação e gestão de fornecedores com incorporação de aspectos sociais e ambientais, foram anunciadas, ainda no primeiro semestre, medidas para incrementar a eficiência operacional e a sinergia entre as áreas.

Com isso, nossa intenção é aprimorar a governança corporativa, fortalecer a atuação em áreas estratégicas e otimizar as atividades, com a detecção e correção de rendundâncias. Dentre as principais iniciativas, destaca-se a criação da Vice-Presidência de Serviços, Infraestrutura e Operações (Visin), que passa a coordenar os negócios estratégicos relacionados aos grandes projetos de infraestrutura e a zelar pelas áreas de suprimentos, de gestão de serviços compartilhados e pelos processos de suporte operacional às transações de negócios.

As mudanças também incluem a nova Diretoria de Suprimentos e Serviços Compartilhado (Disec), criada a partir da extinção e do desmembramento da Diretoria de Apoio aos Negócios e Operações (Dinop). A área é responsável pelos processos de logística empresarial, incluindo toda a cadeia de suprimentos, compras, administração de contratos, pagamentos e administração de patrimônio. Seu principal desafio é implementar as melhores práticas de mercado em seu segmento de atuação.

No segundo semestre de 2015, com a participação de todos os funcionários da nova diretoria e dos Comitês dos Centros de Logística, definimos o planejamento estratégico com a declaração do papel, visão de futuro e os principais temas estratégicos de atuação. Foram desenvolvidos projetos pautados nas seguintes premissas: eficiência operacional, busca por resultados sustentáveis, valorização dos funcionários e especialização dos Centros de Logística.

Dentre as prinicipais frentes de trabalho, podemos destacar:

  • Especialização dos Centros de Logística | reorganização dos centros com o intuito de centralizar serviços e especializá-los de acordo com a cadeia de suprimentos, adequando-os à orientação estratégica da Diretoria;
  • Frente Eficiência Imóveis e Bens Móveis | otimização da ocupação dos prédios que utilizamos para reduzir despesas de locação com a renegociação de contratos, reocupação de áreas em prédios próprios e locados e venda de imóveis não usados. Entre as ações estão a suspensão de novas locações, a postergação do recebimento de novos imóveis, a renegociação de contratos e projetos de reposicionamento de dependências em conjunto com a Diretoria de Clientes Pessoas Físicas (Direc);
  • Frente Eficiência em Suprimento | iniciada em novembro de 2015, possui duas etapas de revisão de contratos de serviços de terceiros. No ano, foram feitas ações de curto prazo e revisões pontuais nos serviços contratados para os grandes prédios localizados em Brasília. Entre eles estãos os serviços de telefonistas e recepcionistas; copeiros e garçons; ascensoristas; brigadistas; limpeza; e locação de veículos;
  • Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos | gestão integrada para reduzir a produção e eliminação de desperdícios e otimizar a cadeia produtiva. A ideia é cortar custos operacionais e mitigar o impacto ao meio ambiente por meio do monitoramento e da avaliação sistemática e documentada do consumo de insumos e destinação de resíduos resultantes do processo.

Essas operações já surtiram efeito nos resultados e nas estratégias. No caso da gestão orçamentária, foi calculada economia total de R$ 78 milhões, obtida a partir de ações de conscientização e orientação, revisão de contratos e alteração de parâmetros de acionamento de serviços. Esse resultado inclui os valores das Frentes de Eficiência Imóveis e Bens Móveis e Suprimentos.

Na gestão do patrimônio, a Frente Eficiência proporcionou economia de R$ 3,4 milhões nos contratos de locação do Banco e baixa contábil de 67 imóveis sem uso, no valor total de R$ 19,3 milhões. Em suprimentos, foi registrada uma economia de R$ 2 milhões com a revisão dos contratos de grandes prédios para serviços de terceiros em Brasília.

Já com relação à especialização dos Centros de Logística, iniciada no segundo semestre de 2015, destacamos a padronização no atendimento, especialização do capital humano e eficiência operacional.

Em decorrência de alterações na legislação específica, passamos a estabelecer cota de até 25% do objeto para a contratação de microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) nas licitações para aquisição de bens de natureza divisível. Essa medida tem por objetivo estimular a produção e competitividade das empresas desses portes.

Outra medida que adotamos para compras e contratações em 2015 foi o uso de margens de preferência para algumas operações definidas em legislação. Essa margem consiste num diferencial de preços definidos em norma para produtos manufaturados e serviços estrangeiros, que permite assegurar preferência à contratação de empresas nacionais. Nesse caso, a intenção também é incentivar a produção e a competitividade das empresas nacionais para a promoção do desenvolvimento econômico sustentável.

Além das ações citadas, ressaltamos que os processos de compra, contratação e gestão têm sido continuamente atualizados de modo que acompanhem a evolução tanto da legislação quanto dos aspectos sociais e ambientais.

No segundo semestre de 2015, criamos a Divisão de Fornecedores, vinculada à Diretoria de Suprimentos e Serviços Compartilhados, com a missão de aprimorar o relacionamento com fornecedores e tendo como um dos focos de trabalho a sustentabilidade dos negócios.

Dentre as iniciativas da nova divisão destaca-se o projeto Conheça seu Fornecedor, que coletará dados fundamentais para o processo de tomada de decisão relacionado à gestão de fornecedores, com ênfase nos aspectos socioambientais da cadeia.

O projeto consta da Agenda 21 BB 2015-2017, em que identificamos a necessidade de desenvolvimento de critérios técnicos baseados em evidência para avaliação do risco socioambiental de fornecedores. O projeto será conduzido pela nova Divisão de Fornecedores, com intermediação e relacionamento com outras de nossas unidades estratégicas. O objetivo é ter uma ferramenta capaz de permitir a avaliação periódica dos fornecedores.

A área também será a responsável pelo desenvolvimento do método e modelo estatístico para avaliação de fornecedores, a partir da revisão sistemática da literatura sobre o tema e trabalhos desenvolvidos nas universidades, centros de pesquisa e empresas ao redor do mundo. O procedimento permitirá a construção de um modelo de avaliação que atenda aos nossos objetivos e a legislação vigente do país, e esteja em conformidade com as melhores práticas corporativas, alinhando-se ao estado da arte sobre o tema e melhores práticas de mercado.

Processo de Gestão de Fornecedores GRI G4-DMA Avaliação de fornecedores em práticas trabalhistasG4-DMA Práticas de segurançaG4-DMA Avaliação de fornecedores em direitos humanosG4-DMA Avaliação de fornecedores em impactos na sociedadeG4-DMA Avaliação ambiental de fornecedoresG4-DMA Práticas de compra

O respeito e a transparência são a base de nosso relacionamento com os fornecedores. O controle de qualidade, a observação de especificações e a obediência aos princípios da RSA norteiam essa interação, cujas regras estão formalizadas na Política de Relacionamento com Fornecedores. Disponível em nosso site, esse documento foi revisado e atualizado em 2015.

Participamos da Comissão de Estudo Especial de Compras Sustentáveis, atuando em diversas frentes que visam ao aperfeiçoamento do tema que dá nome ao grupo. São fóruns, palestras e reuniões com MPOG, Câmara dos Deputados, Tribunal de Contas da União e, em especial, com a Comissão de Estudos Especial de Compras Sustentáveis da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), da qual participamos de forma efetiva na criação de norma específica para compras sustentáveis. Internamente, atualizamos procedimentos para adaptá-los às inovações contidas em estudos divulgados em eventos e pesquisas. Um exemplo é o documento Padrão de Compras e Descartes Sustentáveis do Banco do Brasil, criado para orientar de forma sistematizada as práticas de licitação e contratação, o que fortalece a cultura de sustentabilidade entre nós e nossos fornecedores, atendendo aos requisitos legais e aos compromissos sociais e ambientais que assumimos.

Nossa cadeia de fornecedores é composta de vários segmentos, conforme mostra a tabela a seguir:

GRI G4-EC9
Contratos de Fornecimento
do BB Classificados por Tipo
2014 2015
Quantidade Valor Pago (R$ milhões) Quantidade Valor Pago (R$ milhões)
Engenharia 4.601 0,2 3.044 0,09
Equipamentos 1.741 0,6 978 0,6
Material de Expediente 794 0,1 544 0,09
Mobiliários 973 0,2 608 0,09
Serviços 12.499 5,2 11.010 4,9
Software 75 0,1 61 0,1
Utensílios 1.457 0,008 781 0,01
Total 22.140 6,4 17.026 5,9

Os pagamentos relativos a 12 contratos efetuados a 10 fornecedores e prestadores de serviços no exterior totalizaram R$ 62,2 milhões. GRI G4-12

A seleção de fornecedores obedece a critérios que incluem a RSA. De acordo com nosso Código de Ética, os parceiros devem cumprir as legislações trabalhista, previdenciária e fiscal e adotar boas práticas de preservação ambiental, diretrizes que também fazem parte da minuta padrão dos contratos. As cláusulas incluem aspectos como o dever dos contratados de proteger e preservar o meio ambiente e de cumprir as disposições da Lei nº 12.846/2013, que trata do combate à corrupção.

Todos os fornecedores também devem assinar o Termo de Responsabilidade Socioambiental e Combate à Corrupção, que formaliza seu comprometimento em respeitar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, combatendo a corrupção e a discriminação em todas as suas formas e adotando boas práticas de preservação ambiental e desenvolvimento social, além de cumprir as legislações trabalhista e previdenciária. GRI G4-EN32G4-LA14G4-HR10G4-SO3G4-SO4G4-SO9

Em conformidade com a Lei nº 8.666/1993, selecionamos os fornecedores em um processo licitatório que avalia suas condições técnicas e econômico-financeiras, assim como a regularidade fiscal. Para ganhar em eficiência e reduzir custos, os procedimentos são centralizados nos Centros de Compras localizados em São Paulo (SP), Curitiba (PR) e Belo Horizonte (MG). As compras de bens e contratações de serviços são divulgadas no site do BB, no site Transparência Pública e no site Contas Públicas, entre outros, em atendimento ao Princípio da Publicidade.

Em casos de contratações ou compras definidas como pequenas despesas pela lei, o processo pode ser realizado nas dependências, valendo-se dos fornecedores locais. O preço a ser pago deve ser compatível com o praticado no mercado e, no caso da contratação de contribuintes individuais autônomos, o prestador de serviço deve estar regularmente inscrito no Regime de Previdência Social. Esses pagamentos representaram cerca de 1,7% do total em 2015.

Determinados, os processos envolvem documentação específica, como na compra de mobiliários, equipamentos de uso e utensílios e na aquisição de hardwares. Exigimos a Certificação de Cadeia Custódia FSC ou Cerflor para produtos de madeira, a classificação Classe A em Eficiência Energética do Inmetro e o recolhimento das embalagens de móveis após a montagem para a destinação final adequada. A conformidade com preceitos da Green Storage Initiative (GSI) e com a Diretiva RoHs (Restriction of Hazardous Substances) é demandada para os fornecedores de TI.

Nos serviços de vigilância, exigimos que 100% dos empregados da empresa que atuam em nossas dependências tenham concluído o curso de Formação em Vigilância, cuja abordagem inclui aspectos de direitos humanos, relações humanas no trabalho, entre outros assuntos, e todo o material é homologado pelo Departamento de Polícia Federal. GRI G4-HR7

Para garantir a conformidade com as leis e as boas práticas, fiscalizamos o cumprimento das cláusulas contratuais – incluindo obrigações trabalhistas e critérios ambientais – assim como indícios ou denúncias sobre eventuais infrações e não conformidades. Em normas internas, orientamos o gestor do contrato a checar com atenção o cumprimento de cláusulas relacionadas a questões trabalhistas da contratada e de eventuais subcontratadas.

Estímulo à Sustentabilidade na Cadeia

Engajados na promoção do desenvolvimento sustentável do País, trabalhamos para aprimorar a RSA em nossa cadeia de fornecedores. As medidas incluem o mapeamento da cadeia de fornecedores e a capacitação e o engajamento com iniciativas setoriais.

Critérios para compras e contratações | Sempre que possível e em complementação à Lei nº 8.666/93, nossos normativos permitem a inclusão de critérios de sustentabilidade, como procedimentos para o descarte de resíduos sólidos e preferência por empresas com boas práticas socioambientais. Na aquisição de alguns itens, como mobiliário e papéis, são exigidas certificações ambientais específicas. Em 2015, não houve avanço no desenvolvimento da ferramenta para registrar e identificar as aquisições que possuem critérios de sustentabilidade no sistema de compras corporativo. Está em estudo a retomada do projeto.

Mapeamento de fornecedores de risco | Uma das ações previstas na Agenda 21 BB definirá os fornecedores críticos com base em critérios econômicos, sociais e ambientais e identificará os riscos socioambientais na cadeia.

Capacitação | As Equipes de Comunicação e Autodesenvolvimento (Ecoas) disseminam conhecimentos em sustentabilidade para os trabalhadores terceirizados que prestam serviços diretamente em nossas dependências.

Também recebemos semestralmente o Cadastro de Empregadores do MTE, com a relação de empresas que tenham submetido trabalhadores a condições análogas ao trabalho escravo. Em 2015, não foram identificados em nossa base de contratos fornecedores pertencentes a esse cadastro, assim como não foram registradas pela Ouvidoria Interna reclamações envolvendo exploração de trabalho infantil, degradante ou escravo. No mesmo período, os processos administrativos aplicaram as seguintes punições a empresas contratadas que não cumpriram obrigações trabalhistas e previdenciárias: 10 suspensões temporárias do direito de licitar e contratar com o BB; 14 rescisões contratuais; 16 advertências e 15 multas. Em relação ao exercício da liberdade e de associação, adotamos os Princípios do Equador e adotamos medidas para apoiar esses direitos. GRI G4-LA14G4-LA15G4-HR4 G4-HR5G4-HR6G4-HR9G4-HR10G4-HR11G4-HR12

Não foram verificados, ao longo de 2015, impactos negativos significativos reais e potenciais na sociedade relacionados à cadeia de fornecedores do Banco. GRI G4-EN33G4-SO10

Clientes

GRI G4-DMA Impactos econômicos indiretosG4-DMA ConformidadeG4-DMA Saúde e segurança do clienteG4-DMA Rotulagem de produtos e serviçosG4-DMA Comunicações de marketingG4-DMA Comunidades locais
Desafio 11 – Aprimorar a gestão do relacionamento com o cliente e aumentar o índice de satisfação

Conhecer os clientes e seus anseios é essencial para poder oferecer a eles soluções de forma assertiva. Por isso, investimos em sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com Clientes (CRM), na eficiência operacional e no aprimoramento dos canais de atendimento, visando proporcionar a melhor experiência aos usuários. Em nosso atual modelo de negócios, os clientes são segmentados em três grupos: pessoas físicas, pessoas jurídicas e governo. Oferecemos soluções e portfólios específicos para cada um desses clientes.

Pessoa física

A mudança no comportamento do consumidor bancário, que utiliza cada vez mais canais digitais para se relacionar com seu banco, apresenta-se como uma grande oportunidade para realização de negócios e melhoria no relacionamento.

Para aproveitar essas oportunidades, revisamos nossa estratégia de atuação com os clientes de varejo. A proposta envolve as seguintes ações, já em andamento:

  • Modelo de relacionamento digital | Gerentes de Relacionamento fazem a gestão das carteiras por telefone, e-mail, chat, mensagens instantâneas e videoconferências, em horário estendido (das 8h às 22h). A estratégia envolve a “recontratação do relacionamento” com os clientes que, adquirindo pacote de serviços, cartão de crédito e cheque especial adequado ao seu perfil, passam a contar com as novidades e facilidades do atendimento digital. Aliado à ampliação da capacidade operacional dos gerentes, decorrente da utilização das ferramentas de atendimento digital, da revisão dos processos e do horário estendido, o modelo proporciona significativo ganho de eficiência e elevação das receitas de prestação de serviços;
  • Agências funcionando como lojas de varejo (agência fluxo) | as agências e os demais canais são estruturados para oferecer atendimento conclusivo e realizar negócios com todo o fluxo de clientes que frequentam o canal. O modelo de atendimento por fluxo vem sendo testado em Joinville (SC) desde julho de 2015, na agência Cidade das Flores, cuja estrutura foi alterada para permitir maior oferta de soluções. Entre elas estão terminal de autoatendimento com saque em dólar, o TAA câmbio; terminais de autoatendimento “leves”, exclusivos para transações que não envolvam numerário; todos os terminais de autoatendimento habilitados para receber pagamento de contas com cartões de outros bancos; ambiente exclusivo para autoatendimento na internet, hotline com ligação direta com a central de atendimento de cartões; célula de atendimento para a realização de videochat com os escritórios digitais; scanners de mesa no atendimento negocial para agilizar a digitalização de documentos; atendimento prioritário no caixa para clientes com alta renda; nova recepção com balcão de atendimento resolutivo para demandas rápidas; e transações de caixa que não envolvam numerário, dúvidas e informações gerais;
Nosso desafio é disseminar conceitos de educação financeira e bancária para atrair os consumidores da base da pirâmide econômica para o ambiente formal
  • Oferta de solução que alia as duas estratégias anteriores aos clientes Estilo | o Estilo Digital oferece atendimento remoto por telefone, e-mail, chat, mensagens instantâneas e videoconferências, em horário estendido, e atendimento presencial realizado por funcionários exclusivos. O modelo de relacionamento Estilo Digital chegou à marca de 104 unidades no País, beneficiando, inicialmente, cerca de 360 mil clientes, o que corresponde a 43,6% da base do BB no segmento com alta renda (perfil Estilo). Ao concluir a expansão do projeto, prevista para o fim de 2016, teremos mais de 1,3 milhão de clientes nessa nova estratégia;
  • Módulo de Negócios Varejo | essa estrutura vem complementar as ações de relacionamento com o cliente, integrando ações comerciais à eficiência na captura de oportunidades de negócios, com a base de clientes BB que não possuem, atualmente, atendimento personalizado. Os princípios de simplicidade, objetividade e precisão norteiam as ações comerciais desse módulo. Ele contribui para a melhor organização da nossa operação comercial no varejo, aliando as diretrizes da Estratégia de Clientes PF, as ferramentas de CRM e os objetivos de gestores de canais, de distribuição e de produtos.

Na área de CRM, os destaques do período são o desenvolvimento de ferramenta para identificação de clientes com risco de evasão de margem de contribuição; a realização de interações on-line com os clientes via Portal BB; o desenvolvimento de projeto de interações via mobile, com conclusão prevista para fevereiro de 2016; e a integração com bases de fontes externas, para realização de ações de relacionamento e negociais de acordo com o comportamento do cliente.

No Banco do Brasil, temos o desafio de conquistar os consumidores da base da pirâmide econômica, que são os mais numerosos, e atrair seus recursos para o ambiente financeiro formal. Essa tarefa torna-se ainda mais complexa por conta das características desse público que influenciam as decisões, como grau de escolaridade e poucos recursos disponíveis para investimento, entre outras.

Por isso, consideramos a educação financeira e bancária imprescindível para o exercício da cidadania, já que a falta de conhecimentos relacionados à autogestão financeira pode contribuir para a deterioração da qualidade de vida e para a redução das perspectivas futuras das famílias. Assim, ter informação ou saber onde buscá-la é essencial para fazer valer os direitos como cidadão e consumidor. GRI G4-DMA Rotulagem de produtos e serviços

Ou seja, o objetivo principal da educação financeira é apoiar a realização de negócios sustentáveis e a fidelização dos clientes, por meio da comunicação clara sobre planejamento financeiro, produtos e serviços bancários para que o cliente seja capaz de tomar decisões inteligentes e fundamentadas. GRI G4-PR3

Pessoa jurídica GRI FS6

Para o atendimento às pessoas jurídicas, agências exclusivas com horário de atendimento diferenciado contribuem para o relacionamento personalizado e a oferta de soluções mais assertivas. O Gerenciador Financeiro é uma plataforma on-line que permite a realização de operações, oferecendo agilidade e facilidade a esse público. Em agosto de 2015, foi disponibilizada nova versão web do aplicativo, passando a oferecer novas funcionalidades e layout totalmente reformulado. Em dezembro, disponibilizamos aos clientes pessoas jurídicas nova versão do Gerenciador Financeiro Mobile para usuários de smartphones com sistema operacional Windows Phone.

Além disso, disponibilizamos produtos e serviços para o setor de agronegócios e para as micro e pequenas empresas, reforçando nosso papel como impulsionadores do desenvolvimento do País.

Nos segmentos Corporate e Empresarial foram adotadas novas estratégias. A Elos Produtivos tem como desafio induzir negócios a partir de empresas líderes de elos de valor e seus fornecedores. Foram desembolsados R$ 1,8 bilhão em operações de Antecipação a Fornecedores e R$ 326 milhões em operações de BB Agro Risco Conveniada.

Em Comércio Exterior, introduzimos a prospecção de negócios com oferta ativa de crédito de exportação e acompanhamento de ativos (Exporta-Ação). Na Gestão de Ativos, promovemos a adequação do endividamento de empresas de forma preventiva e controle da inadimplência e das provisões. Em Eficiência Operacional, aprimoramos o uso de espaços, com consequente redução de custos, por meio de compartilhamento, relocalizações e redimensionamento de algumas unidades. E na gestão das redes Brasil e Externa, mantivemos a rede de atendimento, que encerrou 2015 presente em vários países. Nossa atuação no exterior continua sendo referência para empresas e indivíduos brasileiros.

O Banco do Brasil Américas, nos Estados Unidos, possui uma rede de seis agências e, por meio de convênios estabelecidos, tem disponíveis vários terminais de saques, consultas e depósitos, além de serviços de internet e mobile banking.

Nossa presença também continua sendo referência na Argentina com o Banco Patagonia, que possuía, em 2015, 199 pontos de atendimento.

Na Europa, a estratégia de reestruturação da plataforma tecnológica e de negócios BB prevista para 2015 teve como foco a incorporação da Agência Milão pelo BB AG, passando a ser denominada BB AG Sucursal Itália.

Na Ásia, temos rede de atendimento e mão de obra especializada, com destaque para China e Japão. No Brasil, inauguramos a agência Corporate Nordeste, com atendimento exclusivo aos clientes com perfil corporate presentes nas Regiões Norte e Nordeste do País.

Acessibilidade GRI FS14G4-PR1

Promovemos constantemente iniciativas para aperfeiçoar as condições de acessibilidade, refletindo nosso compromisso com a sociedade. Todos os terminais de autoatendimento são adaptados para cumprir os requisitos da ABNT. Eles possibilitam o atendimento pleno, de acordo com parâmetros e critérios definidos pela associação, e atendem as exigências em quesitos como projeto, fabricação, construção, instalação e localização. Dessa forma, são garantidos o atendimento prioritário nas condições previstas em lei, a facilidade de acesso a portadores de deficiência física e a prestação de informações em meios adequados a pessoas com deficiências visuais e auditivas.

Os demais canais de atendimento também contam com recursos para garantir a acessibilidade. O autoatendimento BB pela internet, por exemplo, facilita a interface com os softwares leitores de tela mais utilizados no mercado. O SAC, acessível a pessoas com deficiência auditiva ou de fala, pode ser feito por equipamento de tradução simultânea no telefone 0800 729 0088. Nesse número, o cliente pode obter informações, esclarecer dúvidas, registrar reclamações e solicitar cancelamentos. GRI G4-PR3

Como estratégia para ampliar o acesso de pessoas com deficiência ao SAC e proporcionar maior conveniência, incluímos, em 2015, o mobile como veículo para o registro de reclamações, ação pioneira no setor financeiro. Além disso, o SAC atua na área segura do Portal BB na internet e nas mídias sociais (Facebook e Twitter), interagindo com os clientes que preferem utilizar esses canais. No SAC o serviço está disponível sete dias por semana, 24h por dia.

Estamos estudando uma maneira rápida para tornar o canal mobile acessível aos clientes portadores de deficiências visuais por meio da leitura de outros aplicativos disponíveis no mercado.

Atendimento Telefônico

O SAC é monitorado por sistemas que controlam a qualidade do serviço prestado. Em 2015, passamos a usar uma nova plataforma tecnológica que possibilita o atendimento das ligações em sistema multisite de forma ágil e eficiente.

A estratégia de atendimento multicanal foi intensificada com a disponibilização do mobile para registro de manifestações, alinhando-se aos demais canais (0800, internet e mídias sociais). O consumidor pode escolher onde e como será atendido, estratégia que colaborou para manter o BB fora do ranking Bacen dos bancos que mais recebem reclamações.

Canais Digitais

Elegemos a Experiência do Cliente como centro da nossa estratégia de atuação na área digital, desenvolvendo ofertas relevantes e promovendo a interação com soluções em produtos, serviços e canais que superem suas expectativas.

Fazem parte das nossas premissas de atuação em negócios digitais a adoção de métodos de trabalho ágeis, direcionados pelas necessidades, pelos perfis e pelas expectativas dos clientes; a transformação da área de TI, cuja orientação vem evoluindo de sistemas para serviços e APIs; e a criação de condições para o estabelecimento de parcerias estratégicas que consolidem a posição de liderança do BB também no ambiente digital.

O design de soluções, processos e interfaces com foco na experiência do cliente tem a simplicidade como principal atributo e a obsessão em servir ao cliente, entendendo o seu perfil, o seu contexto e o seu momento de vida. As soluções devem ser digitais de ponta a ponta, de forma que garantam a continuidade e a consistência de serviços, com uma visão integrada de canais.

Em 2015, a atuação em negócios digitais concentrou esforços no lançamento do novo portal bb.com.br, inicialmente para o público interno, para avaliação e sugestões de aprimoramento, e, posteriormente, para o público em geral, no início de 2016. O novo portal é mais intuitivo e baseado nas necessidades do cliente, de acordo com seu contexto.

Outra frente de trabalho relevante com continuidade em 2015 foi a transformação da plataforma de TI, conferindo-lhe mais flexibilidade e agilidade. Lançamos o modelo Estilo Digital, com o objetivo de estreitar o relacionamento, melhorar a qualidade do atendimento e aumentar a rentabilidade do relacionamento e a satisfação dos clientes. Atentos às novas tecnologias e ao novo perfil de clientes, mais conectados, inovamos com a implementação do atendimento digital para os clientes de alta renda.

Nesse novo modelo, os clientes recebem, além dos benefícios já existentes, atendimento por meio de ferramentas exclusivas (mensagens instantâneas, videochats, e-mails e telefonemas), horário estendido de 8h às 22h e orientação por especialistas, que ajudam na gestão dos recursos financeiros, desde investimentos até previdência.

Nesse contexto, o Banco do Brasil Estilo Digital concede também atendimento presencial agendado. Outra mudança em fase de testes é o conceito de agência fluxo, que prevê o atendimento a todos os clientes e usuários, independentemente da agência de relacionamento.

Em 2015, mudamos a plataforma de relacionamento com clientes, por meio do celular. A partir de janeiro, os clientes passaram a usar nova interface e navegação, considerando a experiência integrada entre os canais digitais.

No primeiro semestre, implantamos o ourocard-e, solução em que o cliente gera cartões virtuais para comprar pela internet, com segurança e comodidade. No segundo semestre, apresentamos uma opção inovadora no segmento bancário, o financiamento de veículos pelo celular, em que o cliente pode realizar a operação inteira de forma automatizada. Atualmente, o mobile responde por mais de 6,3% das operações de financiamento de veículos, das quais 65% são realizadas fora do horário de expediente. O volume em operações chega a R$ 19 milhões contratados.

Desde agosto, o mobile permite que os clientes respondam à Análise de Perfil do Investidor e realizem a primeira aplicação em fundos pelo canal. Essa alternativa permitiu a captação de R$ 2,8 bilhões em investimentos.

Para 2016, diversas iniciativas estão em desenvolvimento para facilitar o relacionamento com nossos clientes e alavancar negócios pelos canais digitais, que demandam custos menores. Um exemplo são os aplicativos de gerenciamento de finanças e de atendimento para cartões.

Satisfação dos Clientes GRI G4-PR5

Monitoramos a satisfação dos clientes por meio de pesquisas e relatórios que indicam o número de reclamações na Ouvidoria e em órgãos externos. Alcançamos em dezembro a marca de sete meses seguidos fora da relação dos cinco bancos com maior número de reclamações divulgada pelo Bacen.

As pesquisas de satisfação são realizadas com os clientes pessoa física e pessoa jurídica e com o setor público. Para garantir a imparcialidade, os levantamentos são feitos por institutos filiados à Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep) ou à European Society for Opinion and Marketing Research (Esomar). As avaliações são divididas em duas fases: uma qualitativa, que ocorre em média a cada três anos e visa conhecer os atributos de satisfação e as percepções dos clientes sobre o banco; e outra quantitativa, realizada anualmente para mensurar as percepções identificadas na fase qualitativa. A metodologia adotada é a de acúmulo de experiência, uma vez que os participantes respondem ao questionário tendo como base o último ano de relacionamento bancário. A pesquisa destina-se à organização como um todo.

Os graus de satisfação são obtidos pela média das notas de todos os públicos, utilizando a escala Lickert, de 1 a 5. Para nós do Banco do Brasil, a zona de satisfação corresponde às notas 4 e 5, cujos percentuais são apresentados no gráfico. De forma geral, observa-se que os atributos mais valorizados pelos clientes são aqueles vinculados ao relacionamento com o funcionário do banco responsável por sua conta. Essas informações subsidiam nossa estratégia e definem avanços nos conceitos de atendimento, produtos, serviços e processos.

Em 2015, as pesquisas de satisfação de clientes foram realizadas em fases qualitativa e quantitativa. Os graus de satisfação observados nas pesquisas dos últimos anos apresentam resultados positivos.

GRI G4-PR5
Grau de satisfação dos clientes BB (%) 2013 2014 2015
  79,6 80,4 75,2
Desafio 20 – Aprimorar a relação entre o Investimento Social Privado e a estratégia de negócio

Em 2015, pagamos R$ 8.633 mil referentes a multas por não conformidade com leis e regulamentos relativos ao fornecimento e ao uso de produtos e serviços e de multas relativas ao tempo na fila. Os valores informados em 2014 referiam-se apenas ao acumulado no semestre. Ao contrário do que informamos, o total foi de R$ 3.609 mil. Quanto a não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relativos a informações e rotulagem de produtos e serviços, nenhum caso foi identificado em 2015. GRI G4-PR4G4-PR9

Sociedade Civil

GRI G4-EC7G4-EC8G4-SO1G4-DMA Impactos econômicos indiretosG4-DMA Comunidades locaisG4-DMA Políticas públicasG4-DMA Conformidade

Nosso compromisso com o desenvolvimento social está alinhado com as políticas de estado, as demandas e expectativas das comunidades e de outros stakeholders do BB e com as diretrizes de negócio estabelecidas pela alta gestão. Buscamos contribuir de forma efetiva para a geração de renda e para o desenvolvimento do País em bases sustentáveis. Essa atuação deve extrapolar as tradicionais ações de investimento comunitário ao direcionar esforços para a realização de negócios sociais, caracterizados como iniciativas economicamente rentáveis que buscam soluções para os problemas da sociedade. Nossa contribuição também busca agregar valor à imagem do Banco, diversificar os negócios, fidelizar clientes e aumentar a satisfação dos funcionários. A gestão de atuação do Banco do Brasil nas comunidades ocorre conforme mostra o diagrama.


Em 2015, a FBB finalizou estudos para atualizar a mensuração da efetividade dos programas e projetos, identificando um conjunto de indicadores a serem utilizados para a avaliação das ações. Foi concluída a primeira etapa de consolidação da metodologia em sistema informatizado, compreendendo o processo de coleta de dados em formulários, relatórios comparativos para análise das informações e acompanhamento dos processos avaliativos. Esse modelo foi aplicado em avaliação de impacto para avaliar a percepção dos resultados do Projeto Água de Produção – Cisternas de Calçadão e Enxurrada.

No primeiro semestre de 2015, foi concluído o desenvolvimento da ferramenta de aferição da emissão de GEE nas atividades desenvolvidas nos projetos de reaplicação da tecnologia social Balde Cheio, apoiada pela Fundação. A calculadora Gás Carbônico da Produção Leiteira é um aplicativo que permite aos participantes do projeto (agricultores familiares) a inserção de dados de sua propriedade, a fim de calcular, imediatamente, as emissões de GEE provenientes das atividades de seu rebanho bovino leiteiro. A calculadora permite que informações referentes aos gases do efeito estufa e seus equivalentes em gás carbônico sejam mostrados visualmente em gráficos e tabelas. Está disponível gratuitamente para usuários do sistema operacional Android em smartphones e tablets.

Engajamento das Dependências com o Investimento Social Privado | Temos ferramentas para acompanhar o cumprimento das metas estabelecidas. O Acordo de Trabalho (Sinergia BB e ATB) agrega um conjunto de iniciativas que estão alinhadas aos nossos princípios de RSA, com destaque para o índice de efetividade social, que tem como objetivo fortalecer a cultura RSA no Banco e ampliar o envolvimento de funcionários em causas sociais e voluntárias. Esse índice ampliou o número de funcionários inscritos para exercer atividades voluntárias, incentivou a capacitação no tema e proporcionou aumento da participação em comitês locais que contribuem com o desenvolvimento das comunidades.

Voluntariado BB | Em 2015, no âmbito do Programa Voluntariado BB, selecionamos para apoio financeiro, em parceria com a FBB, 60 iniciativas voltadas à inclusão socioprodutiva e cuidado ambiental. Colaboramos também com 107 iniciativas de entidades que atuam na proteção, promoção e defesa dos direitos da criança e do adolescente em parceria com a Brasilcap, BB-DTVM, BB Consórcios, Cateno e BBTS, por meio de repasse de recursos de incentivo fiscal aos Fundos da Infância e da Adolescência de todas as regiões do País. Ao todo foram destinados ao Projeto Voluntários BB R$ 6,9 milhões. Além disso, destinamos R$ 4 milhões por meio de benefício fiscal para apoio a projetos do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e do Fundo do Idoso.

Em 2015, o Portal do Voluntariado BB (www.voluntariadobb.com.br) – plataforma de comunicação e gestão do Programa Voluntariado BB – alcançou 26.350 usuários cadastrados como voluntários, 13.168 ações voluntárias realizadas e 2.143 entidades sociais registradas. Nossos funcionários mantiveram a tradição de apoio a causas sociais com a doação de mais de R$ 2,2 milhões, 295 toneladas de alimentos e 1,1 milhão de itens (roupas, medicamentos, materiais escolar e de higiene, entre outros) a diversas entidades de todo o País registradas no Portal do Voluntariado BB.

Dentre as ações promovidas no portal, destacamos os classificados de serviços voluntários (oferta e procuta de trabalho voluntário), com 101 anúncios, e o concurso cultural Conta pra Gente, que teve 148 histórias de voluntários BB inscritas e premiou os autores das duas melhores histórias com 100 mil milhas Smiles.

Lançamos a Campanha Ação Infância e Vida, composta de um conjunto de iniciativas do BB e de parceiros direcionadas ao combate às causas de câncer infantojuvenil, com o objetivo de fortalecer as entidades filiadas à Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência às Crianças e Adolescentes com Câncer (CONIACC). O Programa tem como eixos de atuação: doação de recursos financeiros por intermédio do Programa Ponto pra Você (Dotz); engajamento do Voluntariado BB; e ações de educação para identificação de sintomas do câncer infantojuvenil e outras iniciativas voltadas à prevenção da doença. Durante a campanha foram arrecadados R$ 201.796,00 por meio da doação de pontos de relacionamento do Programa Ponto pra Você e Dotz efetuada por clientes e funcionários do BB.

Educação financeira | Consideramos a educação financeira e bancária um assunto essencial em nosso jeito de ser Banco, portanto, apoiamos a realização de negócios sustentáveis e buscamos a fidelização dos clientes por meio da comunicação clara sobre planejamento financeiro, produtos e serviços bancários. GRI G4-DMA Rotulagem de produtos e serviços

Realizamos várias ações para proporcionar aos nossos clientes conhecimentos básicos sobre crédito, principalmente sobre a importância do planejamento e da gestão financeira. Nosso portal www.bb.com.br/educacaofinanceira conta com diversas funcionalidades para divulgar orientações, informações e ações educativas, como cursos, dicas e games sobre planejamento pessoal, crédito pessoal, crédito para compra de carro e da casa própria, cheque especial, crédito para parcelar a fatura do cartão Ourocard e solução de dívidas.

Disponibilizamos ainda uma ferramenta gratuita para gestão financeira, o Portal Tá na Hora, que orienta o aprendizado sobre gestão do dinheiro em três eixos principais: decidindo, planejando e realizando os sonhos, utilizando corretamente as receitas pessoais. Como reconhecimento por essa iniciativa, conquistamos o selo Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef), concedido pelo Conselho Nacional de Educação Financeira (Conef).

Mais do que oferecer produtos e soluções, nosso objetivo é compartilhar conhecimento, promovendo o uso consciente do crédito, com informação clara e transparente para a escolha do financiamento mais adequado a cada momento da vida. Colaborou para isso a campanha publicitária Uso Responsável do Crédito, com a divulgação de ações educativas sobre o tema em veículos de comunicação, filmetes para redes sociais, anúncios em revistas e jornais, bem como filmetes para nossos funcionários na intranet corporativa.

Ainda realizamos treinamento sobre Orientação Financeira em Negócios Bancários, com o objetivo de capacitar nossos funcionários a atuar como agentes de Educação Financeira, orientadores e disseminadores das boas práticas de gestão financeira. GRI G4-DMA Rotulagem de produtos e serviços

O PORTAL TÁ NA HORA, GRATUITO, ORIENTA SOBRE A GESTÃO DO DINHEIRO A PARTIR DE TRÊS ATITUDES PRINCIPAIS: DECIDINDO, PLANEJANDO E REALIZANDO OS SONHOS

Programa de Inclusão e Transformação Social por meio da Doação de Computadores | Em parceria com entidades que atendem populações carentes em situação de fragilidade, doamos os microcomputadores substituídos, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento social, ambiental e cultural e de promover a cidadania e a melhoria das condições de vida e trabalho por meio da promoção da inclusão digital. Em 2015, foram doados 6.190 computadores e, desde o início do Programa, foram mais de 88 mil equipamentos entregues.

Mitigação dos efeitos de calamidades | Desde 2010, o Banco adota medidas de apoio emergencial a funcionários, clientes e comunidades atingidas por catástrofes naturais.

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) | Promovemos, ao longo dos últimos 15 anos, em parceria com e a FBB, uma série de iniciativas no âmbito dos objetivos da Declaração do Milênio, que visam erradicar a pobreza e a fome, promover a igualdade de gênero e a conservação ambiental, entre outros. Durante cinco edições do Prêmio ODM, 17 iniciativas apoiadas pela Estratégia de Desenvolvimento Sustentável do BB, pelo Programa Voluntariado BB e pela FBB foram reconhecidas e premiadas. Em 2015, a FBB finalizou estudos para atualização da metodologia de mensuração da efetividade dos programas e projetos, identificando um conjunto de indicadores a serem utilizados para a avaliação das ações desenvolvidas.

Fundação Banco do Brasil GRI G4-EC7G4-EC8

No ano em que comemoramos os 30 anos da FBB, procuramos alinhar ainda mais a sua atuação com os principais parceiros estratégicos e com as políticas públicas, reforçando o papel das tecnologias sociais como instrumentos para alcançar a inclusão produtiva. A FBB destinou R$ 145,8 milhões em investimento social para atender a 574 projetos, que, por sua vez, beneficiaram mais de 218 mil pessoas em 531 municípios brasileiros. Desse valor, contribuímos com R$ 81,5 milhões, conforme tabela a seguir.

Aportes para a FBB por Fonte (R$ milhões) 2013 2014 2015
Banco do Brasil (1) 108,7 45,3 40,2
Produtos com Atributos Socioambientais 13,3 14,6 17,1
Federação Nacional das AABBs (FENABB) 23,3 23,2 24,2
Total 145,3 83,1 81,5

(1) A variação nos aportes do Banco em 2013 é decorrente do aporte extraordinário para cisternas no valor de R$ 50,6 milhões.


Visando aprimorar o processo de seleção de projetos, a FBB priorizou os editais de seleções públicas para apoiar iniciativas que beneficiassem um grupo maior de pessoas, com mais transparência e menor discricionariedade na escolha. O público-alvo foi priorizado entre os segmentos que compõem a base da pirâmide social, entre os quais se incluem: comunidades quilombolas, indígenas, agricultores familiares, assentados da reforma agrária, catadores de materiais recicláveis e outros segmentos considerados vulneráveis no contexto social. Foram monitorados 210 projetos e iniciados dois processos de avaliação para verificar a efetividade e o aprimoramento das ações.

Na promoção da inclusão socioprodutiva dos públicos priorizados, são consideradas as dimensões social e ambiental, tanto na elaboração dos editais quanto na análise das propostas oriundas da prospecção direta. Como exemplo, podem ser citados os editais Ecoforte Extrativismo e Juventude Rural, que enfatizaram aspectos sociais relacionados a gênero e juventude; o edital do Programa Terra Forte, voltado aos assentamentos da reforma agrária em todo o País; e o edital do Programa Cataforte, direcionado a catadores de materiais recicláveis.

O Programa Juventude Rural, citado acima, apoia iniciativas voltadas à estruturação de empreendimentos econômicos coletivos que fortaleçam a autonomia econômica e social da juventude rural de base familiar. Foram apoiados 50 projetos em que a FBB aportou, no total, R$ 7,8 milhões para beneficiar cerca de 1.200 pessoas em 45 municípios de 14 estados brasileiros.

As tecnologias sociais, desenvolvidas e aplicadas pela FBB nas comunidades, compreendem produtos, técnicas ou metodologias replicáveis, que visam solucionar de forma efetiva demandas de alimentação, educação, energia, habitação, renda, recursos hídricos, saúde e meio ambiente, dentre outras. Em 2015, foi realizada a 8ª Edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social (TS), que destinou R$ 600 mil em premiação para 18 tecnologias finalistas, certificando 154 projetos entre os 866 inscritos. Desde 2001, o prêmio identifica e certifica, a cada dois anos, tecnologias sociais já aplicadas e ainda em atividade, que a partir daí passam a compor o Banco de Tecnologia Social da Fundação disponível para toda sociedade em www.fbb.org.br/tecnologiasocial.

Em sinergia com a nossa estratégia de negócios sociais, a Fundação contribuiu com a ação complementar Moradia Urbana com Tecnologia Social, do Programa Nacional de Habitação Urbana (PNHU). Por meio dela, 124 empreendimentos do PNHU terão a integração de duas tecnologias sociais certificadas como instrumento de promoção do desenvolvimento social. Ao todo, cerca de 80 mil unidades habitacionais serão contempladas, beneficiando 320 mil pessoas. Em 2015, foram apoiados 12 empreendimentos, que contemplam quase 6.900 unidades habitacionais e que receberam o total de R$ 1,1 milhão para a reaplicação dessas tecnologias.

No fim de 2015, o Banco de Tecnologia Social contava com 850 tecnologias sociais certificadas. Muitas delas já estão disponíveis em outros idiomas, como inglês, francês e espanhol. Esse trabalho é fruto do acordo para a disseminação das tecnologias sociais em países em desenvolvimento firmado entre a FBB, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a ABC.

Água | O Programa Água Brasil, em parceria com a ANA, a WWF Brasil e o BB, tem o objetivo de disseminar práticas sustentáveis em todo o País, além de promover a mudança de atitude da sociedade com relação à conservação ambiental, tanto no ambiente rural como no urbano, bem como a recuperação de áreas degradadas em cinco bacias hidrográficas. Em 2015, foram aplicados R$ 10,8 milhões em 11 projetos, que beneficiaram quase 82 mil pessoas, em 25 municípios distribuídos por 11 estados brasileiros.

Agroecologia | Foram aplicados R$ 29,8 milhões em projetos de estímulo à produção orgânica, agroecológica, extrativismo, reaplicação da tecnologia social Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), de fortalecimento de redes de agricultores familiares e de incentivo à juventude rural em todo o Brasil, beneficiando cerca de 6 mil pessoas. Destacam-se as iniciativas do Ecoforte Redes, do Ecoforte Extrativismo – o qual teve 10 projetos com investimento total de R$ 4 milhões, beneficiando mais de 2.650 pessoas em 10 municípios nos Estados do Amapá, Amazonas e Pará –, do Juventude Rural e outros projetos de agroecologia, com recursos da FBB e do BNDES.

Agroindústria | Para fortalecer a produção, o beneficiamento e a comercialização de insumos em comunidades locais, são apoiados projetos selecionados pelo edital Terra Forte e pelo Programa de Agroindustrialização em Assentamentos da Reforma Agrária, do Governo Federal. Foram destinados investimentos de R$ 22 milhões para a manutenção de um escritório nacional de qualificação e gestão de projetos, conferindo maior segurança à atuação da FBB.

Desafio 26 – Manter e expandir o papel do Banco como um agente indutor do desenvolvimento sustentável por meio da inclusão financeira e dos negócios sociais (Microcrédito Produtivo Orientado – MPO, Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior – Fies, Minha Casa Minha Vida, BB Crédito Acessibilidade, Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – Pronaf, entre outros), integrando programas e políticas públicas, parcerias com o setor privado e estratégias de desenvolvimento sustentável do BB (investimento social privado, voluntariado, inclusão digital, desenvolvimento regional sustentável, modelo de atuação integrada em desenvolvimento sustentável, entre outros).

GRI G4-DMA Efluentes e resíduos
Resíduos sólidos | Buscando a inclusão socioprodutiva de catadores de materiais recicláveis, a FBB investiu R$ 6,6 milhões nesse eixo. Os recursos foram direcionados principalmente para o edital Cataforte III – Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias, resultado da parceria entre a FBB, a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a Petrobras, o BNDES, a Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego (Senaes/MTE), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Banco do Brasil. Os 33 projetos selecionados beneficiaram 12 mil catadores. Adicionalmente, 18 mil catadores foram capacitados e apoiados na inserção de suas atividades na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Também foram apoiados quatro projetos selecionados a partir do 2º Prêmio Pró-Catador.

Educação | O investimento de R$ 15,8 milhões foi destinado principalmente ao Programa AABB Comunidade, desenvolvido pela FBB em parceira com a FENABB. Por meio de 301 projetos de complementação educacional, 46,8 mil crianças e adolescentes foram beneficiados em todas as regiões do País.

Em 2016, a Fundação manterá as ações concentradas nos atuais cinco vetores de atuação: água, agroecologia, agroindústria, resíduos sólidos e educação. Os públicos participantes serão os estratos menos favorecidos da população brasileira, com atenção especial aos jovens e mulheres, por serem segmentos populacionais mais sensíveis às desigualdades sociais e expostos à violência. Nossos novos desafios são ampliar a captação de recursos e as parcerias estratégicas, como forma de potencializar as ações, e a busca pela sinergia com inicativas de inclusão socioprodutiva dos públicos priorizados. Em longo prazo, os negócios sociais serão a oportunidade para consolidação de empreendimentos que receberam investimento social privado.

Governo

GRI G4-EC4G4-EC7G4-EC8G4-DMA Desempenho econômicoG4-DMA Comunidades locaisG4-DMA Políticas públicasG4-DMA Impactos econômicos indiretos

O ano de 2015 foi caracterizado por queda do crescimento econômico, aumento da inflação e por uma política de ajuste fiscal. Esse cenário impactou duplamente os entes públicos, reduzindo as receitas provenientes da arrecadação de tributos, em virtude da menor atividade econômica e repercutindo nas despesas de custeio e de pessoal, por meio da pressão inflacionária. Mesmo diante de um cenário desafiador, conseguimos, por meio de nossa estrutura especializada na área de governo, contribuir com as políticas públicas nos diversos âmbitos federativos e inclusive ampliar nosso desempenho.

O setor público é um dos principais mercados de nossa atuação, que tem a orientação estratégica baseada no apoio às políticas públicas e ao desenvolvimento socioeconômico do País, colaborando com a gestão pública e com a melhoria da vida das pessoas. Ofertamos soluções de Negócios Financeiros e Sociais, tais como Pronaf, Fies, PMAT, Minha Casa Minha Vida, Crédito para Financiamento de Programas, licitações e soluções de pagamentos e recebimentos, investimentos, entre outros, com o objetivo de construir um plano de negócios de apoio aos programas de governo e ao desenvolvimento local. Em 2015, atingimos a marca de R$ 249 milhões concedidos na linha BB Crédito Acessibilidade, relevante ação do Plano Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência – Viver sem Limite, beneficiando mais de 29 mil pessoas.

Na qualidade de agente financeiro do Tesouro Nacional, prestamos diversos serviços ao Governo Federal, como transferências financeiras e pagamentos por meio de ordens bancárias, repasses constitucionais de recursos da União para estados e municípios e arrecadação da Guia de Recolhimento da União (GRU). Destacamos ainda a arrecadação de tributos e contribuições previdenciárias, o apoio à captação de recursos das leis de incentivo à cultura e ao esporte, a gestão de fundos e programas e o pagamento de bolsas e benefícios sociais.

O atendimento especializado ao setor público foi ampliado em 68,4% no ano de 2015, em um processo de expansão que atingirá a totalidade dos municípios brasileiros com população acima de 20 mil habitantes em 2016. O saldo da carteira de crédito para os estados e municípios brasileiros em 2015 atingiu o montante de R$ 39,9 bilhões, com incremento de 42,5% em relação ao ano anterior, contribuindo diretamente para a implementação de projetos diversos de infraestrutura e mobilidade urbana desses entes e beneficiando milhares de brasileiros. O volume de depósitos judiciais atingiu R$ 113,4 bilhões e a carteira de recursos administrados apresentou volume de R$ 98,1 bilhões.

A estratégia dos eixos de Gestão e Negócios Financeiros e Sociais baliza a nossa atuação junto aos municípios brasileiros, na qual, a partir dos programas de governo e da análise dos indicadores econômicos e sociais, apresentamos soluções de apoio ao gestor municipal para a efetivação das políticas públicas. No ano de 2015, ampliamos nosso atendimento especializado para 1.034 municípios brasileiros, com gerentes capacitados especificamente nas soluções que atendam as necessidades desses entes federativos. Criamos o Portal UniBB Setor Público, que tem como principal objetivo capacitar gestores e funcionários públicos sem nenhum custo para os beneficiários. Na fase inicial do projeto, foram disponibilizados 6.238 acessos a municípios para os mais de 40 cursos, em temas diversos, como gestão de resíduos sólidos, orçamento público e regimes próprios de previdência, entre outros assuntos de interesse dos gestores públicos municipais e suas equipes.

Com o objetivo de auxiliar a administração pública na mensuração de preços de mercado, contribuindo para o aumento da economia, segurança e celeridade nos processos de licitação, lançamos em 2015 o Banco de Preços. Essa nova solução representa importante ferramenta para os entes públicos em suas compras e contratações, pois permite ao cliente pesquisar preços arrematados em todas as licitações realizadas no Licitações-e, conferindo agilidade e segurança na formação dos preços estimados para seus editais de licitação.

No apoio às políticas públicas do Governo Federal, ampliamos nossa atuação em diversos programas (saiba mais no Capítulo Desempenho dos Negócios, item Desempenho por Segmento de Negócio), como Pronaf, Fies, Minha Casa Minha Vida, Crédito Acessibilidade e Leis de Incentivo ao Esporte, Cultura e Saúde. Oferecemos ainda o Cartão de Pagamento de Benefícios, que permite o repasse de recursos a pessoas físicas beneficiárias de programas sociais de maneira prática, ágil e com maior transparência, como é o repasse dos benefícios do INSS. GRI G4-EC4

Diante de um cenário econômico desafiador, devemos implementar para os próximos anos soluções que ampliem nossa atuação como principal parceiro dos entes públicos no apoio às políticas e aos negócios que contribuam para a viabilização de programas de governo na área de infraestrutura, modernização da gestão, geração de novas receitas, redução das despesas e transparência, cada vez mais prioritárias para os entes públicos.

Investidores

No Banco do Brasil, zelamos pela ética e transparência no relacionamento com investidores, analistas, agências de rating e órgãos reguladores fornecendo informações claras, exatas e de forma tempestiva. A participação e realização de encontros, conferências e eventos diversos com esses públicos intensifica esse relacionamento, inclusive com a participação da alta administração, quando necessário. Em 2015, realizamos seis encontros com investidores e analistas no País e cinco Non-deal roadshows (visitas de relacionamento) no exterior, participamos de 10 conferências no País e outras 15 no exterior e promovemos quatro teleconferências de resultado. Mantemos uma equipe dedicada ao atendimento a analistas de mercado e investidores, que realizou, em 2015, mais de 958 atendimentos, incluindo participação em reuniões e atendimentos telefônicos.

O BB tem cerca de 29% de seu capital social em free float. Na distribuição dos investidores por país, destaca-se a maior participação dos acionistas norte-americanos e brasileiros. No Brasil, apresentam maior representatividade os investidores de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Acionistas 2014 2015
Ações Participação (%) Ações Participação (%)
Tesouro Nacional 1.659.005.282 57,9 1.653.379.882 57,7
Fundos Ligados à União Federal
205.518.167 7,2 199.892.767 7,0
Ações em Tesouraria 68.881.576 2,4 72.864.205 2,5
Demais (1) 122.883 0 135.352 0
Free float 1.137.407.279 39,7 1.139.037.581 39,8
Caixa de Previdência dos
Funcionários do BB – PREVI
297.387.714 10,4 297.403.914 10,4
Total 2.865.417.020 100,0 2.865.417.020 100
Residentes no País 2.279.461.556 79,6 2.259.949.653 78,9
Residentes no Exterior 585.955.464 20,4 605.467.367 21,1

(1) Inclui ações em poder do Conselho de Administração, Diretoria Executiva e frações BESC a leiloar.


Distribuição do Free Float por País (%) 
Países Estados Unidos Brasil Grã-Bretanha Luxemburgo Holanda Irlanda Outros
2014 38,9 30,2 3,7 4,2 2,2 3,0 17,7
2015 29,5 46,9 2,6 3,5 1,7 2,2 13,5

Distribuição do Free Float no Brasil (%) 
  SP RJ DF RS MG Outros
2014 45,3 29,4 4,6 4,1 3,7 13,0
2015  17,4  68,3 1,7 2,6 2,3 7,6

O site de Relações com Investidores (RI) do BB reúne um vasto acervo de documentos, como publicações exigidas por lei, informações sobre governança e sustentabilidade, ratings, aspectos da gestão de riscos do Banco e a agenda de eventos. Esses dados são atualizados periodicamente. Os investidores contam com um canal de comunicação pelo site de RI ou pelo e-mail ri@bb.com.br. As solicitações de informação são atendidas no prazo máximo de 48 horas. As sugestões do mercado são mapeadas e acatadas sempre que possível. Para saber mais, acesse www.bb.com.br/ri.

Imprensa

Nosso relacionamento com os jornalistas de veículos nacionais e internacionais que buscam informações do Banco do Brasil é pautado pela ética e pela transparência. A interação com a imprensa é realizada por porta-vozes preparados e por equipe especializada em assessoria de imprensa. Monitoramos diariamente as notícias sobre o BB nos principais veículos de comunicação regionais, nacionais e internacionais com o objetivo de identificar necessidades de posicionamentos tempestivos ou outras ações que eventualmente agreguem valor para a imagem do Banco.

Atendemos a 2,7 mil demandas de imprensa ao longo de 2015, ano em que, mais uma vez, fomos destaque entre os nossos pares, com 73% de exposição positiva na imprensa, de acordo com auditoria realizada pela empresa CDN. No período, o sistema de auditoria da CDN registrou 30.691 inserções do BB nas mídias nacional (incluindo mídia regional, rádio, TV e web) e internacional. Parte significativa desse bom resultado em mídia espontânea deve-se à atuação dos CCBB, ao marketing esportivo, às atividades nas áreas de seguridade e outros temas bancários que conquistaram centenas de menções positivas nos principais veículos de comunicação.

Fomos reconhecidos pela quinta vez consecutiva com o Prêmio Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas na categoria Setor Financeiro. Nossa assessoria de imprensa foi a única do setor financeiro destacada em todas as edições do prêmio, criado em 2011.

Setor Financeiro

GRI G4-16

Temos a ética como compromisso e o respeito como atitude nos relacionamentos com os nossos públicos de interesse, inclusive com as demais instituições do setor financeiro. Participamos de um conjunto de entidades e associações de forma que incentivemos o debate e a discussão de temas relevantes para o Banco, buscando promover, por meio da articulação e da troca de experiências com representantes de outras instituições, a ética, a eficiência operacional, as boas práticas de gestão e de governança corporativa, a melhoria na prestação de serviços à população e a realização de negócios sustentáveis, contribuindo não só com o fortalecimento do Sistema Financeiro, mas também com o desenvolvimento econômico e social do País, em alinhamento ao previsto em nossa Missão.

As representações do Banco em 50 associações e 34 órgãos públicos são exercidas por dirigentes ou funcionários cujas atividades sejam aderentes e complementares às finalidades das respectivas entidades. Nessas entidades, participamos de órgãos colegiados, como conselhos de administração; diretorias; conselhos superiores, deliberativos e consultivos; conselhos fiscais; comissões e comitês técnicos; câmaras setoriais; grupos de discussão; grupos de trabalho; e também como simples associado, conforme o caso, cumprindo com todos os requisitos, inclusive os econômico-financeiros, decorrentes da participação.

Nossos representantes têm, entre outras, responsabilidades relativas à observância das exigências legais previstas para o exercício do cargo e dos códigos de ética e das normas de conduta do Banco e aqueles inerentes à sua atuação perante à instituição em que atuam.

No âmbito da responsabilidade socioambiental, unimo-nos aos concorrentes no combate ao trabalho análogo ao escravo ou em condições degradantes, propondo ações que minimizem o risco desse tipo de ocorrência também em sua cadeia de valor. Para tanto, participamos de iniciativas conduzidas pela FEBRABAN, tanto relacionadas a negócios quanto à responsabilidade socioambiental, e por outros órgãos e associações (saiba mais no box a seguir).

Participação do BB em Órgãos e Associações GRI G4-16

Temos representantes nas seguintes associações:

  • Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS);
  • Comitê Brasileiro para o Pacto Global, coordenado pela ONU;
  • Conselho Diretor da Iniciativa Caring for Climate, coordenada pela ONU;
  • Seção Brasil do Conselho Mundial da Água;
  • Conselho Técnico CDP – organização internacional sem fins lucrativos que fornece o maior e mais completo sistema global de divulgação ambiental;
  • Comissão de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da FEBRABAN.

Também contamos com representantes nos seguintes órgãos públicos:

  • Comitê de Entidades no Combate à Fome e Pela Vida (Coep), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
  • Pró-Conselho Brasil, da Secretaria Especial dos Direitos da Presidência da República;
  • Comitê Gestor Nacional do Plano Social do Registro Civil de Nascimento e Documentação Básica, da Secretaria Especial dos Direitos da Presidência da República;
  • Comitê de Articulação e Monitoramento do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNMP), da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República;
  • Comitê Estratégico do Cataforte – Negócios Sustentáveis em Redes, da Secretaria Nacional de Articulação Social da Presidência da República;
  • Comitê Gestor Nacional do Programa de Agroindustrialização de Assentamentos da Reforma Agrária – Terra Forte, da Secretaria Geral da Presidência da República;
  • Conselho Nacional de Economia Solidária (CNES), da Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego;
  • Seção Brasil do Conselho Mundial da Água, da ANA;
  • Comitê Gestor de Políticas Intersetoriais (CGPI), da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional;
  • Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis, do Ministério do Meio Ambiente;
  • Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Atenção!

Você está utilizando uma versão antiga do navegador:

.

Este site pode apresentar erros e distorções por não ser compatível com essa versão do .

Atualize seu navegador ou, se não deseja atualizar seu navegador agora, clique em Continuar.


Continuar Atualizar meu navegador