Governança Corporativa
Estrutura Organizacional

GRI 4.1

A estrutura organizacional do BB contempla a Assembleia Geral, o Conselho de Administração – assessorado pelo Comitê de Auditoria, Auditoria Interna, Diretoria Executiva, composta pelo Conselho Diretor (Presidente e nove Vice-Presidentes) e pelos 27 Diretores Estatutários. Há ainda um Conselho Fiscal permanente. Os órgãos de administração do Banco são compostos por integrantes brasileiros, dotados de notórios conhecimentos – inclusive sobre as melhores práticas de Governança Corporativa –, experiência, idoneidade moral, reputação ilibada e capacidade técnica compatível com o cargo.

GRI 4.7

O desempenho do Conselho de Administração é autoavaliado desde 2009, quando foram instituídos instrumentos e procedimentos com essa finalidade. Essa prática ampara diagnósticos e ações de aprimoramento da gestão do Banco, fortalecendo a política de Governança do BB. Por meio desses instrumentos também são avaliados os desempenhos da Diretoria Executiva e do Comitê de Auditoria.

GRI 4.10

Buscando a transparência, anualmente, o montante global da remuneração dos órgãos da Administração é fixado em Assembleia Geral Ordinária (AGO), sendo que a remuneração dos membros do Conselho de Administração é fixa, não excedendo o disposto na Lei nº 9.292/96, e não está vinculada ao desempenho econômico, social ou ambiental. Já a remuneração da Diretoria Executiva é composta de parcela fixa e outra variável vinculada aos resultados do Banco. Mais informações são divulgadas no Formulário de Referência que pode ser acessado no site de Relações com Investidores do Banco do Brasil.

GRI 4.5

Sempre que necessário, o Banco também promove adequações em sua estratégia corporativa e arquitetura empresarial, de forma a assegurar competitividade, sustentabilidade e condições para manter uma política de relacionamento e resultados adequada com seus públicos de interesse. Nesse sentido, o Conselho de Administração aprovou uma série de medidas que tiveram como foco: a instituição de modelo e de soluções de apoio à Governança Corporativa de entidades ligadas, que cresceram em volume e complexidade em razão da adoção de novos padrões de negócio e societários; o aprimoramento do desenho organizacional relativo à gestão financeira e à gestão de riscos e de controles internos; e a revisão da vinculação de Unidades Estratégicas aos membros do Conselho Diretor, com o objetivo de aprimorar a sinergia entre áreas específicas. As principais iniciativas foram:

Além dessas mudanças, o Conselho de Administração aprovou ainda a criação da Unidade Canais de Parceiros – UCP, vinculada ao Vice-Presidência de Varejo, Distribuição e Operações – Vivar, para responder pela gestão dos canais de distribuição de parceiros no País, compreendendo o relacionamento institucional e comercial com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT/Banco Postal e a gestão da rede de correspondentes Mais BB. Mais do que otimizar o relacionamento com esses parceiros, a criação da Unidade permitirá maior ênfase comercial na atuação com os Canais de Parceiros, de forma a torná-los mais efetivos na exploração das oportunidades de negócios identificadas e no atendimento das demandas dos clientes, principalmente nos processos de inclusão bancária e educação financeira.




Conselho de Administração
GRI 4.2 | 4.3 | 4.4 | 4.5 | 4.6 | 4.9
As atribuições do Conselho
de Administração incluem a
aprovação da Estratégia
Corporativa do Banco do
Brasil para período de cinco
anos, com metas econômicas,
sociais e ambientais

O Conselho de Administração (CA), como o mais alto órgão de Governança da Empresa, cumpre atribuições estratégicas, orientadoras, eletivas e fiscalizadoras, o que inclui a aprovação de políticas, estratégias e planos corporativos. Ainda visando o melhor desempenho e alinhamento das políticas do BB, o Conselho aprova a Estratégia Corporativa do Banco do Brasil (ECBB), que consolida as decisões para o período de cinco anos, com direcionadores que orientam ações e metas relacionadas aos desempenhos econômico, social e ambiental do BB. Adicionalmente, o órgão acompanha trimestralmente o desempenho do Banco quanto ao atingimento das metas estabelecidas nos documentos estratégicos, sugerindo ações corretivas pertinentes, e aprova o Relatório da Administração, que contempla o desempenho dos negócios, as principais iniciativas do período e as ações de sustentabilidade. As reuniões ordinárias ocorrem uma vez ao mês e as extraordinárias, sempre que necessário. No ano de 2011, foram realizadas 13 reuniões.

O Conselho de Administração é composto por pessoas naturais, eleitas pela Assembleia Geral, e tem sete membros, com mandato unificado de dois anos, entre os quais um Presidente e um Vice-Presidente, permitida a reeleição. O prazo de gestão se estende até a investidura dos novos membros.

Aos acionistas minoritários é assegurado o direito de eleger ao menos dois Conselheiros, se maior número não lhes couber pelo processo de voto múltiplo.

Já a União indicará, à deliberação da Assembleia Geral, para o preenchimento de cinco vagas no Conselho de Administração: o Presidente do Banco, que será o Vice-Presidente do Conselho de Administração; dois representantes indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda; um representante indicado pelos empregados do Banco do Brasil S.A.; e um representante indicado pelo Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão.

O Presidente do Conselho é escolhido entre os membros indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda, e o representante dos empregados é escolhido pelo voto direto de seus pares, entre os empregados ativos, em eleição organizada e regulamentada pelo Banco, em conjunto com as entidades sindicais que os representam.

Nenhum dos conselheiros tem participação significativa no capital social e apenas o Vice-Presidente acumula função executiva, como Presidente do Conselho Diretor. O órgão é composto pelos seguintes membros:

Conselho de Administração
1 Nelson Henrique Barbosa Filho
Presidente do Conselho de Administração e Representante da União (Secretário Executivo do Ministério da Fazenda)

2 Aldemir Bendine
Vice-Presidente do Conselho de Administração e Presidente do Banco do Brasil

3 Adriana Queiroz de Carvalho

Representante da União (Procuradora da Procuradoria da Fazenda Nacional)

4 Bernardo Gouthier Macedo
Conselheiro Independente (indicado pelos acionistas minoritários)

5 Francisco de Assis Leme Franco
Representante da União (Diretor na Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão)

6 Henrique Jäger
Conselheiro Independente (indicado pelos acionistas minoritários)

7 Sérgio Eduardo Arbulu Mendonça
Conselheiro Independente (indicado pelos acionistas minoritários)
Conselho Fiscal

De caráter permanente, é composto por cinco membros e respectivos suplentes, eleitos em Assembleia Geral para mandato de um ano (veja a seguir). Os acionistas minoritários têm direito de eleger dois membros. O órgão se reúne ordinariamente uma vez ao mês e, extraordinariamente, sempre que julgado necessário. Fazem parte desse Conselho:

Conselho Fiscal
1 Daniel Sigelmann
2 Anelize Lenzi Ruas de Almeida
3 Clóvis Ailton Madeira
4 Marcos Machado Guimarães
5 Pedro Carvalho de Mello
Comitê de Auditoria

No assessoramento do Conselho de Administração atua o Comitê de Auditoria, ao qual cabe avaliar a efetividade da Auditoria Interna e a Auditoria Independente, entre outras atribuições previstas na legislação própria. Ordinariamente, ele se reúne duas vezes ao mês, antes das reuniões do Conselho de Administração; no mínimo, uma vez a cada trimestre, com o Conselho de Administração, o Conselho Diretor, Auditoria Interna e Auditoria Independente; e, extraordinariamente, sempre que convocado ou quando julgar necessário. É composto por três membros efetivos e um suplente, eleitos pelo Conselho de Administração para mandato de um ano, renovável até o máximo de cinco anos. Um membro titular será escolhido dentre os indicados pelos conselheiros de administração eleitos pelos acionistas minoritários e dois membros titulares serão escolhidos dentre os indicados pelos conselheiros de administração representantes da União. São eles:

Comitê de Auditoria
1 José Danúbio Rozo
2 Arno Meyer
3 Celene Carvalho de Jesus
4 José Gilberto Jaloretto
Auditoria Interna

Rudinei dos Santos
Auditoria Interna

O Banco do Brasil mantém a área de Auditoria Interna que, subordinada ao Conselho de Administração, é responsável por promover auditorias com foco nos riscos e assessorar o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal, a Diretoria Executiva e as subsidiárias. Seu titular é escolhido entre funcionários da ativa, sendo nomeado e dispensado pelo Conselho de Administração.

Conselho Diretor

No âmbito da Diretoria Executiva atua o Conselho Diretor, órgão colegiado, formado pelo Presidente e pelos
Vice-Presidentes da Organização, que se reúne pelo menos uma vez por semana. Entre suas atribuições estão a de propor e fazer executar as políticas, a estratégia corporativa, o plano de investimentos, o plano diretor e o orçamento geral do Banco; aprovar e fazer executar o plano de mercados e o acordo de trabalho; decidir sobre a organização interna do Banco e a sua estrutura administrativa; distribuir e aplicar os lucros apurados, na forma deliberada pela Assembleia Geral ou pelo Conselho de Administração, observada a legislação vigente. Fazem parte desse Conselho:

Conselho Diretor
Presidência    

Aldemir Bendine
   
     
     
Vice-Presidência de
Negócios de Varejo
Vice-Presidência de Varejo,
Distribuição e Operações
Vice-Presidência de
Controles Internos e
Gestão de Riscos

Alexandre Corrêa Abreu

Dan Antonio
Marinho Conrado


Danilo Angst
     
     
Vice-Presidência
de Tecnologia
Vice-Presidência Gestão
Financeira e de Relações
com Investidores
Vice-Presidência de
Agronegócios e Micro
e Pequenas Empresas

Geraldo Afonso
Dezena da Silva

Ivan de Souza Monteiro

Osmar Fernandes Dias
     
     
Vice-Presidência de Atacado,
Negócios Internacionais
e Private Bank
Vice-Presidência
de Governo
Vice-Presidência Gestão
de Pessoas e Desenvolvimento
Sustentável

Paulo Rogério Caffarelli

Ricardo Antonio de Oliveira

Robson Rocha
     
Diretoria Executiva

Responsável pela administração dos negócios, tem entre suas atribuições cumprir e fazer cumprir o Estatuto Social, as deliberações da Assembleia Geral de acionistas e do Conselho de Administração e as decisões colegiadas suas e do Conselho Diretor.

Atualmente, é composta pelo Conselho Diretor, formado pelo Presidente e pelos Vice-Presidentes, e por 27 Diretores, que têm mandato de três anos, sendo permitida a reeleição. O Presidente do Banco do Brasil é nomeado e demissível pelo Presidente da República, e os Vice-Presidentes e os Diretores são eleitos pelo Conselho de Administração, sendo que o cargo de Diretor é privativo de funcionário da ativa. Seguem os diretores que compõem a
Diretoria Executiva:

Diretoria Executiva
Diretoria de Micro e
Pequenas Empresas
Diretoria de Negócios
Internacionais
Diretoria de Reestruturação
de Ativos Operacionais

Adilson do
Nascimento Anisio

Admilson Monteiro Garcia

Adriano Meira Ricci
     
     
Diretoria Comercial Diretoria Jurídica Diretoria de Distribuição

Antonio Maurício Maurano

Antonio Pedro da
Silva Machado

Ary Joel de Abreu Lanzarin
     
     
Diretoria Gestão
de Pessoas
Diretoria de Relações
com Funcionários e
Entidades Patrocinadas
Diretoria de Agronegócios

Carlos Alberto Araújo Netto

Carlos Eduardo Leal Neri

Clenio Severio Teribele
     
     
Diretoria de
Crédito Imobiliário
Diretoria de Marketing
e Comunicação
Diretoria Gestão de Riscos

Gueitiro Matsuo Genso

Hayton Jurema da Rocha

Ives Cézar Fülber
     
     
Diretoria de Finanças Diretoria de Tecnologia Diretoria de Empréstimos
e Financiamentos

José Maurício Pereira Coelho

Luiz Henrique
Guimarães de Freitas

Marcelo Augusto
Dutra Labuto
     
     
Diretoria de Crédito Diretoria de Estratégia
e Organização
Diretoria de Seguros, Previdência
Aberta e Capitalização

Márcio Hamilton Ferreira

Marco Antonio
Ascoli Mastroeni

Marco Antonio da
Silva Barros
     
     
Diretoria de Gestão
da Segurança
Diretoria de
Controles Internos
Diretoria de Mercados de
Capitais e Investimentos

Marcos Ricardo Lot

Nilson Martiniano Moreira

Osvaldo de Salles
Guerra Cervi
     
     
Diretoria de Governo Diretoria de Cartões Diretoria de Apoio aos
Negócios e Operações

Paulo Roberto Lopes Ricci

Raul Francisco Moreira

Sandro José Franco
     
     
Diretoria de Controladoria Diretoria de Clientes
Pessoas Físicas
Diretoria de Distribuição
São Paulo

Sandro Kohler Marcondes

Hideraldo Dwight Leitão

Walter Malieni Junior
Unidades Estratégicas

Responsável pela gestão dos processos de negócio e de apoio aos negócios e à gestão, participam das deliberações dos Comitês Estratégicos e não possuem responsabilidade estatutária. São formados pelos seguintes Gerentes-Gerais:

Unidades Estratégicas
Unidade de Construção
de Soluções de TI
Unidade Canais
de Parceiros
Unidade de Operação
de Soluções de TI

Anderson Freire Nobre

Claudemir Andreo Alledo

Daniel Oliveira da Silva
     
     
Unidade Governança
de Entidades Ligadas
Unidade Contadoria Unidade de Estruturação
de Soluções de TI

Edson Rogério da Costa

Eduardo César Pasa

Gustavo de Souza Fosse
     
     
Unidade Relações
com Investidores
Unidade Gestão
de Canais
Unidade Gestão
Previdenciária

Gustavo Henrique
Santos de Sousa
Vago

Janio Carlos Endo Macedo
     
     
Unidade Desenvolvimento
Sustentável
Unidade Private Bank Unidade Aquisições e
Parcerias Estratégicas

Rodrigo Santos Nogueira

Rogério Fernando Lot

Sidney Passeri
     
     
Secretaria Executiva
   

Luiz Cláudio Ligabue
   
Clique aqui para visualizar o quadro até 31 de dezembro de 2011


Instrumentos de Governança Corporativa

GRI 4.8 | FS15

Para amparar seu relacionamento com os diversos públicos de interesse (clientes, funcionários e colaboradores, fornecedores, parceiros, concorrentes, governo, comunidade e órgãos reguladores), assim como sua conduta e práticas administrativas, o Banco do Brasil mantém as políticas e ferramentas abaixo, que também estão disponíveis no site de Relações com Investidores.

Estatuto Social
Estabelece as características, o objeto, a administração, o funcionamento e a gestão do Banco, e rege o relacionamento entre acionistas.
Regimentos Internos
Regulamentam as atribuições e a operacionalização das reuniões do Conselho de Administração, Conselho Fiscal, Comitê de Auditoria e da Diretoria Executiva.
Código de Governança Corporativa
Expõe a visão e possibilita a consulta simplificada sobre princípios e práticas relacionadas ao tema na Organização.
Código de Ética
Estabelece as bases para a adoção dos instrumentos e das práticas da boa Governança Corporativa entre o Banco e seus públicos de interesse.
Carta de Princípios
Expõe os compromissos assumidos pelo Banco relacionados à responsabilidade socioambiental.
Política de Divulgação
Pauta a divulgação de informações ao mercado, com base nas necessidades de usuários externos para fins de decisões de natureza econômica, em aderência às exigências dos órgãos reguladores e fiscalizadores.
Política de Negociação
Normatiza o sistema de autorregulação que disciplina a negociação com valores mobiliários de sua emissão, por quaisquer pessoas que, em virtude de seu cargo, função ou posição na Organização, tenham acesso à informação de ato ou fato relevante.
Política Específica de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro
Orienta a atuação do Banco do Brasil em relação à prevenção e ao combate à lavagem de dinheiro, compondo a relação de políticas associadas ao gerenciamento do seu risco operacional.
Normas de Conduta
As Normas de Conduta do Banco do Brasil, com fundamento em valores éticos superiores, estabelece critérios e princípios que regem deveres e direitos dos funcionários em relação ao ambiente de trabalho, ao relacionamento interno, a conflitos de interesse, ao patrimônio da Organização, a segurança e sigilo de informações, a presentes e favores, aos valores corporativos e responsabilidades com públicos externos e de gestão.