Conexão
Setor Público

GRI SO5 | SO6

Além de conduzir parcerias com o Governo Federal, o Banco do Brasil é o agente financeiro de 16 Estados e 16 capitais, e mantém negócios com todos os municípios do País, oferecendo soluções para a administração pública focadas em especialização e melhoria contínua do atendimento.

 

É parceiro das três instâncias de poder também no desenvolvimento e na aplicação de políticas públicas, projetos e programas impulsionadores do desenvolvimento nacional. Para fazer jus a esses e outros compromissos, e motivado por sua missão, o BB dissemina conhecimento de mercado e eficiência administrativa de forma a alcançar resultados consistentes. Adicionalmente, o Banco não realiza contribuições a partidos políticos, conforme previsto em seu Código de Ética.

Nesse contexto, em 2011 a Instituição ampliou o atendimento especializado para o Mercado Setor Público, em especial o Poder Executivo Municipal, com a elaboração de modelo de relacionamento para os maiores municípios. Essa nova segmentação está estruturada de acordo com a figura a seguir:

Segmentação Clientes Governo Poder Executivo Municipal

 

Essa medida será reforçada graças à parceria com os Correios para gerir o Banco Postal, que possibilitará a expansão da Rede de Correspondentes em mais de 6 mil pontos a partir de 2012. O contrato vai assegurar ainda a abertura de frentes de relacionamento em mais de 2 mil localidades, com reflexos diretos no incremento dos negócios com o Setor Público e toda a sua cadeia de valor: servidores, fornecedores, empreendedores individuais e empresas locais.

Para fazer frente a esse desafio, o BB é respaldado por sua capacidade de oferecer as soluções mais adequadas às necessidades de cada um dos nichos do segmento e de sua rede de fornecedores. Entre elas estão:

 

Produtos e Serviços

GRI EC4

Repasse de Recursos: entre os repasses efetuados pela União para os entes públicos, destacam-se as transferências constitucionais, como Fundo de Participação dos Municípios (FPM), Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) que, em 2011, totalizaram R$ 354,7 bilhões.

Fundos de Investimento Governo: o volume totalizou R$ 102,4 bilhões em recursos administrados no ano, crescimento de 12,2%, ou R$ 11,2 bilhões na comparação com 2010. Já o volume captado em Fundos Administrativos Curto Prazo respondeu por grande parte da expansão dos fundos governo no período, com evolução de 26,3% ou R$ 7,5 bilhões em relação ao exercício anterior, atingindo R$ 36,2 bilhões.

Pagamento de Benefícios: por meio de cartão específico e crédito em conta, foram realizados pagamentos de mais de R$ 7 milhões/mês de benefícios em diversos programas do governo.

Arrecadação de Tributos: no ano, o volume de tributos arrecadados somou R$ 374 bilhões, o que significa 13% mais do que no período anterior. Os produtos que mais se destacaram foram a Arrecadação Federal, com 13% de crescimento, totalizando R$ 235 bilhões, e a Arrecadação de FGTS, que permaneceu estável, totalizando R$ 16 bilhões no ano.

Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT: a carteira de operações de crédito com recursos do FAT somou R$ 6,7 bilhões. O destaque foi o montante de R$ 4,0 bilhões aplicado nas linhas do Proger Urbano Investimento (Proger Urbano Empresarial, no âmbito do BB) e R$ 1,7 bilhão no Pronaf.

Administração de Créditos: a gestão dos haveres da União totalizou, no ano, R$ 489,3 bilhões no período.

Funproger: desde a sua criação, em 1999, o Fundo já garantiu mais de R$ 9,9 bilhões em 275 mil operações de crédito para investimento de micro e pequenas empresas.

Geração de Funding para Operações de Crédito: a captação de recursos no Setor Público para aplicação em operações de crédito, inclusive agronegócios, totalizou R$ 2,5 bilhões. A captação em Fundos e Programas Governamentais, que coloca à disposição recursos para operações do FAT, FCO, Funcafé e Finame/BNDES, entre outros, fechou o ano com volume de R$ 74,4 bilhões.

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste – FCO: desde sua criação, o FCO concedeu mais de R$ 31,2 bilhões em financiamento à atividade produtiva, em mais de 722,3 mil operações. No ano, foram contratados R$ 5,5 bilhões em aproximadamente 73,5 mil operações em todos os municípios da Região Centro-Oeste.

Operações de Crédito: o volume com o Setor Público atingiu R$ 3,3 bilhões, crescimento de R$ 260 milhões ou 8,7% em relação a 2010. Fundo Pis-Pasep: por meio de contrato específico, o BB realiza os serviços operacionais do Pasep, como liberação e pagamento de cotas, pagamento de rendimentos e administração de contas de participantes. Em 2011, realizou mais de 4 milhões de pagamentos de rendimentos e cotas de principal, no montante de R$ 447 milhões.

Fundo Pis-Pasep: por meio de contrato específico, o BB realiza os serviços operacionais do Pasep, como liberação e pagamento de cotas, pagamento de rendimentos e administração de contas de participantes. Em 2011, realizou mais de 4 milhões de pagamentos de rendimentos e cotas de principal, no montante de R$ 447 milhões.

Licitações: por intermédio do Licitações-e foram realizados no ano 50,3 mil processos licitatórios, no valor total de R$ 17 bilhões.

Autoatendimento Setor Público – AASP: no ano foram realizadas 226,3 milhões de transações no AASP num total de 18,9 mil usuários. O Banco disponibilizou acesso ao Autoatendimento Setor Público por meio de iPhone/iPod Touch e aparelho celular/smartphone com o sistema Android. A nova forma de acesso segue com os padrões de segurança do Banco e as mesmas formas de autenticação do Autoatendimento Setor Público via internet.

Atendimento ao Estado de São Paulo: a rede especializada no atendimento exclusivo dos clientes Governo no Estado de São Paulo foi ampliada no exercício, abrangendo o segmento estadual, municipal e poder judiciário, quando a captação atingiu R$ 82,5 bilhões, 43% do total captado pelo Banco nesse nicho. Foi ainda reorganizado o atendimento às prefeituras e aos demais entes públicos municipais do Estado de São Paulo, em virtude da incorporação do Banco Nossa Caixa. Esse movimento caracterizou a designação de agências específicas para o relacionamento com os gestores municipais, envolvendo cerca de 2.118 contas.