busca
A- A+
Início »

Nossos Negócios

Crédito


O Banco do Brasil encerrou 2010 como líder no crédito no Brasil com 19,8% de participação de mercado. A carteira de crédito, em conceito ampliado que inclui garantias prestadas e TVM privados, atingiu R$ 388,2 bilhões, crescimento de 20,8% em doze meses.

O crescimento da carteira de crédito foi acompanho da elevação da qualidade da carteira e da consequente queda na inadimplência. Conforme pode ser percebido nos gráficos abaixo, o percentual de operações vencidas há mais de 90 dias mantém-se substancialmente melhor que aquele verificado no SFN.


Carteira de Crédito1

(R$ bilhões)
 

Inadimplência Total

(%)
     
 
1 Inclui carteira de crédito no país e no exterior, garantias prestadas e TVM privados.    
     
     

Inadimplência Pessoa Física(1)

(%)
 

Inadimplência Pessoa Juridica(1)

(%)
     
 
1 Crédito Referencial para Taxa d Juros.
Fonte: Banco Central do Brasil: Notas econômico-financeiras para a imprensa
  1 Crédito Referencial para Taxa de Juros.
Fonte: Banco Central do Brasil – Notas econômico-financeiras para a imprensa


  2009 2010

Considerando a evolução da qualidade do risco no BB, destaca-se o crescimento das operações de melhor risco (AA-C).

Não obstante a melhora nos índices de qualidade da carteira e a perceptível melhora no ambiente econômico e de negócios, o Banco do Brasil manteve a prudência em relação ao saldo das provisões para risco de crédito e ao percentual de cobertura da carteira. O saldo das provisões encerrou o trimestre em R$ 17.315 milhões, o que proporciona cobertura de 212,1% das operações vencidas há mais de 90 dias.



Crédito para Pessoas Físicas


O crédito para pessoas físicas apresentou crescimento acelerado em 2010, com um valor total de R$ 113,1 bilhões. Este número significa uma participação relativa de 31,6% da carteira total e um crescimento de 23,2% em relação a 2009. O crédito para as pessoas físicas tem alta relevância social e econômica porque facilita o acesso ao consumo de bens, produtos e serviços, gera renda e emprego e realimenta o crescimento da economia, numa espiral positiva desejável pelo BB como agente de desenvolvimento social.


Carteira de Crédito Pessoa Física

(R$ bilhões)



(1) Variação desde 2008.

Crédito Consignado

As operações de crédito consignado apresentaram crescimento de 23,2% no ano com saldo de R$ 45,0 bilhões em 2010. Estas operações constituem a principal linha de financiamento ao consumo no BB. O BB possui liderança neste segmento de atuação com 32,7% de participação de mercado.


Financiamento de Veículos

Entre as linhas de crédito mais relevantes do crédito para o consumo estão as operações de financiamento a veículos, que registraram expansão de 32,1% sobre dezembro de 2009, com saldo de R$ 27,4 bilhões. Com a parceria estabelecida com o Banco Votorantim, o Banco do Brasil consolidou sua posição neste mercado, fechando 2010 com participação em 14,5%.


BB Crédito Veículo novo Ecoeficiente e FAT Taxista

Como medida para contribuir com a preservação do meio ambiente e da sustentabilidade do planeta são oferecidas condições negociais diferenciadas para todos os clientes no financiamento de veículos novos classificados como nota 5 no ranking "Nota Verde" do Ministério do Meio Ambiente. Nesse sentido, o BB disponibiliza uma linha de crédito específica para o financiamento de veículos para taxistas com taxas diferenciadas.

Produto ou Serviço Característica RSA Quantidade de operações realizadas Total da Carteira em 2010 (R$ mil) Características
dos produtos
Ambientais  Sociais
Fat Taxista Financiamento de veículos automotores para taxistas com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT, com o propósito de renovar a frota de veículos, favorecer a geração/manutenção de emprego e renda e contribuir para o meio ambiente, na medida em que a referida linha só permite financiar automóveis cujo combustível seja de origem renovável. 1.582 33.657 X X
CDC Veículo Ecoeficiente Financiamento de veículos automotores classificados pelo Ministério do Meio Ambiente como "Nota 5" no quesito ecoeficiência com taxas reduzidas, para clientes correntistas do BB. 112 2.696 X  


Crédito Imobiliário

O Banco do Brasil atua no mercado de crédito imobiliário com recursos da poupança (Sistema Financeiro da Habitação – SFH e Carteira Hipotecária – CH), com recursos próprios e do FGTS. No mercado de financiamento às pessoas físicas, o Banco oferece linhas para aquisição de imóveis novos ou usados e residenciais ou comerciais. Para as empresas, disponibiliza linhas para financiamento à produção de unidades residenciais e comerciais. Além disso, a partir do estabelecimento de parcerias com construtoras e imobiliárias o BB oferece linhas de crédito com taxas de juros competitivas e melhores condições, com agilidade e eficiência.

Com uma carteira de R$ 3 bilhões, o Banco do Brasil atingiu no 2º semestre de 2010, de acordo com as informações do Bacen, a 5ª posição no ranking das instituições que atuam nos financiamentos imobiliários.


Minha Casa Minha Vida


Desde 2009, o Banco do Brasil ingressou no Programa Minha Casa Minha Vida com o objetivo de auxiliar no cumprimento da meta de 1 milhão de unidades financiadas ao amparo do Programa do Governo Federal. Do total proposto para o Programa, de 1 milhão de residências, o Banco do Brasil pretende contribuir com a oferta de crédito para 10% dessas moradias, financiando famílias com renda familiar bruta entre 3 a 10 salários mínimos a aquisição de imóveis prontos ou na planta.

As linhas de crédito de Financiamento à Produção para Pessoas Jurídicas garantem recursos necessários para a conclusão dos empreendimentos ofertados no mercado, dando segurança aos adquirentes dos imóveis e, caso seja de opção dos compradores, também há a possibilidade de financiar o imóvel no momento da compra, garantindo o preço do momento da transação e protegendo os compradores de possíveis variações de preço.

Produto ou Serviço Característica RSA Quantidade de operações realizadas Total da Carteira em 2010 (R$ mil) Características dos produtos
ambientais  sociais
Crédito Imobiliário – Programa Minha Casa Minha Vida(1) Os empreendimentos financiados pelo Programa deverão:

1) Prever a inclusão de idosos e portadores de necessidades especiais.

2) Normas e atitudes de prevenção ambiental, como utilização de equipamentos e soluções, tais como: energia solar, sensores de presença para uso de energia com inteligência, coleta seletiva de lixo, medidores individuais de água e gás, captação e reuso de água da chuva, janelas venezianas, lâmpadas fluorecentes compactas, etc.

3) Atender recomendações na execução das obras, tais como:
a) minimizar os impactos da obra no meio ambiente;
b) aproveitar, passivamente, os recursos naturais do ambiente local;
c) realizar a gestão e economia de água e energia na construção;
d) promover o uso racional dos materiais de construção;
e) arborizar e estimular o plantio de árvores nos terrenos;
f) estimular a coleta seletiva de lixo e o reaproveitamento do lixo seco;
g) promover discussões e difundir entre seus membros conhecimentos sobre reaproveitamento de materiais, uso racional dos recursos naturais, medidas alternativas de baixo custo de aquecimento de água/materiais degradáveis para construção/outros, riscos decorrentes da não preservação ambiental e demais questões pertinentes.
9 90.045 x x
(1) Operações realizadas para fomento à produção.



Microcrédito


O Microcrédito é caracterizado por operações de empréstimo de baixo valor, normalmente direcionado ao público de baixa renda, que não tem acesso às linhas de crédito convencionais. A lei 10.735/03 regulamenta a concessão de crédito à população de menor renda e dispõe sobre o direcionamento dos recursos correspondentes a 2% dos depósitos à vista captados pelas instituições financeiras para operações de microcrédito, a uma taxa de até 2% ao mês.

O Banco do Brasil é um dos principais agentes do mercado de microfinanças no país, direcionando sua atuação para o consumo. Os principais canais de distribuição dessas linhas de crédito são a rede de agências do banco e os caixas eletrônicos, que juntos respondem por mais de 95% das operações contratadas.

No âmbito da Estratégia de DRS, foi lançada em fevereiro de 2009 o BB Microcrédito DRS, linha de financiamento com valores situados entre R$ 200 e R$ 3 mil, taxa de juros de 0,95% ao mês e prazo de até 60 meses para microempreendedores urbanos, como artesãos, artífices, bordadeiras, sapateiros, pequenas confecções, produtores de alimentos, feirantes e agente ambientais, entres outros. O BB Microcrédito DRS é destinado exclusivamente às pessoas físicas com limite de crédito aprovado pelo BB, financiando investimento e capital de giro. O valor total contratado, em 2010, nessa modalidade foi de R$ 46 milhões.

A carteira de operações de microcrédito encerrou 2010 com R$ 1,1 bilhão, um crescimento de 66,7 % sobre o ano anterior e 1.197 mil contratos em carteira, conforme resumido no quadro abaixo:

Total Microcrédito 2010
Valor Contratado (R$) 1.111.515.756,97
Operações Contratadas 957.054
Valor médio por contrato (R$) 1.342,27
Qtde. de Contratos em Carteira 1.196.824


Produto ou Serviço Característica RSA Quantidade de Operações Realizadas Total da Carteira
em 2010 (R$ mil)
Características dos Produtos
Ambientais  Sociais
Microcrédito Linha de microcrédito disponível para correntistas com renda mensal de até R$ 1 mil, além de aposentados e pensionistas do INSS com benefício mensal no valor de até dois salários mínimos. 939.126 1.056.419   X
BB Microcrédito DRS Linha de linha de crédito que visa atender as necessidades de financiamento de microempreendedores urbanos. Com valores situados entre R$ 200 e R$ 3 mil, taxa de juros de 1,0% ao mês e prazo de até 48 meses, a linha representa uma importante ferramenta no impulso aos negócios de empreendedores urbanos beneficiários de Planos de Negócio DRS, possibilitando ao tomador uma melhor adequação de seu  fluxo financeiro. 17.928 61.363   X


Crédito para Empresas


Com uma ampla variedade de produtos e serviços, o Banco do Brasil possui expertise no atendimento a empresas brasileiras no país e no exterior. São diversas opções de crédito e financiamentos para micro, pequenas, médias e grandes empresas.

A carteira de crédito pessoa jurídica encerrou o ano com saldo de R$ 149,8 bilhões, crescimento de 19,5 % em um ano. A carteira PJ representou 41,8% do total da carteira de crédito do BB em 2010.


Carteira de Crédito PJ por Finalidade (R$ bilhões)

Ao se vislumbrar a abertura da carteira PJ por linha de crédito, destaca-se a participação das operações de investimento que representam 22,1% da carteira e apresentaram crescimento de 31,3% no ano.

Carteira de Crédito Pessoa Jurídica

(R$ bilhões)1
 

Carteira de Crédito PJ por Finalidade

(R$ bilhões)
     
 
(1) A partir de 2009 constam as carteiras do BV e BNC.    


Crédito para Empresas Médias, Grandes e Corporate

O Banco do Brasil possui inúmeras soluções de financiamento, na medida certa para os segmentos de média e grandes empresas e Empresas Corporate. Em 2010, estes segmentos apresentaram o crescimento expressivo na carteira de crédito do Banco do Brasil, com destaque para a expansão das carteiras de Capital de Giro, investimentos e crédito para a agroindústria.

Com o objetivo de reforçar o relacionamento com médias e grandes empresas e apoiar o seu crescimento no Brasil e no exterior, o Pilar Atacado do Banco do Brasil está sendo reorganizado, passando pelo aperfeiçoamento do modelo de segmentação do atendimento e investimentos na qualificação de pessoal, expansão da rede de agências e aumento da capacidade de entrega de operações financeiras estruturadas, inclusive para financiar necessidades dos clientes em mercados externos.


Operações de Investimento e Repasses

Em 2010 o BB acumulou desembolsos para investimentos na ordem de R$ 23,4 bilhões.

Além disso, manteve-se como o banco líder em repasses globais do sistema BNDES/Finame, com desembolso de R$ 18,2 bilhões, posição acumulada em 2010. Com esse desempenho o BB deteve 19,4% de participação do total e é o primeiro banco no ranking de repasses do BNDES.


Crédito para Investimento

(R$ bilhões)

(1) Inclui BNDES Exim


 

Negócios em Cadeia de Valor

  para apoio ao plantio de florestas comerciais, com a Suzano Papel e Celulose, em projetos com pequenos agricultores nos estados do Piauí e Maranhão, no valor global de R$ 25 milhões.

Também foram realizados convênios com as Federações Comerciais e Industriais do Estado de São Paulo, como uma forma de melhorar o acesso ao crédito dos seus associados, a partir da divulgação das linhas de apoio financeiro existentes e consultorias, em especial no comércio exterior.

Além disso, iniciou-se o projeto piloto que permitirá a participação do Banco no financiamento da cadeia de valor do Pré-sal, no programa denominado "Progredir", que pretende democratizar o acesso ao crédito, a custos compatíveis, dos fornecedores da Petrobrás S.A.
 
Mantendo seu foco em negócios para incremento de negócios em cadeia de valor, o Banco do Brasil formalizou, durante o ano, convênios com empresas âncoras de diversos segmentos. Merecem destaque a revitalização do convênio para financiar os fornecedores da Companhia Vale do Rio Doce, no valor de R$ 150 milhões, microdistribuidores Nestlé, no valor de R$ 15 milhões, que visa ampliar a participação da empresa no segmentos C e D, com forte apelo de sustentabilidade.

De igual modo, foi dado prosseguimento à implementação do convênio com a Petrobras Biocombustível – Pbio, firmado em 2009. Ainda com foco na sustentabilidade, foi firmado convênio
 


Crédito Responsável

FS2 | FS3 | FS4 | FS9 | FS10

Na concessão de crédito é observado, além dos critérios e normas definidos pelo Banco e pelas autoridades financeiras, o cumprimento de requisitos sociais e ambientais como os contidos nos Princípios do Equador, no Protocolo Verde e no Pacto Global, regras as quais o Banco voluntariamente aderiu. O BB também verifica a relação do Ministério do Trabalho e Emprego que identifica empresas que submetem seus empregados a formas degradantes de trabalho ou trabalho escravo, não concedendo crédito nesses casos. O Banco também não concede créditos a empresas envolvidas com trabalho infantil e exploração sexual de menores.

O Banco do Brasil adota critérios socioambientais na avaliação do estudo de limite de crédito a empresas com Receita Operacional Líquida atual ou projetada superior a R$ 50 milhões, a projetos de investimento com valor financiado pelo BB igual ou superior a R$ 2,5 milhões e em todos os financiamentos na modalidade project finance.

Em 2010, o BB analisou 3 projetos à luz dos Princípios do Equador no montante de R$ 955 milhões, que equivalem a 0,63% da carteira de crédito às empresas.

Princípios do Equador

  Nº de Projetos Financiados Valor dos
Projetos (R$ mil)
Valor Financiado
pelo BB (R$ mil)
Setores das
Empresas Financiadas
2009 4  27.371.517  2.134.000 Elétrico (UHEs) e Produção de Etanol
2010 3  5.351.000  955.000 Concessionárias de Rodovias


Os projetos financiados são avaliados e monitorados de acordo com a dinâmica do empreendimento, por uma consultoria externa especializada, contratada de modo a garantir o atendimento da legislação socioambiental vigente, bem como o atendimento a todas as diretrizes constantes dos Princípios do Equador.

Os projetos são categorizados conforme os riscos de impacto socioambiental aos quais estão sujeitos, podendo variar em uma escala de alto, médio ou baixo. Para cada empreendimento é elaborado um plano de ação que auxilia a gestão do projeto, visando o atendimento dos padrões de desempenho estabelecidos pela IFC (Internacional Finance Corporation). A concessão do crédito, independente do risco apontado, só é efetivada quando do cumprimento de todas as recomendações.

As exigências contratuais são monitoradas na implantação de projetos de investimento. É exigida a apresentação das licenças ambientais (prévia, instalação e implantação) e relatórios socioambientais, de acordo com o estágio em que se encontra o empreendimento. A frequência de monitoramento é realizada de acordo com a validade da licença, definido pelo órgão ambiental e caso seja constatada não conformidade é feita comunicação formal às áreas negociais.

A avaliação da sustentabilidade segue o critério internacional do triple bottom line, que avalia de forma integrada dimensões econômico-financeiras, sociais e ambientais das empresas. A iniciativa integra o plano de ação da Agenda 21 do BB e torna ainda mais transparentes os processos internos de analise socioambiental adotados pelo Banco, que tem como meta em sua estratégia corporativa adotar padrões de governança que sejam referências para o mercado.


Em 2010, o Banco realizou pela primeira vez um painel com stakeholders para discutir e avaliar práticas de responsabilidade socioambiental adotados em análises de crédito. Organizações não-governamentais, empresas clientes, funcionários e representantes do setor público foram convidados a participar dos estudos para aperfeiçoar as metodologias de análise sustentável hoje em uso no Banco.



Micro e Pequenas Empresas (MPE)

O Banco do Brasil possui uma base de mais de 2 milhões de clientes MPE e tem desenvolvido soluções para o melhor atendimento a este segmento.

O saldo da carteira de crédito para as MPE encerrou dezembro em R$ 50,9 bilhões. Destaque para as operações de capital de giro que ao final de dezembro de 2010 somavam R$ 37,0 bilhões, crescimento de 18,5% em relação a 2009.

Produto de Crédito MPE

(R$ bilhões)
  Dez/06 Dez/07 Dez/08 Dez/09 Dez/10
 Giro            12,9            16,9            23,6            31,3            37,0
 Investimento              5,0              6,4              9,3            11,5            13,1
 Comércio Exterior              0,5              1,3              2,0              0,6              0,7
 BNC                -                  -                  -                1,6                -  
 Total            18,3            24,6            34,9            44,9            50,9


Destaque especial para as seguintes linhas de investimento e atuações perante as micro e pequenas empresas:

• Cartão BNDES, produto em que o BB tem liderança total (valores desembolsados, quantidade de cartões e quantidade de transações), alcançou ao final de dezembro R$ 5,3 bilhões de desembolso acumulado desde o início da sua comercialização, representando incremento de R$ 2,9 bilhões nos últimos 12 meses, com 66,0% dos cartões emitidos no mercado.

Desembolso Acumulado

(R$ bilhões)



• Proger Urbano Empresarial, principal linha de crédito de investimentos para as empresas do segmento MPE, apresentou saldo de R$ 4,6 bilhões;
• As operações do Finame realizadas com micro e pequenas empresas atingiram o saldo de R$ 2,6 bilhões em dezembro de 2010;
• BB Giro APL, linha de crédito exclusiva oferecida em condições diferenciadas às empresas participantes de Arranjos Produtivos Locais (APL), com R$ 2,0 bilhões disponibilizados.

Os APL, Arranjos Produtivos Locais, complementam a Estratégia DRS do BB para fortalecer a atuação em cadeias de valor, cooperativismo e associativismo por meio da geração de trabalho e renda e são de grande importância no atendimento a MPE. Em 2010 o BB apoiou 192 APL, prestando atendimento a 19,9 mil empreendimentos e beneficiando cerca de 6.000 empresas.

Nas operações de capital de giro com micro e pequenas empresas, o Banco do Brasil utilizou amplamente o Fundo de Garantia de Operações (FGO) como forma de mitigar os riscos de crédito das operações e ampliar o volume da carteira. O Fundo de Garantia de Operações (FGO) é um mecanismo que complementa em até 80,0% as garantias exigidas das pessoas jurídicas em empréstimos e financiamentos bancários e amplia a oferta de crédito às empresas, em especial às de micro e pequeno portes, com taxas ainda mais competitivas.

Ao final de 2010, havia 353,6 mil operações contratadas com cobertura do FGO, totalizando o saldo aplicado de R$ 7,0 bilhões que representam cerca de 14% da carteira de MPE. As operações garantidas por esse Fundo representam cerca de 24,7% dos desembolsos observados nas linhas que admitem a vinculação dessa garantia.

Operações Contratadas com Cobertura do FGO


Ao longo de 2010, o Banco do Brasil também apoiou as micro e pequenas empresas instaladas em municípios atingidos por enchentes, notadamente nos estados de Pernambuco e Alagoas, por meio de ações emergenciais que permitiram a prorrogação das parcelas dos empréstimos contratados junto ao BB, sem ônus para as empresas. Nesse contexto, o BB ainda remodelou a linha de crédito destinada à renegociação de dívidas de micro e pequenas empresas, alongando prazos e reduzindo as taxas de juros, com o intuito de apoiar aquelas afetadas pela crise financeira internacional.

O Banco do Brasil é o banco que mais apoia as micro e pequenas empresas no país e para manter esta posição busca a inovação e automação para desenvolver e disponibilizar seus produtos e serviços. Um exemplo dessa postura é o Gerenciador Financeiro, o canal de autoatendimento e de interatividade das MPE empresas na internet (internet banking) e no celular (mobile banking), que oferece serviços e acesso on-line às transações bancárias, tornando mais simples, cômodas e seguras as operações do dia a dia. Em 2010, o número de micro e pequenas empresas que utilizaram regularmente o Gerenciador Financeiro para realizar transações bancárias e financeiras passou de 600 mil.



Produtos com Características Socioambientais

O segmento de micro e pequenas empresas possui grande capacidade de geração de renda e empregos. Com foco no apoio a este segmento, o BB disponibiliza a baixo custo, financiamento para capital de giro entre outros produtos e serviços.

Produto ou Serviço Característica RSA Quantidade de Operações Realizadas Total da Carteira em 2010 (R$ mil) Características
dos Produtos
Ambientais  Sociais
BB Giro Rápido Empréstimo pré-aprovado para atendimento às necessidades de capital de giro das micro e pequenas empresas, composto por duas modalidade de crédito – Cheque Especial e Crédito Fixo Reutilizável. O produto agrega valor social por disponibilizar diferenciais mercadológicos às micro e pequenas empresas. Dentre eles, podemos citar o financiamento das compras realizadas por cartão de crédito empresarial, ou seja, a adoção da taxa de juros do produto BB Giro Rápido em substituição à taxa de juros do cartão de crédito. Em 2010, o produto passou a compor a cesta ofertada aos microempreendedores Individuais, ampliando a abrangência social dessa linha de crédito. 139.342 6.058   X
BB Giro APL Empréstimo para fazer frente às necessidades de capital de giro das micro e pequenas empresas integrantes de Arranjos Produtivos Locais – APL. A atuação do BB em APL tem o objetivo de melhorar o relacionamento com o segmento de micro e pequenas empresas, por meio da participação ativa nos Arranjos, em parceria com as demais instituições, para mapear as necessidades das empresas e ofertar soluções financeiras adequadas, considerando a sustentabilidade dos empreendimentos e as características específicas de cada Arranjo. 2.091 94   X
BB Capital de Giro Mix Pasep Empréstimo para fazer frente às necessidades de capital de giro das micro e pequenas empresas. Em 2009, foi disponibilizada a contratação de BB Capital de Giro Mix Pasep com a vinculação da garantia do Fundo Garantidor de Operações – FGO, que facilitou o acesso ao crédito por micro e pequenas empresas, uma vez que a apresentação de garantias constitui uma das principais barreiras na contratação de empréstimos, e possibilitou a redução dos encargos financeiros. 147.741 3.617  X  
FAT Giro Setorial Em 2010, a linha FAT Giro Setorial teve como objetivo proporcionar a geração de emprego e renda mediante apoio financeiro às empresas que atuam nos segmento de bares e restaurantes devidamente cadastrados no Ministério do Turismo, setor intensivo em mão de obra e com dispersão geográfica abrangendo todos os pontos do país. 950 91   X
Proger Urbano Investimento Instituído pelo Ministério do Trabalho e Emprego e pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (CODEFAT) no início de 1994, o PROGER tem por finalidade a promoção de ações voltadas à geração de empregos e renda, mediante concessão de linhas especiais de crédito a setores que usualmente têm pouco ou nenhum acesso ao sistema financeiro, tais como pequenas e microempresas, cooperativas, formas associativas de produção e iniciativas de produção própria da economia informal. 23.317 4.586   X


Crédito para o Agronegócio



O Agronegócio é um dos principais setores da economia brasileira, tendo fundamental importância para o crescimento do país. O Banco do Brasil, no seu papel de agente de políticas públicas, representa um elo entre o Governo e o produtor rural, atuando como o maior financiador do agronegócio brasileiro em todos os segmentos e etapas da cadeia produtiva, do pequeno produtor às grandes empresas agroindustriais.

Vale ressaltar que ao financiar atividades agropecuárias o BB observa as regulamentações ambientais federal e estaduais vigentes, exigindo a apresentação de documentos que comprovem a regularidade do produtor referente ao licenciamento ambiental, outorga de uso d'água e averbação de reserva legal. Os documentos comprobatórios devem ser mantidos nos dossiês dos proponentes, para verificação e monitoramento da área de controles internos do Banco e de órgãos de supervisão bancária.

Previamente à contratação das operações de crédito rural são observadas exigências de regularidade ambiental e social do cliente e do empreendimento financiado.

Carteira de crédito de Agronegócios(1)

(R$ bilhões)


(1) A partir de 2009 inclui a carteira do BNC.
O público-alvo do crédito rural realiza operações de investimento, custeio e comercialização. Os financiamentos de custeio e comercialização são operações de curto prazo, que, em geral, acontecem pelo menos uma vez a cada ano-safra. Essa característica proporciona monitoramento periódico do cliente e de sua atividade. As operações de crédito rural estão sujeitas à fiscalização in loco, ocasião em que são verificados aspectos relacionados à: correta aplicação do crédito, situação das garantias, do empreendimento e da gestão do cliente. O resultado da fiscalização é informado em relatório padronizado, enviado à agência condutora da operação. O procedimento, em casos de não conformidades, tem início com notificação ao cliente e solicitação de regularização, podendo ensejar a liquidação antecipada da operação, conforme previsto em cláusula contida no instrumento de crédito.

Em 2010 o Banco do Brasil manteve-se como o principal parceiro do agronegócio brasileiro. A carteira de agronegócios encerrou o ano com saldo de R$ 75,0 bilhões em operações de crédito rural e agroindustrial, o que representa um incremento de 12,9% em relação ao mesmo período do ano passado e market share de 61%.


Carteira de Crédito de Agronegócios: por Finalidade, Região e Porte do Cliente



Carteira de crédito de Agronegócio por Finalidade

 

Carteira de Crédito de Agronegócio por Região

     
 

Região Participação


   

Carteira de Crédito de Agronegócio por Porte do Cliente

(R$ bilhões)

Segmento

Dez/09

Dez/10

Mini

11,3

5,3

Pequeno

10,7

16,2

Médio e Grande

41,0

50,3

Cooperativas

2,8

3,2

BNC

0,8

                -

Total

66,4

75,0



Mitigação de riscos


Na contratação de operações de crédito rural destacam-se a utilização de mecanismos de mitigação de risco – intempéries e preços. Ao final de 2010, 55,1% das operações de custeio agrícola estavam cobertas com seguro de produção (seguro agrícola ou proagro) e 6,1% cobertas por seguro de preço (contratos de opções).

Crédito rural com Foco Socioambiental


Para incentivar boas práticas a produtores rurais, o BB oferece uma série de linhas de crédito com foco socioambiental para as atividades agropecuárias, florestamento e reflorestamento, agroecologia, produção orgânica, recuperação de áreas degradadas, de redução e absorção de gases de efeito estufa e de projetos de baixo carbono, amparados pelo Programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC), em implementação, tais como BNDES Produsa, FCO Pronatureza, BNDES Propflora, Pronaf Florestal, Pronaf Agroecologia, Pronaf ECO. Em 2010 o volume contratado nestas linhas foi de R$ 195,6 milhões.


Produtos com Características Socioambientais

EC4 | FS7 | FS8

Produto ou Serviço Característica RSA Quantidade de Operações Realizadas Total da Carteira em 2010 (R$ mil) Características
dos Produtos
Ambientais  Sociais
BB Florestal – FCO Pronatureza FCO Pronatureza:

a) incentivar projetos que visem à conservação e à proteção do meio ambiente, à recuperação de áreas degradadas ou alteradas e ao desenvolvimento de atividades sustentáveis;
b) apoiar a adaptação dos processos produtivos a tecnologias apropriadas às condições ambientais da região;
c) incentivar a recuperação da área de reserva legal, matas ciliares e de preservação ambiental;
d) propiciar condições para expansão da atividade orgânica;   
e) incentivar a implantação de empreendimentos florestais, com foco na geração de empregos e renda;                       
f) apoiar, também, a viabilização de projetos que contemplem sequestro de carbono e redução de emissão de gases de efeito estufa.
163 293.220 X  
BB Florestal – BNDES Propflora I. Contribuir para a redução do déficit existente no plantio de árvores utilizadas como matérias-primas pelas indústrias, principalmente a indústria moveleira;
II. Incrementar a diversificação das atividades produtivas no meio rural;
III. Gerar emprego e renda de forma descentralizada;      
IV. Alavancar o desenvolvimento tecnológico e comercial do setor, assim como a arrecadação tributária;          
a) sociais: fixar o homem no meio rural e reduzir a sua migração para as cidades, por meio da viabilização econômica de pequenas médias propriedades;
b) ambientais: contribuir para a preservação das florestas nativas e ecossitemas remanescentes.
195 97.449 X  
BB Florestal – Pronaf Florestal Investimentos em projetos que preencham os requisitos definidos pela Secretaria da Agricultura Familiar/MDA, para:    
a) sistemas agroflorestais;                                     
b) exploração extrativista ecologicamente sustentável, plano de manejo e manejo florestal, incluindo-se os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento;                  
c) recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal e recuperação de áreas degradadas, para cumprimento da legislação ambiental;
d) enriquecimento de áreas que já apresentam cobertura florestal diversificada, com o plantio de uma ou mais espécies florestais, nativas do bioma.
489 62.522 X  
BNDES Produsa O Programa de Estímulo à Produção Agropecuária Sustentável-Produsa, é uma linha de crédito fixo, com recursos do BNDES, que incorporou o antigo Programa de Integração Lavoura-Pecuária – Prolapec e os itens do Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais – Moderagro relacionados à correção e conservação de solos, recuperação de pastagens, ações de adequação e preservação ambiental.

a) disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando características de eficiência, de boas práticas de produção, responsabilidade social e de preservação ambiental;
b) estimular ações de sustentabilidade ambiental no âmbito do agronegócio;                                                 
c) estimular a recuperação de áreas produtivas degradadas, inclusive pastagens, para o aumento da produtividade agropecuária em bases sustentáveis;                          
d) apoiar ações de regularização das propriedades rurais frente à legislação ambiental (reserva legal, áreas de preservação permanente, tratamento de dejetos e resíduos, entre outros);
e) diminuir a pressão por desmatamento em novas áreas, visando a ampliação da atividade agropecuária em áreas degradadas e que estejam sob processo de recuperação;                          
f) assegurar condições para o uso racional e sustentável das áreas  agrícolas e de pastagens, reduzindo problemas ambientais;     
g) intensificar o apoio à implementação de sistemas produtivos sustentáveis, como o sistema orgânico de produção agropecuária.
706 173.175 X  
Pronaf O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Pronaf, criado em 1995 pelo Governo Federal, destina-se ao apoio financeiro das atividades agropecuárias e não agropecuárias exploradas mediante emprego direto da força de trabalho da família produtora rural.

Tem como objetivo fortalecer atividades do agricultor familiar, integrá-lo à cadeia do agronegócio, aumentar sua renda e agregar valor ao produto e à propriedade, mediante a:

a) profissionalização dos produtores e familiares;
b) modernização do sistema produtivo;
c) valorização do produtor rural familiar.
723.499 17.680.585 X  
BNDES/Moderagro O Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais – Moderagro é uma linha de crédito fixo, destinada a investimentos agropecuários com recursos do BNDES.

a) apoiar o desenvolvimento da produção de espécies de frutas com potencial mercadológico interno e externo, especialmente no âmbito do Programa de Produção Integrada de Frutas (PIF Brasil), assim como beneficiamento, industrialização, padronização e demais investimentos necessários às melhorias do padrão de qualidade e das condições de comercialização de produtos frutícolas (Moderagro Fruta);
b) fomentar os setores da apicultura, aquicultura, avicultura, cunicultura, chinchilocultura, floricultura, horticultura, pesca, ovinocaprinocultura, ranicultura, sericicultura, suinocultura e a defesa animal, particularmente o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) e a implementação de sistemas de rastreabilidade bovina e bubalina (Moderagro Desenvolvimento e Defesa Animal), além de projetos de adequação sanitária ou ambiental, relacionados às atividades constantes das finalidades deste Programa.
373 727.407    
Ourocard Agronegócio Permite aos seus portadores que acessem suas linhas de crédito rural (custeio e investimento) previamente contratadas. O pagamento é feito diretamente ao fornecedor conveniado de forma que garante a correta aplicação do recurso. 110.000 cartões emitidos      


Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf)


Mudar a realidade social e econômica do pequeno produtor rural, inserindo-o em um contexto de maior uso de tecnologia e de melhor gestão financeira e comercial é um grande desafio para qualquer país, e o Brasil vem dando conta disso por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – Pronaf. Este programa propicia financiamentos com prazo e taxas adequadas ao produtor, em um ambiente de proteção contra os riscos climáticos e de comercialização com incentivo ao associativismo e ao uso da assistência técnica.

Como executor de políticas públicas com perfil de desenvolvimento sustentável, o Banco do Brasil é o principal agente financeiro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), uma iniciativa do Governo Federal que tem por objetivo estimular o desenvolvimento dos agricultores familiares e viabilizar a concessão de créditos com taxas e prazos adequados.

A grande contribuição do BB para o Pronaf é o uso de toda a sua tradição, capacidade operacional e conhecimento bancário em crédito rural para a construção de soluções de crédito automatizadas e massificadas, possibilitando a contratação de mais de um milhão de operações por ano, R$ 5 bilhões de créditos concedidos.

Os gráficos abaixo demonstram a expressiva evolução da participação do BB no Pronaf:


Contratações – Ano Safra

(R$ bilhões)



Saldo de Carteira – Ano

(R$ bilhões)

topo