Voltar ao início Voltar ao topo

Relatório Anual 2015

  • Compartilhe:
  1. A+
  2. A-

Estratégia

Nossa Estratégia Corporativa foi revisada em 2015 e passa a incluir outros participantes do Conglomerado a partir de 2016

GRI G4-DMA Desempenho econômico
Por atuarmos em um cenário complexo, caracterizado pela interdependência das relações entre a empresa e os seus públicos de relacionamento, reconhecemos a necessidade de fortalecimento dos vínculos entre a marca e nossos stakeholders.

A partir dessa percepção, o processo de planejamento estratégico inicia-se com os estudos de inteligência competitiva, quando monitoramos a indústria financeira, os concorrentes e outros players fora da indústria, analisando seu posicionamento e suas estratégias nos mais variados negócios e processos.

Realizamos também análises externas (macroambiente), identificando tendências, temas emergentes e incertezas que podem impactar o ambiente financeiro e influenciar na dinâmica competitiva da organização, como o aumento da regulação dos sistemas financeiros nacional e internacional, maior participação de serviços nas receitas dos bancos, crescimento dos serviços financeiros digitais, intensificação dos crimes contra instituições do sistema financeiro, elevação do padrão de exigência e do poder de negociação dos consumidores, entre outros.

Empregamos essas informações na construção de diferentes cenários que combinam visões da macroeconomia, da indústria financeira e de mercados relevantes para o Banco do Brasil no horizonte temporal de cinco anos. Esses cenários prospectivos fundamentam discussões estratégicas em que buscamos identificar nossos principais desafios.

Com base nesses insumos, na avaliação de estratégias e no diagnóstico do ambiente interno, definimos os objetivos estratégicos da organização. Dessa forma, considerando os riscos e as oportunidades para o ciclo estratégico, identificamos desafios que impactam diretamente o Banco. Alguns destaques são: rentabilidade e gestão do capital, eficiência, negócios digitais e melhoria da experiência dos clientes.

Frentes de Atuação

Em sintonia com nossa Essência, nossa estratégia de negócios tem frentes de atuação definidas, abrangendo desde a integração dos elos produtivos até o investimento em modelos digitais de negócios. Nesse sentido, reforçamos nossa vocação para integrar elos produtivos, aproximando atores das diversas cadeias de valor por meio do fomento do crédito, principalmente.

No segmento de agronegócio, mantemos nosso papel de principal agente. No atendimento a exportadores e importadores, oferecemos um extenso e diversificado portfólio que nos posiciona como um dos principais parceiros estratégicos para a intensificação do comércio exterior do Brasil. Em serviços de infraestrutura, focamos a gestão de projetos e recursos, assim como a função de coordenadores em operações estruturadas.

Outras frentes são a gestão consistente da inadimplência, que vem se mantendo em níveis abaixo do mercado; o investimento em modelos digitais de negócios, com a expansão do modelo Banco do Brasil Estilo Digital; e a manutenção de nosso papel como um dos principais agentes financeiros de políticas e programas sociais, como o Fies, o MCMV e o Microcrédito Produtivo Orientado (MPO).

A nossa Estratégia Corporativa é fruto do trabalho participativo entre diversas áreas. Na etapa de avaliação dos ambientes externo e interno, as áreas e especialistas do mercado participam fornecendo e construindo conteúdos que apoiam as discussões estratégicas. Na etapa de desenvolvimento da estratégia, são realizados encontros com a Diretoria Executiva e os Conselhos Diretor e de Administração, com o fim de debater e definir a Estratégia da Marca e propostas de desafios, movimentos e objetivos estratégicos do BB.

Considerando as análises efetuadas, mantivemos a Estratégia da Marca, por seu caráter permanente, e realizamos ajustes pontuais nas orientações estratégicas para maximizar o alcance de nossos objetivos na revisão anual da Estratégia Corporativa do Banco do Brasil para o período 2015-2019.

A essência da marca Banco do Brasil, norteada pelo conceito “Banco de mercado com espírito público”, foi materializada na Crença, na Missão, na Visão e nos Valores da empresa.

Considerando a Estratégia da Marca do BB, as escolhas estratégicas para o período visam conciliar o planejamento de capital, a rentabilidade ajustada ao risco no crescimento de negócios e o retorno para os acionistas. Pautados nos princípios da sustentabilidade, continuaremos priorizando o aumento da rentabilidade, da eficiência, da produtividade e das receitas com prestação de serviços.

A crença de que “um mundo bom para todos exige espírito público em cada um de nós” baseia-se na busca constante da conciliação das necessidades e dos interesses da organização e de todos os nossos públicos de relacionamento. São consideradas as dimensões individual e coletiva, seja atuando como banco de mercado, na realização de negócios sociais ou como protagonista do desenvolvimento do País.

Nossa Missão é “Banco de mercado com espírito público. Ser um banco competitivo e rentável, atuando com espírito público em cada uma de suas ações junto a toda a sociedade”. Estamos sempre comprometidos, simultaneamente, com o espírito público e com a competitividade em todas as nossas ações.

A Visão de Futuro, “Ser o Banco mais relevante e confiável para a vida dos clientes, funcionários, acionistas e para o desenvolvimento do Brasil”, descreve os grandes propósitos de geração de valor e de sucesso para a organização.

Como evolução do processo, a revisão 2016 da Estratégia deverá incluir também a visão de conglomerado. Outro avanço que pretendemos implantar é a elaboração de cenários específicos dos mercados de varejo e atacado e de alguns negócios que envolvem as nossas Entidades Ligadas, como seguridade, meios eletrônicos de pagamentos e administração de recursos de terceiros.

Pontos Fortes

Essência da Marca Banco do Brasil GRI G4-56

Crença

Um mundo bom para todos exige espírito público em cada um de nós.

Missão

Banco de mercado com espírito público – ser um Banco competitivo e rentável, atuando com espírito público em cada uma de suas ações junto a toda sociedade.

Visão de Futuro

Ser o Banco mais relevante e confiável para os clientes, funcionários, acionistas e para o desenvolvimento do Brasil.

Valores
  • Espírito Público | Consideramos simultaneamente o todo e a parte em cada uma de nossas ações para dimensionar riscos, gerar resultados e criar valor.
  • Ética | Nossa conduta é baseada em princípios e valores morais, com responsabilidade e transparência.
  • Unicidade | Nossa identidade nos une, nos diferencia e nos orgulha: somos o Banco do Brasil.
  • Competência | Buscamos incansavelmente a competência necessária para resolver os desafios decorrentes de nossa Crença e de nossa Missão.
  • Inovação | Cultivamos uma cultura de inovação como garantia de nossa perenidade.
  • Potencial Humano | Acreditamos no potencial de todas as pessoas e na sua capacidade de se realizar e contribuir para a evolução da sociedade.
  • Sustentabilidade | Somos protagonistas da disseminação e da viabilização de um estilo de vida baseado nos princípios de sustentabilidade.
  • Eficiência | Otimizamos permanentemente os recursos disponíveis para a criação de valor para todos os públicos de relacionamento.
  • Agilidade | Somos simples e assertivos para ter a agilidade necessária para competir e encantar os clientes.


Melhorias na gestão da marca em 2015

Monitoramento da Percepção de Valor

Iniciamos um trabalho para monitorar a percepção de valor, considerando que a maior percepção nesse quesito aumenta o vínculo com a marca – satisfação, lealdade e recomendação, por exemplo – e a adesão efetiva a suas ofertas (produtos, serviços, empregos, ações em bolsa etc). Em 2015, definimos os indicadores associados à marca a serem pesquisados e avaliados periodicamente. Eles passarão a compor o painel estratégico da marca. A pesquisa é fonte de dados para o acompanhamento de objetivos e metas estabelecidos no Plano Diretor.

Valoração da Marca

Em 2015, aprimoramos os processos necessários à mensuração do valor da marca, por meio da metodologia desenvolvida pela empresa Brand Finance do Brasil, capacitando as áreas correlacionadas para uma avaliação mais abrangente e real das possibilidades de contribuição para o incremento de valor. Em relação à implementação do risco de reputação, em 2015, desenvolvemos metodologia de gestão de riscos, realizada num processo evolutivo em três abordagens: indicadores, cenários e capital econômico.

Expectativas para 2016

Fortalecer a gestão com base na avaliação dos indicadores de valor, riscos e retorno da marca, considerando os índices de performance alcançados nas principais atividades do BB e priorizando ações de criação de valor, mitigação de riscos e eficácia em investimentos.

A missão de ser um banco de mercado com espírito público direciona nossa estratégia: temos o compromisso de impulsionar políticas públicas e promover o desenvolvimento do País. Esse direcionamento não exclui a busca por resultados sustentáveis. Um conjunto de vantagens competitivas, apresentadas a seguir, contribui para a posição de referência do BB no mercado.

Lideranças

Nossa posição de destaque em diversos segmentos deve-se à capilaridade, à diversidade dos negócios e ao grande volume de recursos movimentados. O BB é a maior instituição financeira da América Latina em ativos, que totalizaram R$ 1,51 trilhão em dezembro de 2015. Também é líder em crédito no SFN, com participação de 20,4%, com destaque para o crédito ao agronegócio, com 60,9% de participação de mercado. No mercado Governo, o Banco é responsável pela conta única da União e pelo repasse de recursos a outros entes da Federação.

Os três principais ganhos competitivos do BB estão relacionados a esse posicionamento. A dimensão de grande porte dos negócios contribui para ganhos em escala e aprimoramento da eficiência operacional. A ampla base de clientes é estratégica para a oferta de novos produtos e serviços. E a posição de referência no setor colabora para a manutenção da imagem positiva e da reputação sólida, qualificando as relações com diversos públicos.

Capilaridade GRI FS13

Temos a maior rede de atendimento no País e no exterior entre as instituições financeiras brasileiras. Presente em 99,7% do território nacional com a rede própria, canais correspondentes (Banco Postal e MaisBB) e rede compartilhada (Tecban, Caixa Econômica Federal – CEF – e Banco Regional de Brasília – BRB). Promovemos a bancarização, viabilizando a inclusão bancária de milhares de pessoas e fomentando cadeias produtivas locais. Esse pioneirismo ajuda a reforçar a reputação institucional e qualifica os vínculos com as comunidades locais, enquanto a dispersão geográfica contribui para o aproveitamento de oportunidades de negócios decorrentes da mobilidade social no Brasil.

Gestão da Marca

A essência da marca construída com base no conceito de banco de mercado com espírito público traz o ecossistema, a missão, a visão, os valores e a crença do BB. Com o desenvolvimento do modelo de gestão da marca BB, ela passa a ser tratada como um ativo estratégico que pode gerar diferenciação e valor para o negócio.

Essa gestão envolve a busca por oportunidades de exposição e assimilação de percepções positivas, em um processo que também inclui o controle de uso no Brasil e no exterior, com todos os públicos de interesse do Conglomerado. Para isso, definimos políticas, arquitetura e nomes de produtos e serviços, monitoramos as aplicações da identidade visual, garantimos a proteção legal das marcas institucionais e dos produtos e avaliamos possibilidades de licenciamento e associação
de marcas.

A estratégia da marca Banco do Brasil tem como premissa orientar as estratégias de negócios, assim como a comunicação, os patrocínios e as ações de marketing esportivo e cultural, garantindo a coerência desde o discurso até a prática e com a finalidade de alcançar nossa visão de futuro.

Nesse contexto, a comunicação tem o importante papel de apoiar a estratégia de negócios do Banco e de melhorar a experiência dos diversos públicos em relação à marca.

Assim, em 2015, iniciamos campanha de comunicação para fortalecer o nosso posicionamento e consolidar a nossa identidade destacando atributos da marca diferenciadores no mercado e, por isso, adotamos o conceito de linha criativa “Esse é o nosso jeito de ser banco”.

Patrocínios GRI G4-EC7 G4-EC8

A estratégia da marca Banco do Brasil tem como premissa orientar as estratégias de negócios, assim como a comunicação, os patrocínios e as ações de marketing esportivo e cultural, garantindo a coerência do discurso à prática, com a finalidade de alcançar a nossa visão de futuro. Os projetos que apoiamos são analisados levando-se em conta o respeito às premissas de responsabilidade socioambiental e ao conceito de sustentabilidade. Como exemplos de projetos de patrocínio com viés socioambiental, apoiados pelo BB em 2015, citamos a Conferência Ethos, o Green Move, o Troféu Raça Negra e o Prêmio ODM.

Esportes GRI G4-EC7

Investimos R$ 144,6 milhões em patrocínios esportivos em 2015. A maior parte desse recurso foi direcionada para atletas e modalidades que evocam a identidade nacional. O patrocínio esportivo tem o objetivo de agregar atributos positivos à marca, gerar oportunidades de relacionamento com clientes ou possíveis futuros clientes e contribuir para o desenvolvimento das modalidades.

Do total investido em 2015, R$ 12 milhões foram aplicados por meio da Lei de Incentivo ao Esporte. Os recursos investidos em 2015 foram direcionados para projetos de vôlei de quadra e de praia, handebol, vela e automobilismo. Alguns destaques do ano em termos de adequação às premissas são as Confederações Brasileiras de Voleibol e Handebol, a equipe Sauber Motorsport AG (Fórmula 1), a competição Oi HD São Paulo Open of Surfing, o piloto Felipe Nasr, o iatista Robert Scheidt e os jogadores de vôlei de praia Emanuel Scheffer, Ricardo Santos, Juliana Felisberta, Maria Elisa Antonelli e Alison Cerutti.

Em 2015, o Banco do Brasil assinou o documento Pacto pelo Esporte, iniciativa de grandes players e empresas patrocinadoras de confederações, times e modalidades esportivas para maior transparência e profissionalismo na gestão do esporte brasileiro.

Centros Culturais Banco do Brasil (CCBB) GRI G4-EC7

Destaques da agenda dos CCBB em 2015

A programação dos CCBB está comprometida com a sustentabilidade e a inclusão social, enfatizando a democratização, a igualdade de oportunidade e o acesso por meio de seleção pública para escolha de projetos. Elencamos alguns destaques da programação.

Picasso e a Modernidade Espanhola – Obras da Coleção do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía

Com cerca de 90 obras, a mostra evidenciou a influência de Picasso na arte moderna espanhola e os traços mais importantes e originais da sensibilidade artística que o pintor e seus contemporâneos espanhóis imprimiram ao cenário internacional das artes. A exposição fez referência ao percurso de Picasso como artista e mito, até chegar à realização da obra Guernica; à sua relação com mestres da arte moderna espanhola, como Gris, Miró, Dalí, Domínguez e Tàpies, entre outros presentes na mostra; e a suas contribuições para uma noção de modernidade voltada para o tempo presente. A curadoria foi de Eugenio Carmona. A exposição ficou em cartaz no CCBB São Paulo de 25 de março a 8 de junho e recebeu 234.537 visitantes; e no CCBB Rio de 24 de junho a 7 de setembro, com público de 620.719.

Kandinsky: Tudo Começa num Ponto

Exposição da trajetória de Wassily Kandinsky, artista precursor do abstracionismo, composta de suas obras e alguns objetos, além de outras de seus contemporâneos e artistas que o influenciaram. Além da coleção do Museu Estatal Russo de São Petersburgo, a mostra contou com obras de outros museus da Rússia e coleções procedentes da Alemanha, Áustria, Inglaterra e França. Foi eleita a melhor exposição pelo voto popular e a segunda melhor pelo voto do júri no Melhores de 2015 do Guia da Folha; melhor exposição do ano pelo jornal O Estado de S. Paulo; e melhor exposição internacional pelo Prêmio APCA. Ficou em cartaz no CCBB Rio de 28 de janeiro a 30 de março, com público de 441.865; no CCBB SP, de 8 de julho a 28 de setembro, com 229.209 visitantes; e no CCBB BH, de 15 de abril a 22 de junho, com 129.791 visitantes.

Castelo Rá-Tim-Bum – A Exposição

Recorde de visitação na abertura e sucesso de crítica, Castelo Rá-Tim-Bum – A Exposição presenteou o público com um criterioso histórico da concepção e da produção de um dos programas infantis mais elogiados e queridos da história da TV brasileira. Foi vista no CCBB Rio, de 12 de outubro de 2015 a 11 de janeiro de 2016, por 638.205 visitantes.

Os centros culturais constituem a principal ferramenta de apoio do BB à cultura, além de ser um importante instrumento de responsabilidade socioambiental, engajando-se especialmente:

  • Na acessibilidade física | por meio da manutenção de espaços adaptados para o atendimento de pessoas com deficiência;
  • Na acessibilidade financeira | com eventos gratuitos ou com ingressos a preços populares;
  • Na acessibilidade intelectual | ao promover eventos que oferecem o desenvolvimento de materiais e atividades formativas e inclusivas.

Em 2015, 5,3 milhões de pessoas visitaram os CCBB de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). O reconhecimento da qualidade, regularidade e acessibilidade da programação dos CCBB rendeu, em 2015, dezenas de premiações.

Ganhamos dois prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA):

  • Kandinsky – Tudo Começa num Ponto | Prêmio APCA 2015 de melhor exposição internacional;
  • Cinderela Lá Lá Lá | Prêmio APCA 2015 de melhor espetáculo adaptado de conto clássico.

O 28º Prêmio Shell de Teatro destacou produções com três indicações:

  • Autor: Paulo Betti por Autobiografia Autorizada;
  • Cenário: Daniela Thomas e Camila Schimidt por Hora Amarela;
  • Música: Felipe Vidal e Luciano Moreira por Contra o Vento.

O investimento nesse período totalizou R$ 43,3 milhões, sendo R$ 38 milhões em incentivos recebidos por meio da Lei Rouanet, o que significa 90% do valor total. Foram realizados 150 projetos que geraram mais de R$ 833 milhões em mídia espontânea para o Banco do Brasil.

Durante o ano de 2015, o Programa Educativo realizou diversas atividades para aproximar a população da programação em cartaz e da história dos prédios, reforçando seu compromisso com a formação de público. Foram atendidos 407.318 mil visitantes, sendo 48.620 estudantes da rede pública de ensino e 17.917 de instituições particulares.

Os CCBB fortalecem a cadeia produtiva cultural das cidades onde estão instalados gerando 41.229 mil postos de trabalho (7.394 contratações diretas e 33.835 indiretas).

Ações voltadas para a ecoeficiência também integram as atividades. Todo material reciclável gerado nas dependências foi repassado a associações de catadores de papel e materiais recicláveis. Ao longo de 2015, foram doadas quase 10 toneladas de papel, plástico, vidro e metal. Além da coleta seletiva, os espaços também usam de forma consciente os recursos naturais. A adoção de medidas pontuais reduziu o consumo de água e de energia elétrica ao longo de 2015.

O último edital de cessão de espaço para seleção pública de projetos culturais que dispunham de recursos (próprios ou captados), realizado entre 6 de outubro e 6 de novembro de 2015, recebeu 555 propostas via internet. Foram selecionados 41 projetos para a programação dos quatro CCBB durante o ano de 2016.

Os inscritos foram avaliados pelas equipes técnicas dos centros culturais. Na análise, foram valorizados os atributos brasilidade, visibilidade, risco, responsabilidade social, democratização, valorização dos relacionamentos, satisfação dos clientes, criatividade e originalidade, sustentabilidade e acessibilidade. A seleção por meio de editais públicos oferece maior clareza no relacionamento do Banco com seus públicos, além de democratizar a oportunidade de acesso ao programa de patrocínios do Banco do Brasil.

Referência em Sustentabilidade

Para nós do Banco do Brasil, responsabilidade socioambiental é “ter a ética como compromisso e o respeito como atitude nas relações com funcionários, colaboradores, fornecedores, parceiros, clientes, credores, acionistas, concorrentes, comunidade, governo e meio ambiente”.

Nossa postura de RSA tem como premissa a crença na viabilidade de se conciliar o atendimento aos interesses dos acionistas ao desenvolvimento de negócios social e ambientalmente sustentáveis, mediante o estabelecimento de relações eticamente responsáveis com nossos diversos públicos de interesse e o uso consciente de recursos naturais. Nossa postura como agente impulsionador de boas práticas e comprometido com o desenvolvimento do País exige a combinação de aspectos econômico, social e ambiental em nossas operações negociais e práticas administrativas.

Em nosso portfólio e no processo de concepção ou revitalização de produtos e serviços estão presentes critérios de RSA. Muitos de nossos produtos viabilizam investimentos sociais e contribuem para o desenvolvimento do País.

Ainda somos signatários de diversos pactos, compromissos e iniciativas voluntárias que reafirmam nosso protagonismo na utilização dos princípios de conduta empresarial responsável e trazem reconhecimento internacional, bem como reforçam nossa liderança no setor financeiro nacional.

Tecnologia da Informação (TI)

Os investimentos em TI reduzem custos, melhoram os controles e a segurança da informação, liberam os funcionários para que atuem com os clientes e em projetos estratégicos e minimizam o impacto ambiental das atividades do Banco.

Todas as gerências executivas da área incorporam a responsabilidade com o meio ambiente. Em 2015, foi consolidada a atuação de um departamento específico para tratar de assuntos ligados à TI Verde e à sustentabilidade em TI, por meio da formalização de sua inclusão na governança de TI do Banco.

Durante o ano, foram intensificadas as ações que incluem critérios de sustentabilidade aos contratos de fornecimento e aquisições de TI, dentre os quais critérios de cunho ambiental.

Capital Humano

Nossos objetivos estratégicos para gestão de pessoas no período foram baseados em critérios como desenvolvimento da cultura de inovação, eficiência, produtividade e RSA; fortalecimento da socialização de conhecimentos e experiências; e identificação e retenção de talentos, entre outros.

Em 2015, o BB manteve-se pelo terceiro ano consecutivo no Guia Você S/A – As Melhores Empresas para Você Trabalhar (Editora Abril), recebeu a certificação do Top Employer Institute como um dos melhores empregadores do Brasil e foi listado entre as 150 Melhores Empresas em Práticas de Gestão de Pessoas (Revista Gestão RH).

Plano de Sustentabilidade – Agenda 21 BB

Eixos da Agenda 21 BB

Negócios Sustentáveis

Implementação de ações de apoio ao desenvolvimento sustentável, financiando atividades de geração de trabalho e renda e de inclusão social, além de utilização de tecnologias ambientalmente adequadas para concretização dessas ações.

Processos e Gestão da Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Disseminação de princípios que fortaleçam a cultura de RSA com seus públicos de relacionamento ao manter processos administrativos e negociais coerentes com esses princípios.

Investimento Social Privado

Melhoria da qualidade de vida da população brasileira com inciativas que envolvem o apoio a programas de conscientização e preservação ambiental ou relacionados à defesa dos direitos humanos, à captação de recursos para apoiar o desenvolvimento social e ao incentivo ao voluntariado entre os funcionários.

O Plano de Sustentabilidade – Agenda 21 BB concretiza a nossa estratégia em sustentabilidade (para detalhes sobre a governança, consulte a página 27). Trata-se de uma iniciativa pioneira no meio empresarial brasileiro, inspirada nos principais compromissos assumidos na Conferência Rio-92, da ONU, que incentivam os governos, as empresas e as organizações da sociedade civil a buscar soluções para os problemas socioambientais. Por meio desse plano de sustentabilidade, alinhamos a gestão do tema à prestação de contas à sociedade, disseminamos em todo o Conglomerado a Estratégia de Sustentabilidade e mantemos os processos negociais coerentes com os seus princípios, viabilizando o cumprimento das ações estabelecidas para cada triênio.

O Plano é elaborado a partir dos compromissos públicos assumidos, de referenciais oriundos de organismos fomentadores do movimento de RSA corporativa em âmbitos nacional e internacional – a exemplo do Índice DJSI, do ISE e do Bank Track – e do seu processo bianual de atualização, que envolve todas as áreas do Banco e representantes dos principais públicos de relacionamento.

Organizamos o Plano em três eixos: Negócios Sustentáveis, Processos e Gestão e Investimento Social Privado (veja no quadro). A partir deles, revisamos periodicamento os desafios e definimos uma série de ações para um horizonte de tempo trienal, a fim de garantir o desdobramento das diretrizes até as áreas operacionais.

Em 2014, promovemos a atualização da quinta versão do Plano de Sustentabilidade – Agenda 21 por meio de uma série de encontros com representantes de nossos stakeholders, nossos profissionais e executivos, apresentados no diagrama a seguir. Como resultado, 28 desafios foram elencados nas dimensões econômica, social e ambiental e originaram 88 ações que constituem o Plano de Sustentabilidade – Agenda 21 BB 2015-2017. A prestação de contas das iniciativas empreendidas em 2015, consideradas prioritárias, são apresentadas a seguir, aproximando a gestão da sustentabilidade ao relato.

Resultados do ciclo


Aprimoramento de negócios e processos, alinhando-os às melhores práticas mundiais

Alinhamento ao Índice Dow Jones de Sustentabilidade e ao Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA

Aplicação dos Princípios e Elementos do Relatório Integrado


Envolvimento da alta gestão do BB – Conselho Diretor e Conselho de Administração


Propostas 88 ações para o Plano de Sustentabilidade 2015-2017


Responsabilidade socioambiental, permeando toda a organização


Diálogo e engajamento com públicos de interesse: funcionários, fornecedores, clientes, sociedade civil, acionistas e especialistas em sustentabilidade


Realização de painéis temáticos sobre riscos e oportunidades na cadeia de fornecedores, investimento social privado, negócios sociais e riscos e oportunidades da estratégia climática


Definição de 28 desafios, sendo 10 priorizados por meio de amplo processo de consulta e avaliação

PRESTAÇÃO DE CONTAS – AGENDA 21 2015-2017

Desafio 1 | Aprimorar a estrutura de governança em sustentabilidade envolvendo a alta administração (Conselho de Administração e Diretoria-Executiva), reforçando o compromisso do Banco com o tema.

AÇÃO: Desenvolver e implementar programas de capacitação em Responsabilidade Socioambiental para o Conselho de Administração, o Conselho Diretor e a Diretoria-Executiva.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação prorrogada para dezembro de 2016

Avaliamos a inclusão de sustentabilidade com ênfase no financiamento de economia verde no Programa de Capacitação da Diretoria Executiva, do Conselho de Administração (CA) e do Conselho Fiscal (CF).

Publicamos materiais sobre Responsabilidade Socioambiental no Portal de Governança para acesso dos conselheiros do CA e do CF, a exemplo do Discurso Institucional em Sustentabilidade do BB, Caderno de Apoio do V Workshop Desenvolvimento Sustentável e as ações da Agenda 21 BB 2015-2017. Lançamos a vídeoaula para todos os funcionários sobre o valor Sustentabilidade da Essência BB com o economista Sérgio Besserman.

AÇÃO: Avaliar a viabilidade de criação de comitê de assessoramento ao Conselho de Administração com o objetivo de auxiliar esse órgão no monitoramento e na avaliação da Política de Responsabilidade Socioambiental.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Elaboramos proposta de criação do Comitê de Gestão de Riscos e Sustentabilidade para avaliação de instância decisória competente.

Desafio 4 | Aprimorar o processo de gestão da marca, com métricas de acompanhamento claras e atreladas à gestão de riscos e ao retorno financeiro.

AÇÃO: Analisar a definição de métricas para demonstrar a relação entre o desempenho da marca e o impacto no resultado financeiro.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Com apoio de consultoria externa, realizamos um estudo técnico sobre o valor da marca do Banco do Brasil que identificou a métrica índice de Força da Marca, para medir a contribuição da marca ou seu impacto no negócio do Banco.

Ele é medido em base 100: varia de “0” a “100”, e quanto maior o índice de força da marca, maior a capacidade de atrair mais negócios. Quando atinge a nota máxima significa que a marca teve um desempenho ótimo em todos os seus indicadores de relacionamento com seus públicos, com grande lealdade e impacto positivo nos negócios. Um desempenho de “0” indica falha em todos os indicadores e danos aos públicos e negócios. É importante observar que esses são casos extremos, e a maioria das marcas tem um desempenho dentro deste intervalo.

AÇÃO: Estudar a viabilidade de se considerar a valoração da marca como um dos insumos ao método de avaliação de parcerias estratégicas.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Após análises, concluímos que é viável considerar no método de análises de parcerias estratégicas a metodologia que permite a precificação da marca.

AÇÃO: Avaliar a viabilidade de projetar o valor da marca BB para os próximos anos.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Avaliamos que é possível realizar o cálculo do valor da marca após o envio de todas as informações necessárias para executar a metodologia adotada pelo Banco, processo que está em andamento na Organização.

AÇÃO: Aprimorar o alcance da metodologia de mensuração e gestão da marca, oferecendo as taxas de royalties, por negócio, permitindo ampliar o leque de receitas possíveis e o melhor conhecimento das “forças competitivas” do Conglomerado.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Incluímos o desenvolvimento, a aprovação e a implementação de metodologia que permite a precificação da marca, ou seja, as taxas de royalties por negócios.

Desafio 10 | Estabelecer mecanismos que reforcem o compromisso dos funcionários com o cumprimento do Código de Ética e das Normas de Conduta.

AÇÃO: Instituir mecanismos de monitoramento anual de leitura e concordância do Código de Ética e Normas de Conduta por todos os funcionários no Brasil e no Exterior.

PRAZO: Junho de 2015

Ação concluída no prazo

Disponibilizamos o sistema de ciência e concordância eletrônica e divulgamos aos funcionários do Brasil e do exterior.

AÇÃO: Divulgar resumo das ações da gestão da ética no BB.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Publicamos as ações da gestão da ética no portal do Banco do Brasil.

Desafio 11 | Aprimorar a gestão do relacionamento com o cliente e aumentar o índice de satisfação.

AÇÃO: Estabelecer condições negociais diferenciadas e/ou benefícios aos clientes PF, PJ e Governo pela utilização de serviços on-line e inibição de impressos.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Desenvolvemos um extrato consolidado que está disponível aos clientes Private via internet, possibilitando realizar consultas de vários produtos exclusivos do segmento. No âmbito do Gerenciador Financeiro desenvolvemos várias iniciativas, como: Termo Eletrônico de Adesão ao Gerenciador Financeiro, no primeiro acesso ao canal, para os clientes pertencentes às carteiras remotas (Atendimento Remoto e Escritórios de Negócios MPE) e desbloqueio de senha de oito dígitos via recebimento de código por SMS; detalhamento de bloqueio ou desbloqueio e transferências em cumprimento de ordem judicial; permissão para assinatura eletrônico do cliente para Adesão às Cláusulas Gerais do Contrato único de Prestação de Serviços.

Em relação ao Pronaf, disponibilizamos extrato e consulta de lançamentos futuros no Autoatendimento. No Projeto Plantar, iniciamos transações de autoatendimento que permitem aos próprios produtores rurais a emissão de extratos de operações de custeio Pronaf e a consulta de lançamento futuro de operações, com até 60 dias de antecedência.

No âmbito do Pilar Governo, criamos um programa de intercâmbio eletrônico de dados, por meio da integração dos sistemas dos tribunais aos do banco, visando à automação do fluxo de recebimento, consulta e pagamento de depósitos judiciais.

AÇÃO: Avaliar a implementação do processo de verificação externa das informações relativas a quantidade de clientes que utilizam serviços financeiros on-line.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação prorrogada para dezembro de 2017

Em virtude de projeto em desenvolvimento acerca da gestão de Canais de Atendimento, consideramos que é necessário avaliar a necessidade de auditoria após a implantação do referido projeto.

Desafio 15 | Aprimorar e sistematizar a identificação de oportunidades negociais para o desenvolvimento de produtos que atendam às demandas originadas por questões ambientais (tendências/novas regulamentações sobre o uso dos recursos naturais) e mudanças climáticas (demanda de financiamentos de infraestrutura para a adaptação às mudanças climáticas).

AÇÃO: Ajustar/desenvolver produtos e serviços inovadores com as seguintes premissas. Pilar Atacado: BBEcoEficiente, inovação e geração de valor socioambiental. São exemplos: linhas de crédito com atributo socioambiental para o financiamento de tecnologias verdes; mercado de crédito de carbono; serviços de consultoria; produtos de Equity com atributos ambientais; investimentos com rendimento pré-fixado com atributos ambientais; critérios ambientais e de mudanças climáticas em todo o processo de crédito e investimento.

PRAZO: Ação contínua anual

Ação em contínuo desenvolvimento

Implementamos o Módulo Contratação e Recebíveis da ferramenta Vivere, permitindo encaminhar os documentos do cliente ao BB por meio do sistema.

Criamos o programa Elos Produtivos, voltado aos segmentos automotivo, de construção e cooperativas, entre outros, visando à geração e a manutenção de empregos e renda, por meio do apoio creditício às empresas âncoras, estimulando a integração entre os diversos elos da cadeia produtiva, alavancando negócios e mitigando riscos.

Revitalizamos o Convênio de Integração Rural BB Convir, sendo realizada uma série de melhorias, como a esteira operacional específica (Frente Operacional BB Convir) e a disponibilização de relatórios gerenciais detalhados, permitindo a otimização na análise de propostas integradora).

Incluímos a assinatura eletrônica, via Gerenciador Financeiro, dos termos de adesão do Contrato de Prestação de Serviços.

Realizamos a busca de novas opções de investimentos globais em ações de empresas ligadas à cadeia de valor do consumo de água pelo gestor do BB Global Acqua. Entraram na carteira dois ETFs (Exchange Traded Funds), o Guggenheim S&P Global Water e o First Trust ISE Water Index.

AÇÃO: Ajustar/desenvolver produtos e serviços inovadores com as seguintes premissas. Pilar Varejo: BBEcoEficiente, inovação, geração de valor socioambiental. São exemplos: Financiamento Imobiliário para aquisição, construção/reforma de empreendimentos sustentáveis; linhas de crédito com atributo socioambiental para o financiamento de tecnologias verdes; investimentos com rendimento pré-fixado com atributos ambientais; critérios ambientais e de mudanças climáticas em todo o processo de crédito e investimento.

PRAZO: Ação contínua anual

Ação em contínuo desenvolvimento

Firmamos Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) denominado Projeto Rural Sustentável, para incentivo técnico e financeiro aos produtores rurais que adotem tecnologias de produção de baixa emissão de carbono, com objetivo de reduzir as emissões de cerca de 10 milhões de toneladas de CO2 (mtCO2) e evitar a emissão de cerca de 7 mtCO2 por desmatamento, ao longo de 20 anos, além de melhorar a renda e reduzir a pobreza nas áreas rurais de sua atuação. Serão beneficiadas propriedades localizadas em municípios dos biomas Amazônia e Mata Atlântica.

Também disponibilizamos extrato de operações de custeio Pronaf aos clientes nos terminais de autoatendimento, na internet e mobile. Incluímos solução para acolhimento de propostas e documentação de Pronaf Mais Alimentos no Portal de Crédito pelos parceiros do Banco (correspondentes comerciais); ampliamos a abrangência da esteira agro para todo o Brasil, o que permite que os parceiros do Banco acolham a documentação e as propostas de financiamento para a aquisição de máquinas e equipamentos.

Na área de Negócios Sociais, ajustamos o produto para ampliar o acesso ao microcrédito para empreendedores, com a inclusão de novas ocupações como público alvo da linha, acesso pelos clientes do Banco Postal e flexibilização do acesso para clientes com risco moderado. Aprimoramos o processo de crédito e otimização das visitas e estabelecemos metodologia de capacidade de pagamento progressiva, o que contribui para o uso consciente do crédito e para a educação financeira dos empreendedores.

Em Microcrédito Produtivo Orientado (MPO), reformulamos os cursos obrigatórios para atuação e, no Programa Jovem Aprendiz, contratamos 123 jovens para atuação como agentes de microcrédito.

Implementamos também o extrato do Fies em terminais de autoatendimento, via internet e aplicativo para tablet e smartphone. A transação permite ao estudante acompanhar os pagamentos efetuados no seu financiamento, a consulta ao saldo devedor e se há algum valor em atraso.

AÇÃO: Ajustar/desenvolver produtos e serviços inovadores com as seguintes premissas. Pilar Governo: BBEcoeficiente, inovação e geração de valor socioambiental. São exemplos: linhas de crédito com atributo socioambiental; financiamento/operações estruturadas para setor de resíduos sólidos, saneamento; mercado de crédito de carbono; serviços de consultoria; produtos de Equity com atributos ambientais; produtos de renda fixa com atributos ambientais; critérios ambientais e de mudanças climáticas em todo o processo de crédito e investimento.

PRAZO: Ação contínua anual

Ação em contínuo desenvolvimento

Criamos o manual de integração e desenvolvemos o cronograma do projeto de arrecadação e recebimentos via webservice para Detrans e Secretarias de Fazenda dos Estados e Municípios. Esse sistema de arrecadação de tributos e taxas dispensa o uso de guia (papel) e será disponibilizado aos clientes e usuários nos canais de autoatendimento e na Rede de Correspondentes e do Banco Postal, proporcionando maior comodidade aos clientes e usuários na consulta e pagamento de débitos fiscais, além de proporcionar aos entes públicos redução de custos com postagem de documentos e otimização de processos.

Desafio 19 | Aprimorar a gestão do risco socioambiental tendo como base o previsto na Resolução CMN 4.327.

AÇÃO: Analisar a viabilidade de incorporar variáveis ambientais na modelagem econométrica do RTA (Avaliação do Risco Técnico Agrícola), de modo a apoiar a identificação e avaliação de riscos socioambientais no Crédito Agropecuário:

Características sugeridas:
(a) Incorporação de variáveis ambientais na modelagem econométrica do RTA;
(b) integração de base de várias fontes na análise de financiamento e confiabilidade de dados do RTA;
(c) suporte a análise massificada do crédito (custeio), com serviços de consulta para análise não massificada (investimento), incluindo monitoramento georreferenciado de áreas de desmatamento, terras indígenas, unidades de conservação e classificação dos riscos socioambientais.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Aperfeiçoamos os critérios de risco socioambiental para a commodity cana-de-açúcar, validamos o questionário internamente com a WWF-Brasil e finalizamos entrevistas para coleta de informações com especialistas e técnicos das temáticas socioambientais. Iniciamos a validação das informações em grupo de trabalho e realizamos oficina com a WWF para montagem da matriz de risco. Promovemos encontro com especialistas para priorização dos riscos socioambientais por região geográfica e mapeamos medidas mitigadoras que podem ser adotadas ou incentivadas pelo Banco do Brasil em seus processos ou com produtores rurais para mitigação dos riscos socioambientais na produção da cana-de-açúcar. Consolidamos um relatório final compartilhando internamente metodologia e resultados obtidos.

No âmbito do Programa Água Brasil, concluímos uma análise, em parceria com a WWF, que possibilitou a elaboração de uma metodologia própria de análise de risco socioambiental de commodities; essa metodologia demonstrou viabilidade quanto à incorporação de parâmetros e critérios no sistema RTA, considerando como referência a ferramenta 2050 Criteria.

AÇÃO: Registrar o comportamento dos riscos socioambientais, de forma a garantir a manutenção da exposição desse risco, conforme nível de tolerância estabelecido, por meio de:

a) definição e implementação de modelo(s) de controle do nível de responsabilidade socioambiental, associados a investimento e participações, de acordo com a região, setores econômicos e projetos.
b) estabelecimento de modelo de gerenciamento de análise de impactos socioambientais das atividades nas quais o Banco tem participação.

PRAZO: Dezembro de 2015

Acompanharemos esta ação no próximo ciclo do Plano de Sustentabilidade – Agenda 21 BB em razão da divulgação da Política Específica de Responsabilidade Socioambiental do BB (PRSA) e do seu respectivo plano de ação, que definiu os procedimentos formais de gerenciamento de risco socioambiental estabelecidos com prazo de conclusão para dezembro de 2019. Além disso, outra ação da Agenda 21 BB 2015-2017, concluída em 31 de dezembro de 2015, deverá ter desdobramentos, uma vez que foram elaborados planos de ação de mudanças climáticas baseados em oito temas priorizados por diversas áreas do Banco, que se encontram em avaliação para verificar a possibilidade de implementação.

Desafio 20 | Aprimorar a relação entre o Investimento Social Privado e a estratégia de negócios.

AÇÃO: partir dos diagnósticos realizados, implementar Projetos Socioambientais do Programa Água Brasil, criando sinergia com tecnologias e negócios sociais.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Realizamos as seguintes atividades no Eixo Água e Agricultura do Programa Água Brasil:

  • Manutenção e acompanhamento da Unidade Demonstrativa (UD) de recuperação de pastagem em solos arenosos e UD de integração lavoura-pecuária-floresta;
  • Lançamento de portfólios customizados para as sete bacias hidrográficas no âmbito do programa;
  • Realização da análise prévia do impacto hidroambiental das ações do Água Brasil na bacia do Guariroba;
  • Capacitação e aprovação de projeto executivo para recuperação de estrada vicinal em Guariroba;
  • Implantação de uma UD de restauração florestal e de uma UD de Beneficiamento de Frutos do Cerrado e Quintais na Bacia de Peruaçu;
  • Conclusão da construção das cisternas telhadão e das barraginhas na Bacia de Peruaçu;
  • Acompanhamento técnico e visitas as dez UDs implementadas na Bacia de Pipiripau;
  • Apresentação dos resultados de monitoramento dos Impactos Hidroambientais e Socioeconômicos das ações na Bacia do Pipiripau (DF);
  • Conclusão da construção das cisternas telhadão em Longá;
  • Seminário de Avaliação Itinerante das UDs do Longá;
  • Inauguração da UD de beneficiamento do coco babaçu em Longá;
  • Último pagamento do Programa Produtor de Águas na bacia de Cancã/Moinho;
  • Conclusão da construção das fossas sépticas em Santa Rosa;
  • Entrega do estudo de impacto hidroambiental das atividades do Água Brasil na bacia de Santa Rosa;
  • Início das atividades de campo (vistorias) aos produtores rurais fornecedores de cana-de-açúcar da região de Bariri (SP), em parceria com a Assobari, para obter a certificação Bonsucro na bacia do Tietê-Jacaré;
  • Finalização e entrega dos estudos de monitoramento das boas práticas na cultura da cana-de-açúcar da bacia do rio Lençóis.

Realizamos as seguintes ações no Eixo Cidades Sustentáveis do Programa Água Brasil:

  • Nos municípios de Pirenópolis (GO), Rio Branco (AC), Caxias do Sul (RS), Natal (RN) e Belo Horizonte (MG), lançamos e divulgamos as segunda e terceira animações sobre Consumo Responsável e o Ciclo da Água, respectivamente; firmamos parceria com a TV Escola em análise para disseminar as três animações educativas; e produzimos um Guia de Compostagem, para ser entregue a técnicos das prefeituras.
  • Em Pirenópolis (GO), reformulamos e reinserimos no Sistema de Gestão de Projetos (SGB) da FBB para aprovação do convênio o projeto arquitetônico da Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos; mobilizamos o setor hoteleiro do município para a implementação da rota piloto de coleta seletiva; finalizamos as assessorias técnicas e organizacionais para a CATAPIRI; e instalamos oito Locais de Entrega Voluntária (LEVs) próximos às escolas municipais para a incorporação na rota piloto de coleta seletiva.
  • Em Rio Branco (AC), publicamos o resumo executivo do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) para distribuição no município e demais cidades do programa como modelo de construção participativa; realizamos quatro oficinas de mitigação da pegada ecológica, disseminando experiências e ecotécnicas aplicadas nas escolas e participando do Programa Escolas Sustentáveis do Ministério de Educação; e prestamos assessoria organizacional e econômica na Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Rio Branco (Catar).
  • No município de Caxias do Sul (RS), finalizamos dois projetos de reforma de galpão da Associação de Recicladores e Carroceiros do Aeroporto (ARCA) e da Associação da Monte Carmelo, e iniciamos as obras de construção do galpão da Associação Serrano, que deverá ser concluído no primeiro semestre de 2016.
  • Em Natal (RN), organizamos projetos de reforma nas cooperativas COOCAMAR e COOPCICLA para aprovação pela FBB; apresentamos a pegada ecológica para 130 empresários da Federação de Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN); capacitamos 102 agentes comunitários; e lançamos a calculadora da pegada ecológica para 260 alunos no Seminário Sustentável do Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNI-RN).
  • Na capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, finalizamos a assessoria de implementação na REDESOL do software de gestão Catafácil e compilamos os dados de coleta seletiva da Prefeitura Municipal junto com os dados de comercialização das redes de cooperativas REDESOL e CATAUNIDOS com o objetivo de aproximar os parceiros do programa nesse último ano de parceria.
  • Na Fundação Banco do Brasil (FBB), aprovamos no segundo semestre de 2015 sete novos projetos e uma suplementação financeira. Os projetos são: Do Lixão ao Galpão: construção da unidade de tratamento de resíduos de Pirenópolis (GO); implantação da primeira fase do plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos de Rio Branco (AC); Cata Natal: adequação do fluxo de produção e melhoria das condições de trabalho em Natal (RN); construção do galpão: um novo ciclo de trabalho da Associação Serrano, em Caxias do Sul (RS); adequação da área produtiva da unidade de triagem e das estruturas de apoio, em Natal; projeto de recuperação das nascentes e áreas de recarga d’água do município de Holambra (SP); implantação de unidades de referência agroflorestais para a segurança alimentar e sustentabilidade ambiental na região da bacia do Rio São Bartolomeu, em Brasília (DF).

AÇÃO: Desenvolver estratégia/iniciativas para alavancar vendas de produtos com atributo socioambiental que repassam recursos para FBB.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Implementamos ações comerciais e de marketing direto com foco nos produtos com repasse à Fundação Banco do Brasil (FBB), com os resultados a seguir:

  • Seguridade (Seguro Vida e Residencial): 31 campanhas, abordando 5,9 milhões de clientes, somaram 19.992 operações com ticket médio de R$ 266,31, em um volume total de R$ 4,7 milhões.
  • Capitalização (Ourocap): 26 campanhas, abordando 1,1 milhão de clientes, concluindo 13.337 operações com ticket médio de
    R$ 1.027,83, em um volume total de R$ 12,7 milhões.
  • Fundos de investimento: cinco campanhas, abordando 1,3 milhão de clientes, contratando 2.992 operações com ticket médio de
    R$ 38.046,01 e volume total de R$ 86,4 milhões.

Realizamos workshop com a participação de representantes de várias áreas do Banco e de empresas do Conglomerado em que a Fundação Banco do Brasil (FBB) apresentou suas formas de atuação no âmbito do Investimento Social Privado e ideias para alavancar vendas de produtos com atributo socioambiental que repassem recursos para a Fundação. Consolidada a pauta do workshop, foi apresentada proposta de avaliação de vendas de produtos e respectivo repasse à FBB. Diante da particularidade do tema, anualmente as propostas serão revisitadas.

AÇÃO: Avaliar, à luz da nova ECBB, o papel da Fundação enquanto agente de ISP, inclusive quanto à conexão desses investimentos com os negócios sociais do instituidor e integração com políticas públicas.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

No Plano Estratégico Trienal – 2016 a 2018 – da FBB, destacamos a sua missão de melhorar a vida das pessoas, promovendo a inclusão socioprodutiva, o desenvolvimento sustentável e as tecnologias sociais, com foco de atuação nos cinco vetores: água, agroecologia, agroindústria, resíduos sólidos e educação.

Os públicos participantes continuam sendo os estratos menos favorecidos da população brasileira, com destaque ainda maior para jovens e mulheres, por serem segmentos mais sensíveis às desigualdades sociais e mais expostos à violência.

Cabe destacar também o compromisso firmado pela FBB em atuar ao lado do seu instituidor – Banco do Brasil – em favor da transformação social e do desenvolvimento sustentável do nosso País.

No âmbito da sustentabilidade, a exemplo do nosso Programa de Baixo Carbono, a FBB prevê atuação em ações relacionadas à redução das emissões de gases do efeito estufa e no combate ao aquecimento global, na preservação de recursos hídricos e na ampliação da sinergia com os negócios sociais, com o desafio na implementação de projetos e na difusão e reaplicação de tecnologias sociais, no sentido de potencializar a inclusão socioprodutiva dos públicos priorizados.

Outro ponto relevante, que reforça nosso valor de Espírito Público, é a abordagem da premissa da FBB, que ratifica o compromisso com a excelência no atendimento e relacionamento com os públicos, captação de recursos, alinhamento com parceiros estratégicos e com políticas públicas como forma de maximizar o investimento social e a abrangência da atuação.

As ações da FBB integram o Plano de Atuação em Desenvolvimento Sustentável (PADS), ferramenta que sustenta o Modelo de Atuação Integrada em Desenvolvimento Sustentável do BB, apresentando às agências oportunidades de realização de negócios.

AÇÃO: Avaliar formas de internalização de recursos na FBB e novas fontes de recursos públicos e privados, analisando, inclusive, a viabilidade de fazer aplicação de recursos reembolsáveis.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

As ações realizadas pela nossa Fundação incluem:

  • Elaboração de proposta de alteração da Lei no 9.249/95, com vistas a aumentar o benefício fiscal para empresas doadoras de recursos;
  • Início da gestão das doações por meio da identificação dos doadores, recibos e declarações e início da análise do fluxo de doações;
  • Encaminhamento de demanda à equipe de tecnologia da informação para construção de portal para o investidor social, o que permitirá facilitar as doações e otimizar a gestão;
  • Parecer jurídico favorável para que sejam realizados investimentos sociais reembolsáveis em Fundo de Investimento em Participações (FIP);
  • Parecer jurídico desfavorável sobre o pedido de emissão de declaração de benefício fiscal, referente a doações que não sejam em espécie;
  • Tema abordado durante o workshop com a participação de nossas Entidades Ligadas (Brasilprev, BB Seguridade, BBTS, Cielo, BBAtivos, BB Consórcio) e intensificado internamente.

AÇÃO: Promover workshop anual entre áreas de negócio e FBB para viabilizar a identificação de tecnologias sociais que possam ser agregadas aos negócios BB, visando sua reaplicação, para que ganhando escala possa se tonar uma política pública, contribuindo para o desenvolvimento de uma economia mais verde e inclusiva.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Realizamos workshop com a participação de representantes de várias diretorias e de Entidades Ligadas – Brasilprev, Cielo, BB Ativos, BB Seguridade, BB Consórcio e BB Tecnologia.

A FBB apresentou suas formas de atuação no âmbito do Investimento Social Privado e a conexão dos temas com seu banco de tecnologias sociais. Após o debate, estabelecemos que as Diretorias e ELBBs irão avaliar a possibilidade de utilização de tecnologias que possam agregar valor aos negócios dos seus produtos e serviços.

Desafio 23 | Aprimorar o sistema de remuneração variável dos funcionários, inclusive da Alta Administração, contemplando o desempenho individual.

AÇÃO: Desenvolver iniciativas para ampliar o percentual de empregados cuja remuneração é impactada pela avaliação de desempenho individual (administração por objetivos e avaliações de desempenho multidimensional).

PRAZO: Ação contínua anual

Ação em contínuo desenvolvimento

Em 2015, passamos a considerar como público no Programa de Desempenho Gratificado (PDG) também os funcionários que se desligaram do Banco após o término do período de avaliação. Atualmente, 34.604 funcionários participam do PDG, que utiliza a avaliação individual de desempenho como indicador.

Desafio 24 | Aumentar o índice de satisfação dos funcionários.

AÇÃO: Analisar os fatores que mais contribuem para melhoria de satisfação dos funcionários. Avaliar a viabilidade de reforço desses fatores e criar um plano de ação.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Apresentamos e divulgamos anualmente no Sumário Executivo, após a aplicação da pesquisa, a análise dos fatores que mais contribuem para a melhoria de satisfação dos funcionários. Em 2015 revisamos a pesquisa, com a inserção de novas questões e temas – engajamento, benefícios e ampliação do foco dos treinamentos. A análise mostrou que a dimensão Engajamento Organizacional é a que mais explica a satisfação dos funcionários. Esse diagnóstico apontou uma nova perspectiva: a necessidade de aprofundar estudos a respeito do tema engajamento, desenvolver uma pesquisa para substituir a atual e fornecer dados mais concretos para atuação da área de Gestão de Pessoas. Desta maneira, não consideramos efetiva a opção de desenvolver planos de ação a partir de pesquisa que poderá ser descontinuada em 2016.

AÇÃO: Aprimorar as ações existentes e avaliar a implementação de novas para inibir o assédio moral e/ou sexual, tratando das ocorrências fundamentadas.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

A fim de aprimorar nossas ações, lançamos o curso Prevenção e Combate ao Assédio Moral e Sexual. Nossa Ouvidoria Interna também estreou uma nova metodologia para condução das denúncias, a Mediação Restaurativa, e disponibilizou o curso de mediação para solução de conflitos no ambiente de trabalho, como o assédio moral. Até dezembro de 2015, treinamos 4.873 funcionários. Realizamos oito eventos de Ouvidoria Itinerante nas Diretorias de Gestão de Pessoas (Gepes) Regionais para divulgar a Ouvidoria Interna como canal para denúncias de assédio de qualquer natureza, bem como conflitos e desvios éticos no local de trabalho. Além disso, os temas Comunicação Não Violenta (CNV), Práticas Restaurativas e Assédio Moral na Relação de Emprego e suas diferenças para a conduta e o comportamento sociofuncional reprovável foram pauta de duas reuniões ordinárias dos Comitês Estaduais para Ética, que são formados pelas lideranças internas de cada Estado, o que facilita a sua disseminação.

Desafio 26 | Manter e expandir o papel do Banco como um agente indutor do desenvolvimento sustentável por meio da inclusão financeira e dos negócios sociais (MPO, Fies, Minha Casa Minha Vida, BB Crédito Acessibilidade, Pronaf, entre outros), integrando programas e políticas públicas, parcerias com o setor privado e estratégias de desenvolvimento sustentável do BB (investimento social privado, voluntariado, inclusão digital, desenvolvimento regional sustentável, modelo de atuação integrada em desenvolvimento sustentável, entre outros).

AÇÃO: Implementar modelo de atuação em desenvolvimento sustentável.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Iniciamos a fase de expansão do Modelo de Atuação Integrada em Desenvolvimento Sustentável, proporcionando a validação de mais de 380 Planos de Ações em Desenvolvimento Sustentável (PADS), que estão gerando possibilidades negociais para as agências e contribuindo para o cumprimento da Política de Responsabilidade Socioambiental do BB. Também lançamos o curso Desenvolvimento Sustentável no BB, com a participação de mais de 300 funcionários até o momento.

No segundo semestre de 2015 concluímos a etapa de validação dos requisitos referentes à primeira fase de projeto de desenvolvimento sustentável. Mantivemos a expansão do Modelo de Atuação Integrada em Desenvolvimento Sustentável, proporcionando a validação de mais de 1.300 PADS, que estão gerando possibilidades negociais para as agências e contribuindo para o cumprimento da Política de Responsabilidade Socioambiental do BB.

AÇÃO: Definir conceito, para o BB, de “inclusão financeira” e estabelecer indicadores capazes de mensurar o desempenho das ações do Banco, com monitoramento e reporte à Alta Administração.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Nosso objetivo é adotar o mesmo direcionamento do Banco Central (Bacen) em relação ao conceito de inclusão financeira, porém com uma atuação voltada à bancarização, de forma que atenda às reais necessidades da população com este perfil.

De acordo com o Bacen, “...a inclusão financeira é o processo de efetivo acesso e uso pela população de serviços financeiros adequados às suas necessidades, contribuindo para melhorar sua qualidade de vida”.

Para nós, porém, o conceito de inclusão financeira vai além da atuação do Banco. Nossas ações buscam promover a bancarização de forma adequada às necessidades do cliente, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida, de forma sustentável.

Os indicadores propostos são os seguintes:

  • Posse de Negócios Sociais – (MPO, MCMV, PRONAF, FIES, BB Crédito Acessibilidade);
  • Utilização de canais alternativos;
  • Produtos direcionados à inclusão bancária;
  • Negócios com cooperativas.

AÇÃO: Elaborar plano anual de comunicação integrada sobre os resultados do BB em prol do desenvolvimento sustentável.

PRAZO: Ação contínua semestral

Ação em contínuo desenvolvimento

Aprovamos a elaboração de um Plano de Comunicação Integrado (PCI) voltado ao Programa Água Brasil, com o objetivo de divulgar os resultados alcançados pelo programa e a sua conexão com a solução dos problemas que estão evidenciados no contexto atual sobre a água. Para este ano, em razão de contingenciamento orçamentário, o plano de comunicação do Programa Água Brasil, cujo resultado é apresentado na Ação 36 desta Agenda 21, foi priorizado e considerado como a iniciativa voltada à divulgação dos nossos resultados em prol do Desenvolvimento Sustentável.

O PCI foi implementado e todas as ações do primeiro e segundo semestres foram conduzidas e acompanhadas. Esta ação continuará sendo acompanhada com periodicidade anual.

AÇÃO: Criar no portal UniBB área com conteúdo específico para o público dos negócios em desenvolvimento sustentável, com ênfase em educação financeira.

PRAZO: Dezembro de 2015

Ação concluída no prazo

Publicamos no site da UniBB um link com conteúdo relacionado à Educação Financeira ao público dos negócios sociais, que pode ser acessado clicando aqui.

O conteúdo também pode ser acessado no site do Banco clicando aqui.

Atenção!

Você está utilizando uma versão antiga do navegador:

.

Este site pode apresentar erros e distorções por não ser compatível com essa versão do .

Atualize seu navegador ou, se não deseja atualizar seu navegador agora, clique em Continuar.


Continuar Atualizar meu navegador